BolsaConhecimentoInvestimentos

Você é um investidor ou um especulador?

By 14 de agosto de 2017 No Comments
Investidor ou Especulador

Qualquer pessoa que compra e vende ações na Bolsa de Valores é comumente chamada de investidor, contudo, o emprego do termo investidor em alguns casos é equivocado.

Existem diferentes personagens que atuam no mercado de ações, assim como descreveu Décio Bazin, em seu livro “Faça Fortuna com Ações antes que seja tarde” escrito em 1992, onde ele separa os agentes de mercado em 5:

  • O Manipulador
  • O Especulador
  • O Especulador novato
  • Investidor Institucional
  • Investidor pessoa física

Nota-se que Bazin já fazia a distinção entre o investidor e o especulador em sua obra, o mesmo ocorre no livro “Security Analysis“,  escrito pelo pai do Value Investing, Benjamin Graham, onde ele define investimento e especulação:

“Uma operação de investimento é aquela que, após análise minuciosa, promete segurança do capital investido e retornos satisfatórios. Operações que não atendem a esses requisitos são especulativas.”

De fato, as diferenças na postura e na metodologia de um investidor e um especulador são muitas, no entanto, parecem se confundir para muitos.

Para Décio Bazin

Ao descrever os agentes do mercado, Décio Bazin é enfático.

Para ele, os especuladores focam suas atividades nos day trades, negócios à vista ou de prêmios de opções.

Onde ele diz que o termo “negócios” é um eufemismo, uma vez que o especulador compra e vende as ações no mesmo dia, pouco se importando com a empresa e sim com as flutuações.

Caracteriza o especulador como um indivíduo amargo, tristonho e arredio, cujo vício que não consegue se livrar é o lado especulativo do mercado.

Este personagem, a princípio, nunca será sócio permanente de nenhuma companhia, uma vez que só compra ações para revendê-las.

Ademais, dá ao especulador novato o título de “figura lamentável” da Bolsa de Valores.

Já a definição de Bazin para o investidor pessoa física, intitulado como “figura olímpica, é aquele cujo objetivo final do investimento é a tranquilidade, estabilidade financeira e poder passar isso aos descendentes.

Ainda, o autor alerta os leitores sobre os fluxos especulativos:

“Quando você ouvir ou ler que o volume da Bolsa está subindo e que os preços estão acompanhando essa ascensão, acautele-se.”

Diferenças nos conceitos 

Segundo a definição de Benjamin Graham, o especulador é aquele que realiza a operação sem uma boa análise prévia da empresa que pretende comprar ações.

Visto isso, é fácil de perceber que o especulador é um agente do mercado pode cair de forma muito fácil em algumas das armadilhas psicológicas que comprometem os resultados, como seguir tendências, inveja, entre outras.

A principal diferença entre estes dois personagens é a razão pela qual eles investem.

Enquanto o investidor de valor busca a independência financeira e construir uma carteira previdenciária no longo prazo, o especulador atua visando o curto prazo e promessas de retornos elevados.

O megainvestidor Warren Buffett frequentemente comenta sobre as diferenças entre estes conceitos, que para ele, são antagônicos.

Para Buffett, de forma similar à Graham, em uma operação de investimento o foco é na análise do ativo para determinar se vai comprá-lo, a fim de ganhar mais dinheiro no longo prazo.

Já em uma operação especulativa o foco é no preço da ação e não no próprio ativo, esperando que o preço valorize, sem qualquer análise.

Não é difícil ver casos onde muitas pessoas tomam decisões de compra ou venda de ações seguindo tendências, isto é, os fluxos especulativos sem fundamentos, que vão diretamente contra uma das principais regras de Luiz Barsi “Nunca compre uma dica”.

A postura de um investidor frente a de um especulador é oposta em períodos da bolsa, no momento de euforia os especuladores tomam mais riscos e comprar muitas ações, enquanto os investidores se expõe a pouco risco. O oposto ocorre nos períodos de crise.

A frase de Warren Buffett explica a postura de um investidor:

“Tenha medo quando os outros estão gananciosos e seja ganancioso quando os outros têm medo.”

Conclusão

A decisão da postura que cada um tem ao atuar no mercado de capitais é de caráter individual, no entanto, recomendamos fortemente aos nossos leitores que sejam investidores e não especuladores.

Nossa opinião vai de acordo com a frase de Mark Twain:

“Há duas vezes na vida de um homem em que ele não deve especular: quando ele não pode pagar e quando ele pode.”

Compartilhe a sua opinião

Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.