Acesso Rápido

    Teoria quantitativa da moeda: a inflação pelo excesso de oferta de moeda

    Teoria quantitativa da moeda: a inflação pelo excesso de oferta de moeda

    Em economia, diversas teorias tentam explicar o que gera inflação. Uma delas é a teoria quantitativa da moeda.

    Também chamada de teoria clássica, a teoria quantitativa da moeda é associada a uma vertente de economistas denominados monetaristas.

    O que é a teoria quantitativa da moeda?

    A teoria quantitativa da moeda é a teoria que relaciona a inflação à oferta de moeda em uma economia, sendo que a quantidade de moeda disponível determina o nível dos preços em uma economia, e por sua vez, a taxa de crescimento da quantidade de moeda determina a taxa de inflação.

    Dentro dessa visão, existe um equilíbrio entre a oferta e a demanda de moeda em uma economia em um determinado nível produtivo. Se houver uma variação nessa oferta e demanda por moeda sem mudanças na capacidade produtiva dessa economia haverá uma variação de preços.

    Para entender como se pode ocorrer tais desequilíbrios é preciso entender o que é a oferta e demanda de moeda.

    Guia de Economia para Investidores

    Confira os principais conceitos econômicos e aprenda como a economia pode influenciar seus investimentos com o nosso ebook gratuito de Economia para Investidores!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    Oferta e demanda de moeda

    A moeda é ofertada em uma economia pelo Banco Central (BC), que possui o poder de literalmente imprimir dinheiro. Mas há outros meios do Banco Central interferir da quantidade disponível de moeda, como:

    • Comprar ou vender títulos públicos
    • Redesconto
    • Depósito compulsório

    Ao vender títulos, por exemplo, o BC está retirando moeda da economia em troca de um título. Já ao comprar, ele está colocando mais moeda na economia, pagando pelo título adquirido. O BC também pode aumentar ou reduzir o compulsório dos bancos.

    Em outras palavras, o Banco Central pode mudar a oferta de moeda em uma economia com políticas monetárias.
    Já a demanda da moeda é a quantidade de papel-moeda, ou em conta-corrente, que uma população deseja ter. Essa quantidade possui diversas variáveis. Porém, duas seriam as mais importantes.

    A primeira a taxa de juros. Se os juros forem altos, há maior incentivo para aplicar em títulos públicos, por exemplo. E a segunda é o nível de preços em uma economia. Se o nível de preços for alto, será necessária uma quantidade maior de dinheiro para realizar as compras necessárias.

    Os efeitos do desequilíbrio monetário na teoria quantitativa da moeda

    Dito isso, tendo como hipótese que uma economia estava com a sua quantidade de moeda em equilíbrio e o Banco Central ofertou mais moeda e nada mais mudou nessa economia. O que aconteceria?

    As pessoas teriam imediatamente mais moeda em mãos e não teriam mais incentivos para aplicar esse dinheiro. Logo, iriam usar o dinheiro para consumir mais. No entanto, a produção do país continuou a mesma.

    Em outras palavras, a demanda aumentou para os produtos, porém a capacidade de produção continua a mesma. O resultado é um aumento geral de preços. Ou seja, inflação. Que por sua vez irá demandar uma quantidade maior de moeda para cada consumidor fazer uma transação.

    O que resultará em um aumentando da demanda por moeda até essa economia chegar a um novo equilíbrio de oferta e demanda de moeda.

    Dessa forma, de acordo com a teoria quantitativa da moeda, a quantidade de moeda disponível em uma economia determina o valor da moeda. E assim, o crescimento da quantidade de moeda é a principal causa da inflação.

     

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    12 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Guilherme Xavier 11 de junho de 2019

      corrija os erros de português e descreva de uma forma mais simplificada porque o aumento de moeda no mercado gera inflação, ou o aumento da inflação. Pense você já foi uma pessoa que não tinha conhecimento linguístico ou econômico então por respeito a si mesmo e a essas pessoas que ainda não o tem, você deveria simplificar seu texto e redigi-lo.

      Responder
      • JOSÉ CARLOS MELO 22 de setembro de 2019

        vc poderia simplificar melhor então?
        eu gostaria de entender melhor!!

        Responder
      • Marcos 28 de maio de 2020

        Você é idiota assim mesmo? Para de “mimimi”, parece uma criança mimada. Todo texto tem um pública alvo, se você ficou incomodado faça seu próprio texto de acordo com suas próprias regras.

        Responder
    • Vlad Oliveira 2 de julho de 2019

      Mais claro do que isso, amigo??

      Responder
    • Erik 7 de dezembro de 2019

      Entendi que imprimir mais dinheiro aumenta a inflação porque embora tenha aumentado a quantidade de dinheiro não se aumentou a produção. O consumidor tem mais dinheiro e consome mais, logo aumenta a demanda que por sua vez aumenta a inflação. Eu queria saber: O que acontece se após o poder de compra do consumidor diminuir devido ao aumento da inflação o governo imprimir mais dinheiro para compensar o poder de compra perdido pelo consumidor?

      Responder
      • Suno Research 9 de dezembro de 2019

        Boa tarde, se para compensar a inflação o governo imprimir mais dinheiro irá aumentar ainda mais a inflação. Se esse círculo for mantido pode acontecer da inflação fugir de controle.

        Responder
      • Raimundo Jadson 5 de setembro de 2020

        Acontece que quando o consumidor perde parte do poder de compra e consequentemente passa a comprar menos o mercado tende a baixar os preços dos produtos para que os consumidores recuperem parte do poder de compra e volte a comprar, isso ocorre de tal forma até que ocorra o equilíbrio entre a capacidade de produção e comercialização da mercadoria e o poder de compra dos consumidores, e assim a inflação fica estabilizada, pelo menos é assim que eu entendo essa parte, se eu estiver errado alguém me corrija por favor.

        Responder
    • Luiz Carlos 6 de abril de 2020

      Excelente interpretação.

      Responder
    • Lucas 11 de maio de 2020

      Para o aumento geral dos preços não seria necessário que as pessoas fossem consumir em um curto espaço de tempo? Pq ao meu ver, só assim para descompensar com a produção. Se não consumirem, não haveria alta de preços.

      Responder
      • Suno Research 11 de maio de 2020

        Assim como o aumento de oferta da moeda gera inflação, o aumento da demanda por bens de consumo sem o aumento da produção também gera alta nos preços. Exatamente por isso que os indicadores de inflação estão negativos no momento: por conta da crise do coronavírus, não há demanda. Inflação inexistente também indica economia desaquecida.

        Responder
    • Tuanny 17 de junho de 2020

      Segundo a TQM (Teoria Quantitativa da Moeda), adotada pelos economistas monetaristas, se o sal do de meios de pagamento aumenta e a quantidade de bens e serviços disponíveis na Economia permanece constante, os preços dos bens e serviços tendem a aumentar, gerando, portanto, inflação. Ainda, quanto maior o crescimento da oferta da moeda, maior a inflação, já que, segun do os monetaristas, a oferta de bens e serviços não pode crescer no curto prazo. Neste contexto, qual seria a única forma de debelar a inflação?

      Responder