tesouro nacional

Você sabe quais são as atribuições do Tesouro Nacional?

O papel do Tesouro Nacional é de suma importância para gerir as finanças do país e controlar o déficit público.

A Secretaria do Tesouro Nacional (STN) é um órgão público associado ao Ministério da Fazenda cuja principal função é gerir as contas do país. Foi fundado em 1986 e assumiu as atribuições que antes cabiam à Comissão de Programação Financeira e da Secretaria de Controle Interno do Ministério da Fazenda. Assumiu também, como dito anteriormente, a função de gerir a política fiscal do Governo, que antes era exercida em conjunto pelo Banco Central do Brasil e o próprio Banco do Brasil.

Como funciona o Tesouro Nacional?

Como investir no tesouro nacional

Muitas pessoas se questionam sobre como funciona o Tesouro Nacional.

Antes de tudo é preciso estabelecer que o governo, assim como todas as pessoas e empresas, detém um orçamento que envolve receitas e gastos.

Por exemplo: o governo precisa pagar o salário dos seus servidores, ou seja, esta é uma despesa. Da mesma forma, o governo arrecada tributos, que são, portanto, uma receita.

Na maioria das vezes os gastos governamentais superam a sua receita. Portanto, o governo emite títulos de dívida para financiar este déficit.

A STN é responsável justamente por gerir esta dívida. A dívida pública do país pode ser acessada tanto por investidores institucionais quanto por pessoas físicas comuns.

O risco de crédito do governo é considerado muito baixo, pois ele detém o poder de emissão de moeda.

Dessa forma, investir em títulos públicos pode ser uma boa opção para investidores conservadores e iniciantes.

Como investir no Tesouro Nacional?

Muitas pessoas têm dúvidas sobre como investir no Tesouro Nacional. O investimento é feito através do Tesouro Direito.

Para investir no Tesouro Direto basta que o investidor crie uma conta em uma corretora, ou mesmo através de um banco, e adquira seus títulos.

O valor inicial é muito baixo, de aproximadamente R$ 30. Portanto, este é considerado um investimento muito acessível.

Existem 3 tipos principais de títulos disponíveis no programa do Tesouro Direto. São eles:

  • Tesouro Selic
  • Tesouro IPCA+
  • Tesouro Prefixado

Tesouro Selic

Este é o título mais conservador disponível no programa do Tesouro Nacional. No entanto, é também o que costuma apresentar o menor rendimento no longo prazo.

O rendimento deste título é a taxa Selic acumulada no período do investimento. Como se trata de um título pós fixado, a sua volatilidade é muitíssimo baixa e, assim, também são baixas as chances de perda do capital investido.

Este título é, portanto, recomendado para investidores conservadores e iniciantes.

Tesouro IPCA+

Também conhecido como NTN-B este título é ideal para quem busca rendimentos acima da inflação.

O seu rendimento se dá através do IPCA acumulado durante o período de investimento mais uma taxa prefixada no momento da compra.

Ele está disponível em versão com pagamento total no vencimento e em versões com juros semestrais. Costumam ser títulos com vencimentos muito longos.

É importante ressaltar que, no caso do resgate antecipado, o rendimento irá variar de acordo com as condições de mercado.

Tesouro Prefixado

Também conhecido como LTN, muitos consideram este o título como o de maior grau de risco entre os disponíveis no Tesouro Nacional.

Isto se dá pois a sua rentabilidade é totalmente prefixada no momento da compra. Sendo assim, o investidor não está protegido em relação ao risco da inflação.

No entanto, para investidores que conseguem antever um momento de queda dos juros, o Tesouro Prefixado pode reservar grandes ganhos de capital.

A LTN também está disponível no sistema do Tesouro Nacional com opção de pagamento de juros semestrais ao do total do rendimento no vencimento.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.