Acesso Rápido

    Tripé macroeconômico: Descubra o que é e como ele teve início no Brasil

    Tripé macroeconômico: Descubra o que é e como ele teve início no Brasil

    Você já ouvir falar sobre tripé macroeconômico?

    O tripé macroeconômico é um dos aspectos mais importantes dentro do conceito da macroeconomia.

    O que é tripé macroeconômico?

    O tripé macroeconômico se refere ao conjunto de medidas constituído pelo câmbio flutuante, metas fiscais e metas de inflação. No Brasil, foi implementado pelo governo FHC e retomado no governo Temer, após ser abandonado pelo governo de Dilma Rousseff.

    Como o tripé macroeconômico teve início no Brasil?

    tripé macroeconômico no BrasilO tripé da macroeconomia no Brasil teve início em 1999. Na época, tinha-se o início do segundo mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso.

    A implementação do plano é atribuída a Armínio Fraga, presidente do Banco Central no período.

    O tripé foi necessário na época pois o Brasil passou a ter problemas com a condução da política econômica, a qual utilizava o regime cambial fixo. Ou seja, o governo fixava um valor para o dólar em relação ao real, e operava diretamente no mercado para manter este valor fixo.

    Os investidores e demais atuantes do mercado percebiam que aquele valor para a moeda americana era artificial, por isso, mesmo com o câmbio fixo os agentes econômicos seguiam comprando dólares.

    Isto exigia que o Banco Central cada vez mais atuasse do outro lado da operação, vendendo dólares para manter a moeda estável. Chegou-se ao ponto de que estas operações se tornaram muito custosas para a balança de pagamentos do Brasil, sendo necessária uma nova solução.

    Ainda, outra forma que o Governo percebeu para atrair dólares foi manter uma elevada taxa de juros. A taxa Selic, para se ter uma noção, em Janeiro de 1998 era de 38%.

    Este patamar elevado de juros necessário para manter o câmbio fixo corroborou para a criação do tripé macroeconômico.

    Em junho de 2016, Armínio Fraga descreveu o tripé macroeconômico em uma linguagem simples, desta forma:


    Frase de Armínio Fraga:

    “O que se tem hoje é uma mudança que dá à taxa de câmbio uma função diferente da função que ela tinha antes. Antes o Governo dizia para a taxa de câmbio: ‘Você toma conta da inflação.’ e dizia para a taxa de juros: ‘Você toma conta do balanço de pagamentos.’, que é um regime de taxa de câmbio fixa. Hoje nós estamos escalando o time de forma diferente. Nós estamos dizendo para taxa de câmbio: ‘você toma conta do balanço de pagamentos’ e para taxa de juros: ‘você toma conta da inflação’. Agora, nada disso funciona sem uma boa política fiscal”.

    Na frase do ex-presidente do Banco Central, percebe-se que ele cita os 3 componentes do tripé da macroeconomia, abaixo será detalhado o que representa cada componente:

    • Meta de inflação
    • Câmbio flutuante
    • Meta fiscal

    Meta de inflação

    Estabelece-se no tripé da macroeconomia que um dos principais objetivos do Banco Central é perseguir uma meta de inflação.

    De tal forma que seja definida um centro da meta, por exemplo, de 4,5%. E que a partir desta meta será estabelecido um piso, de 3% por exemplo, e um teto, de 6% por exemplo.

    Este piso e teto servem como parâmetros dentre os quais o Governo deve trabalhar para está sempre entre deles. O teto e o piso da meta de inflação servem para acomodar possíveis choques externos inesperados.

    Uma vez estabelecida a meta, o Banco Central deve buscar atingi-la com os instrumentos que lhe são capazes, tais como a taxa de juros.

    Isto ocorre pois uma inflação elevada pode trazer diversos malefícios à economia de um país. O Brasil, inclusive, passou por muitas dificuldades durante a época da hiperinflação nas décadas de 80 e 90.

    Câmbio flutuante

    O câmbio flutuante é uma forma de deixar que o valor do câmbio oscile livremente. Os valores das moedas internacionais são definidos pelo mercado, seguindo a lei da oferta e da demanda.

    Desta forma, não há influência artificial na taxa de câmbio. Assim, ela passará a refletir diretamente a percepção de risco sobre o país.

    Atualmente, embora se considere que o Brasil adota uma política cambial flutuante, o Banco Central ainda intervém em momentos de grande estresse do mercado.

    Meta fiscal

    A meta fiscal diz respeito ao estabelecimento de um objetivo para a política fiscal que o governo deve cumprir.

    A política fiscal, por sua vez, refere-se ao gerenciamento das receitas e dos gastos do governo, antes do pagamento dos juros da dívida.

    Ao estabelecer uma meta fiscal o Governo se compromete a determinado patamar de gastos e receitas.

    Ao fixar este patamar e cumpri-lo, o Governo passa a gozar da confiança dos seus credores. Assim, é possível manter uma taxa de juros reduzida, o que por sua vez fomenta o desenvolvimento do país.

    O cenário ideal é que a meta fiscal seja composta por um superávit primários, ou seja, que as receitas superem os gastos.

    No entanto, em algumas ocasiões a meta fiscal pode ser definida de forma a colocar um limite para o déficit fiscal. Ou seja, o limite no qual os gastos podem ultrapassar as receitas.

    Em 2018, por exemplo, a meta fiscal do Governo Brasileiro foi estabelecida em um déficit de R$ 159 bilhões.

    Discussões a respeito do tripé

    debate tripé da macroeconomiaApesar de ser utilizado por praticamente todas as nações desenvolvidas o tripé da macroeconomia não é uma unanimidade.

    Muitos economistas, principalmente da escola Keynesiana, defende uma flexibilização do tripé.

    Estes economistas acreditam que o Governo pode agir como um indutor do crescimento, realizando para isso muitos gastos.

    Por isso, para estes economistas, a meta fiscal deveria ser muitas vezes deixada de lado, além de se aceitar uma maior inflação.

    Alguns economistas mais radicais defendem inclusive o retorno da taxa de câmbio fixa.

    Conclusão sobre o tripé macroeconômico

    conclusão tripé macroeconômico
    Entender o tripé macroeconômico é essencial para uma melhor compreensão da economia do Brasil e outros países.

    Vários fatores influentes no dia a dia de muitos brasileiros possuem suas origens no tripé da macroeconomia. Por exemplo, quando se ouve a expressão de que “o dólar caiu” isto só ocorre devido a existência do tripé.

    Além disso, mudanças na taxa de juros para conter a inflação, e o conceito de superávit e rombo fiscal, ambos muito noticiados nos meios de comunicação, também derivam diretamente do tripé da macro economia.

    Ainda, esta política quando bem executada traz desenvolvimento e prosperidade aos países.

    Sendo assim, entender o tripé macroeconômico torna as pessoas muito mais esclarecidas a respeitos dos movimentos da economia do país, além de ser uma alternativa viável para o desenvolvimento.

    João Arthur Almeida
    Compartilhe sua opinião
    3 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • larissa 5 de novembro de 2019

      very very good

      Responder
    • Fabricio 7 de maio de 2020

      Parabéns pelo texto! Explicou de forma coesa e clara.

      Responder
    • Luís Gomes 21 de maio de 2020

      Parabéns pelo ótimo texto! Bem esclarecedor. Muito bom mesmo.

      Responder