trading room
Por: Tiago Reis

Trading room: entenda o que acontece nesse ambiente de negociação

No mercado financeiro, existem uma série de lugares e locais específicos onde grupos de investidores profissionais e operadores se reúnem para negociar. Um dos principais é a chamada trading room.

Trading room em português significa algo como “sala de negociação”. O termo também é conhecido como “front office”. Com o crescimento exponencial da tecnologia digital, vinda do domínio da eletrônica, essa dealing room ou sala de negócios remanesce como um lugar emblemático e tangível do mercado financeiro.

O que é trading room?

Trading room, como diz o nome, é uma sala onde investidores profissionais executam suas negociações diariamente. Trata-se de uma mesa de operações em uma instituição financeira, em que as mais atuais tecnologias são implementadas.

Como surgiram as trading rooms?

Este tipo de ambiente de negociação, através de uma mesa de operações, surgiu a partir do contexto do mercado de capitais até meados dos anos 1970, em que:

  • Os negócios do mercado de capitais dos bancos eram dissipados em vários departamentos, por vezes em muitos lugares diferentes;
  • Estas negociações também eram segmentadas em tipos de trading: câmbio, mercado monetário (moedas e interno), financiamento de longo prazo e ainda mercado de títulos e câmbio;
Aprenda como analisar uma ação

Portanto, o conceito de trading room apareceu entre os principais corredores norte-americanos, como Morgan Stanley, no início dos anos 1970. Tal fato se deu a partir da criação da NASDAQ, a qual exigia uma mesa de operações para negociação de ações em suas instalações por parte dos traders (negociadores).

Por outro lado, o crescimento do mercado secundário de produtos da dívida federal pedia uma mesa de operações que abarcasse o mercado financeiro em expansão.

Após o começo nos Estados unidos, os trading rooms se espalharam nos anos 1980 para a Europa. Foram especialmente disseminados na França e no Reino Unido, através de reformas no mercado financeiro.

Tipos de operações de uma trading room

Uma sala de negociação atende a dois tipos de negócio:

  1. Arbitragem e negociação: um negócio de bancos de investimento (investment banking) e corretores (brokers). São considerados “o lado da venda”;
  2. Gestão de carteiras: um negócio de empresas que gerem ativos e de investidores institucionais. Considerados comumente como “o lado da compra”.

Portanto, corretores e investment banks criaram suas salas de negociação e, sem seguida, empresas administradoras de ativos fizeram o mesmo.

A Suno pode ajudar você a saber tudo sobre mercado financeiro, por meio de conteúdos e relatórios para ajudar os brasileiros a investir melhor. Fale conosco. Inscreva-se, 100% grátis, em nosso canal de WhatsApp e tenha acesso a conteúdo exclusivo.

Valuation e precificação de ativos

Como funciona uma trading room?

A organização das salas de negociação é através de mesas, conforme o segmento de mercado ou o produto.

O segmento de mercado pode ser, por exemplo:

  • Ações;
  • Longo prazo;
  • Curto prazo;
  • Opções.

Em uma sala típica de investment bank, há comerciantes que oferecem preços para as vendas, procurando antecipar tendências mercadológicas. Existe também o market maker na estrutura do trading floor. O market maker atua como um atacadista.

Lembrando que, em um trading floor (algo como “piso de negociação”), os termos das negociações em geral são padronizados, e as vendas, sob medida para clientes corporativos.

Trading floor se refere à área onde as negociações ocorrem, como nos prédios das bolsas de valores. Nesses espaços, os traders realizam a compra ou a venda de um ativo, através de contrato de ações ou opções.

Portanto, trading room é um lugar onde investidores e operadores realizam transações do mercado financeiro. É importante notabilizar a influência cada vez maior da tecnologia nos tradings rooms, de maneira a otimizar e reordenar seus processos, para acompanhar o dinamismo das bolsas de valores.

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

Nenhum comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Mais...
Outras Seções

Ações

202 artigos
Ações

FIIs

51 artigos
FIIs

eBook Gratuito

Invista Como
Warren Bufeett

Aprenda a usar a estratégia do Value Investing, usada pelo maior investidor do mundo!

Série Guia Suno

3 Livros pelo preço de 1

Aprenda tudo que você precisa saber para começar a investir com a série didática de livros Guia Suno