superendividamento
Por: Gabriela Mosmann

Superendividamento: o que é e como superar este problema?

Um dos efeitos do superendividamento é o impacto que ele causa na tranquilidade de quem enfrenta esse problema. Isso porque as dificuldades são crescentes e parecem não ter fim.

O superendividamento pode ser causado por diversos fatores. Mas, com um bom planejamento financeiro, é possível escapar dessa dificuldade ou ainda nem sequer passar por ela.

O que é superendividamento?

Superendividamento é a situação que ocorre quando o consumidor não tem mais condições de pagar suas dívidas. Acontece quando o volume de gastos supera os ganhos mensais, impossibilitando que os débitos sejam quitados. Em geral, estas pessoas acabam com seu nome restrito em empresas de crédito (o chamado “nome sujo”).

Planilha de Controle de Gastos

Não perca o controle das suas finanças! Baixe nossa planilha gratuita de controle de gastos e organize melhor toda a sua vida financeira!

E para estar superendividado não é preciso estar desempregado. Até quem tem um emprego e bons salários pode cair nesta armadilha. Contudo, o desemprego é um fator que contribui para esse tipo de problema.

Um dos principais motivos que fazem a situação ficar insustentável é o  acúmulo de dívidas com juros altos, como no cartão de crédito. O efeito dos juros compostos sobre os débitos não pagos no rotativo tornam-se uma conhecida “bola de neve” da qual é difícil escapar.

Tanto que o Banco Central publicou a Resolução 4.549, que obriga as instituições financeiras a oferecerem opções com menores juros aos seus clientes em operações de crédito que estejam nessa modalidade.

Assim, se o consumidor pagou em um mês o mínimo do cartão de crédito, no mês seguinte o banco é obrigado a oferecer uma opção mais barata para o pagamento desta dívida. Esta medida foi criada justamente para ajudar na redução do superendividamento do consumidor e da inadimplência.

Tipos de superendividamento

Há dois tipos de superendividamento no mercado: o ativo e o passivo. O ativo ocorre quando o consumidor se endivida por não saber gerir o seu orçamento. Assim, gasta mais do que recebe. Esta modalidade é dividida em dois subtipos: o ativo consciente e o ativo inconsciente.

O ativo consciente é considerado um ato de má fé, porque o consumidor sabe que não terá como pagar estes gastos. O intuito é justamente não quitar essas dívidas e deixar os vendedores na mão.

O ativo inconsciente, por sua vez, ocorre quando o consumidor não tem o intuito de lesar alguém. Apenas não sabe gerir suas finanças. Em geral, este é o perfil de quem faz compras por impulso.

Já o superendividamento passivo é causado por situações externas. Pode ser um imprevisto oneroso, a perda do emprego ou mesmo sofrer um calote, deixando de receber valores que lhe eram devidos.

Quer administrar melhor as despesas de sua família? Baixe a planilha do orçamento familiar da Suno.

Planilha Vida Financeira

O que causa o superendividamento

O descontrole financeiro é um dos principais motivos para alguém acumular dívidas. E este problema pode estar diretamente ligado a compras por impulso. Afinal, existe uma pressão constante para que a população consuma, até mais do que ela precisa. E isto faz com que o cartão de crédito entre no jogo, ainda mais em compras parceladas.

Mas o superendividamento também pode ser iniciado com percalços não previstos, como problemas de saúde e gastos altos e urgentes. Se o consumidor não tiver uma boa reserva financeira para arcar com este ônus, será o nascimento de uma dívida, muitas vezes difícil de pagar.

Junte isso à alta taxa de juros cobrada pela oferta de crédito, seja por meio do cartão ou de linhas de crédito caras, como o cheque especial. Há empréstimos que, inclusive, podem ter juros abusivos.

São estes juros compostos que fazem com que o valor da dívida aumente mais a cada mês, ainda que uma parcela dela (conhecido como pagamento mínimo) esteja sendo paga.

Como sair do superendividamento

A boa notícia é que é possível sair do superendividamento e ter uma vida financeira mais saudável. A primeira dica é investir na própria educação financeira. E não é preciso gastar pra isso.

Além disso, há uma série de cursos e artigos na internet sobre o tema. São conhecimentos que podem mudar a forma do consumidor se relacionar com seu dinheiro.

Outro ponto importante é fechar a torneira e cortar os gastos desnecessários. É impossível pagar a dívida se outras tantas forem criadas no processo. Aqui vale também fazer a consolidação destas dívidas, trocando débitos caros por um mais barato que o conjunto deles.

5 amostras gratuitas para você conhecer a Suno!

Vender um bem não essencial para quitar o débito também é uma opção válida. Só é preciso ficar atento para não desvalorizá-lo demais e acabar no prejuízo. Neste mesmo intuito, o décimo terceiro salário é um grande aliado na hora de pagar as dívidas.

E esquecer a existência do cartão de crédito também ajuda. O ideal é priorizar as compras à vista, para não cair em uma nova armadilha.

Foi possível ter uma ideia melhor sobre o superendividamento? Deixe sua opinião e dúvidas nos comentários a seguir.

Gabriela Mosmann

Gabriela Mosmann é analista de investimentos na Suno Research. É economista, mestre e doutoranda em Finanças pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Possui também certificação CNPI.

1 comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Elaine 8 de dezembro de 2019

    Boa Tarde. A resolução financeira 4.519 é específica ao decrédito rural de custeio e não ao consumidor comum.

    Responder
Leia Mais...
Outras Seções

Ações

208 artigos
Ações

FIIs

54 artigos
FIIs

Planilha Gratuito

Controle
SUAS
FINANçAS

Uma planilha 100% Gratuita para ajudar você a organizar as suas finanças!

%d blogueiros gostam disto: