Acesso Rápido

    Títulos públicos: conheça as vantagens e riscos dessa aplicação

    Títulos públicos: conheça as vantagens e riscos dessa aplicação

    Os títulos públicos federais são aplicações financeiras muito comentadas e utilizadas pelas pessoas de maneira geral.

    Desse modo, podemos dizer que os títulos públicos são papéis emitidos pelo Tesouro Nacional, com o objetivo de financiar a dívida pública.

    Esse tipo de aplicação permite com que investidores normais possam emprestar dinheiro para o governo em troca de juros.

    Um dos grandes atrativos desse mecanismo de investimento é o seu risco baixo, dado a garantia que o Tesouro Nacional concede a esses títulos.

    No Brasil, os títulos públicos federais são chamados de Tesouro Direto. Eles costumam ser bastante acessíveis a qualquer corretora ou banco que o investidor procurar.

    Como meio de incentivar as aplicações nesses títulos, o governo federal procurou incentivar os investidores, especialmente os menores, reduzindo o valor mínimo necessário para realizar esse investimento.

    Atualmente, com apenas R$ 30,00 já é possível realizar um investimento no Tesouro Direto, o que torna um investimento bastante acessível para o investidor comum.

    Desse modo, é importante salientarmos que o investimento no Tesouro Direto é diferente da aplicação em CDB. Mais à frente estaremos tratando em mais detalhes sobre essa diferença.

    Como as variações das taxas de juros influenciam os títulos públicos

    títulos públicos

    Todo investidor deve saber que o valor de um título público considera as variações da taxa de juros (Selic).

    O valor do título é atualizado de acordo com o preço que ele é negociado no mercado secundário em determinado momento.

    Desse modo, quando há uma queda nos preços negociados no mercado, o saldo aplicado pelo investidor cairá. Por outro lado, o contrário também é verdadeiro.

    No entanto, caso o investidor escolha manter o seu título até a sua data de vencimento, esse receberá o valor correspondente à rentabilidade contratada no momento da compra. Independente das variações no preço desse título no decorrer da aplicação.

    Dessa forma, caso o investidor venha a vender a sua aplicação antes do período de vencimento, o Tesouro Nacional recomprará esse título com base no valor de mercado.

    Risco da aplicação em títulos públicos

    títulos públicos

    O cidadão brasileiro, quase que diariamente tem ouvido notícias de que o governo está a alguns anos gerando déficits de dívida pública cada vez maiores. Então por que emprestar o seu recurso para um governo nessa situação?

    Todos sabem que o risco de um governo quebrar é muito baixo. Normalmente, quando um governo se encontra em déficit orçamentário ele sempre consegue arrumar novas fontes de arrecadação. Isso acaba compensando o excesso de gastos promovido pelos burocratas.

    Desse modo, a garantia que um investidor possui de receber os recursos investidos nessa modalidade de aplicação são bastante elevados.

    Portanto, é amplamente sabido que o Tesouro Direto pode ser considerado como o ativo financeiro de menor risco do país.

    No Brasil, essa aplicação é garantida pelo Tesouro Nacional. De maneira geral, se um país quebrar, grandes empresas e grandes bancos já teriam entrado em bancarrota antes disso.

    Uma observação importante é que o Tesouro Direto é conhecido como um “ativo livre de risco”. Ele é muito usado como referência de retorno mínimo exigido para um determinado investimento.

    Por fim, podemos concluir que os títulos públicos podem ser investimentos interessantes para o investidor que está à procura de segurança acima de tudo, inclusive da rentabilidade auferida em um investimento.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    5 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Clemilton Leite 31 de maio de 2019

      Muito esclarecedor, estou começando a investir em títulos públicos, entre o investimento em títulos e o investimento em um fundo de títulos como o IMAB11 o que seria melhor?

      Responder
      • Suno Research 6 de junho de 2019

        Boa noite, que parece melhor para você, investir em uma determinada coisa ou em um intermediário que irá investir nessa mesma coisa? Em renda variável a capacidade do gestor pode influenciar no resultado, mas em renda fixa? investindo no fundo você irá pagar uma taxa de administração e os resultados não serão superiores aos que você conseguiria investindo diretamente. O único ganho poderia ser um pouco de liquidez, mas a meu ver não compensa.
        Abraços.

        Responder
    • Rosicler Santana 8 de abril de 2020

      como é a incidencia do IR sobre os titulos publicos? O Imposto de Renda sobre o rendimento é cobrado antecipadamente, já na data de compra do título público?

      Responder
      • Suno Research 8 de abril de 2020

        A alíquota varia conforme o prazo do pagamento de cupons, vencimento ou venda do título.
        No prazo de 180 dias: 22,5%
        360 dias: 20%
        720 dias: 17,5%
        acima de 720 dias: 15%

        Responder
    • […] pela fabricação de medalhas comemorativas, selos (postais, fiscais e federais), além de títulos da dívida pública federal e fabricação de passaportes. A casa da moeda também tem função de Atividades de controle […]

      Responder