suitability

No mercado financeiro, nenhum investidor é igual ao outro. Desde a pessoa que possui um grande patrimônio e constrói uma diversificada carteira de ativos até o pequeno poupador que realiza aportes mínimos na renda fixa, o fato é que todo investidor tem preferências, capacidades e disposições diferentes para investir. Entender essas diferenças e traçar um perfil para cada um de seus clientes é essencial para qualquer instituição financeira – e, nesse sentido, uma das principais ferramentas utilizadas por todo o mercado é um processo conhecido como suitability.

Através do suitability, uma série de informações são coletadas, identificadas e analisadas, para que a empresa conheça melhor o perfil de cada investidor. A partir disso, o desafio das instituições financeiras é tentar compreender a situação dos seus clientes e oferecer os investimentos mais adequados para cada um.

O que é suitability?

O suitability é o processo de identificação e análise do perfil de investimento de cada pessoa. Feito pelas instituições financeiras normalmente no momento em que um cliente abre sua conta, o suitability permite que as empresas conheçam o perfil de risco, a capacidade financeira, as preferências e os objetivos de cada investidor.

O próprio nome do processo já indica o seu intuito – já que, traduzindo para o português, suitability significa “adequação”. Ou seja, é através do suitability que as empresas conseguem recomendar os produtos mais adequados para cada perfil de investidor.

Utilizado no mundo todo, o suitability se tornou uma norma obrigatória no mercado brasileiro há alguns anos. Com o lançamento da Instrução 539/2013 pela CVM, foi definido que todas as instituições financeiras que oferecem produtos de investimentos ao público precisam aplicar o processo e alinhar seu atendimento ao perfil dos clientes. Além de outros efeitos, essa medida garante que as empresas irão agir com boa fé, lealdade e responsabilidade com seus clientes, ampliando assim a proteção aos investidores.

Como o suitability é feito?

O processo se inicia no preenchimento do questionário de suitability – também conhecido no mercado como API (Avaliação de Perfil do Investidor). Por meio de uma série de perguntas, o questionário tem o objetivo de levantar algumas características sobre o cliente, como:

  • Experiência e conhecimento em investimentos;
  • Horizonte de tempo esperado para manter os investimentos;
  • Objetivos de investimentos;
  • Tolerância ao risco;
  • Situação financeira e necessidades futuras de recursos;
  • Patrimônio e disponibilidade de capital.

Logo, a partir das respostas apresentadas no questionário, a instituição traça um perfil para aquele investidor, delimitando principalmente o nível de risco e rentabilidade que ele está disposto a ter em sua carteira de investimentos. Em geral, são usados três perfis: investidor conservador, investidor moderado e investidor agressivo.

Por que é importante investir de acordo com o perfil de investimentos?

O suitability é importante para determinar em qual estratégia o investidor melhor se encaixa. Ou seja, a partir da identificação do perfil, é possível definir quais aplicações e investimentos são mais adequadas para ele.

Porém, o suitability deve sempre considerar o momento atual do cliente. Isso acontece porque tanto a tolerância ao risco quanto a capacidade financeira e os objetivos de cada um podem mudar ao longo do tempo. Por isso, é importante que a empresa sempre reavalie periodicamente seu perfil dos seus clientes – para que, se for o caso, seja revista a adequação dos seus investimentos.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.