Acesso Rápido

    Tesouro Direto em bolsa: Veja tudo sobre o novo ETF brasileiro

    Tesouro Direto em bolsa: Veja tudo sobre o novo ETF brasileiro

    O Tesouro Nacional, em parceira com o Banco Mundial, anunciou uma novidade animadora para muitos investidores: Agora será possível investir no Tesouro Direto em bolsa.

    Ou seja, o investidor que já aplicava neste tipo de investimento agora tem a opção de aplicar no Tesouro Direto em bolsa, o que pode ser muito mais prático. Além disto, este investimento, ao contrário do Tesouro Direto comum, este fundo será aberto para qualquer tipo de investidor, inclusive para as pessoas jurídicas e investidores institucionais.

    O Tesouro Direto em bolsa é um fundo de índice, também conhecido como fundo de ETF. Ele irá replicar a rentabilidade de uma carteira composta por títulos IPCA+, ou seja, títulos que remuneram a inflação mais uma taxa pré-determinada. O fundo faz parte da iniciativa do Banco Mundial de apoiar o crescimento do mercado de capitais em países emergentes.

    Veremos mais detalhes do fundo, inclusive suas principais vantagens, ao longo do texto.

    O que é um ETF? – Tesouro Direto em Bolsa

    etf tesouro diretoComo vimos, o fundo será constituído como um ETF (exchange traded funds), também conhecido como fundo de índice.

    Mas afinal, o que seria um ETF?

    O ETF, como o próprio nome indica, busca acompanhar a rentabilidade de um determinado índice do mercado.

    Por exemplo: O iShares é um fundo de índice que acompanha a rentabilidade do Ibovespa, o principal índice das ações brasileiras.

    Existem, também, diversos outros fundos de índices, tais como os que acompanham a rentabilidade do mercado de ações americano.

    O ETF pode, ainda, representar a rentabilidade de um determinado setor ou tipo de ação. Como por exemplo, pode existir um ETF que é composto apenas por empresas de baixa capitalização, as chamadas small caps.

    O ETF apresenta algumas vantagens em relação ao investimento comum. Podemos citar, a título de exemplo:

    • Diversificação: Ao adquirir um ETF você adquire não apenas um, mas uma cesta de ativos. Sendo assim, este investimento apresenta uma diversificação adequada.
    • Liquidez: O ETF, geralmente, apresenta boa liquidez. O que facilita tanto a compra quanto a venda deste investimento por parte do investidor.
    • Baixo custo: Via de regra, o investimento em ETF apresenta custos menores do que em fundos tradicionais, ou do que investir em ativos separadamente.

    O ID ETF, como será chamado o fundo do Tesouro Direto em bolsa, será a primeira inciativa pública de fundos de índice no Brasil.

    O lançamento tem como propósito aumentar a liquidez dos títulos públicos, democratizar o acesso ao investimento, alongar o prazo da dívida pública, entre outras metas.

    Tesouro IPCA+  (Tesouro Direto em bolsa)

    Tesouro direto em bolsa IPCA+
    Títulos IPCA+ disponíveis no Tesouro Direto

    O ID ETF terá sua rentabilidade atrelada aos títulos públicos remunerados pela inflação.

    Portanto, é necessário que o investidor conheça as características básicas destes títulos.

    Esses títulos podem ser considerados investimentos atraentes, pois protegem o investidor do risco da inflação, algo que não ocorre com o tesouro prefixado.

    No momento da compra é acordado que o investidor será remunerado pela variação do IPCA no período, mais uma rentabilidade pré fixada.

    Por exemplo, suponha que um investidor compre um título IPCA+ que pague 5% ao ano.

    Se, neste ano, a inflação for de 10% ao ano, o investidor receberá, portanto, 15%. Ou seja, 10% da inflação, mais 5% da parcela pré-fixada.

    É importante lembrar que o IPCA é o índice de preços do consumidor amplo, e é considerada a inflação oficial do país.

    Esta característica do título de proteger o investidor da inflação pode ser considerada muito importante.

    Como o Brasil é um país onde crises econômicas são relativamente frequentes, e a inflação tende a disparar nestes momentos, estar protegido face a este risco é positivo para o investidor.

    O Índice IMA-B – Tesouro Direto

    Tesouro direto em bolsa IMA-B
    Rentabilidade do IMA-B – ANBIMA

    Como vamos ver agora, na prática a rentabilidade do tesouro direto em bolsa será composta pela rentabilidade do IMA-B.

    Mas afinal, o que seria o IMA-B?

    O IMA-B é um índice que acompanha a rentabilidade de uma cesta de títulos IPCA+. Ele é feito pela ANBIMA, uma associação que representa as entidades do mercado de capitais.

    Já sabemos o que é o Tesouro IPCA+, no entanto, ele está disponível com diversos vencimentos.

    Como pode ser visto na imagem acima, há uma variedade de títulos IPCA+.

    Portanto, o índice IMA-B surgiu da necessidade de se acompanhar a rentabilidade destes títulos como um todo.

    O IMA-B é, portanto, um conjunto de títulos que remuneram o investidor pela inflação mais uma parcela pré-fixada.

    Importante lembrar, também, que o IMA-B mede a rentabilidade dos títulos a preço de mercado, portanto, ele pode sofrer oscilações.

    Em especial por conta dos títulos com prazo de vencimento mais longos, que são muito sensíveis à oscilação na taxa de juros.

    Acima podemos ver a rentabilidade do índice IMA-B.

    Observando a variação de 12 meses, é possível perceber que o índice rendeu 7,79%, uma rentabilidade um pouco acima do CDI no período.

    Ainda, em 24 meses o índice do tesouro direto em bolsa rendeu 25,16%, o que pode ser considerado bastante satisfatório.

    Importante ressaltar que esta rentabilidade não é líquida de impostos ou de inflação.

    Perguntas e respostas – Tesouro Direto em Bolsa

    perguntas e respostas tesouro direto em bolsaPara sanar possíveis dúvidas dos investidores acerca desta nova aplicação disponível do tesouro direto em bolsa, vamos elencar aqui algumas perguntas e respostas sobre o tema:

    Quais as principais vantagens do ID ETF em relação ao Tesouro Direto comum?

    O investimento no Tesouro Direto em bolsa apresenta algumas vantagens em relação ao tesouro direto comum. Entre elas podemos citar a praticidade.

    O investidor, para adquirir uma cesta diversificada de títulos IPCA+ teria que comprar um percentual de cada titulo disponível no Tesouro Direto.

    No entanto, com o Tesouro Direto em bolsa é possível com apenas um título obter uma cesta diversificada.

    Há também a vantagem tributária, ja que nesta aplicação o investidor já inicia com a alíquota de 15% sobre os ganhos. Enquanto que, no Tesouro Direto comum, o investidor inicia com a alíquota de 22,5% e só chega a 15% após decorridos dois anos da aplicação.

    Quem é o gestor do fundo ID ETF?

    O gestor do fundo ainda será definido.

    Foi divulgado um edital, e ganhará a gestora que cumprir os requisitos pelo menor custo possível, de forma a favorecer os cotistas da aplicação.

    Qual o prazo médio dos títulos que compõem o fundo?

    Este prazo pode variar conforme a composição do IMA-B variar.

    No entanto, atualmente, o prazo médio é de 9 anos.

    Como investir no ID ETF?

    Para investir no tesouro direto em bolsa é necessário abrir uma conta em uma corretora e adquirir o ativo através desta instituição.

    Outra alternativa é o investidor adentrar no fundo na sua oferta inicial, que tem o valor e captação total estimados em R$ 300 milhões.

    Conclusão sobre o Tesouro Direto em bolsa

    conclusão ID ETFO ID ETF é mais uma alternativa para o investidor no mercado de capitais brasileiro, q eue se solidifica cada vez mais.

    Ele apresenta vantagens interessantes para o investidor, tais como: Diversificação, praticidade, baixo custo e liquidez.

    O investidor pode acessar o site do Tesouro Nacional para mais informações.

    Portanto, o investidor de títulos públicos deve considerar investir no Tesouro Direto em bolsa.

    João Arthur Almeida
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *