Acesso Rápido

    SPXI11: saiba tudo sobre o ETF das maiores empresas americanas

    SPXI11: saiba tudo sobre o ETF das maiores empresas americanas

    Investir no SPXI11 é uma das maneiras mais simples de aproveitar valorizações no mercado financeiro estrangeiro. E investir no exterior é uma estratégia extremamente recomendada. Isso por causa do acesso às maiores e mais consolidadas empresas do mundo.

    Ao conhecer melhor o SPXI11, será possível entender melhor como ele funciona e quais são suas vantagens e desvantagens frente às outras formas de investimento no exterior.

    O que é o SPXI11?

    O SPXI11 é um ETF (Exchange Traded Fund) negociado na bolsa brasileira que replica o desempenho do índice S&P 500. Este índice, por sua vez, é uma carteira teórica calculada pela companhia de rating Standard & Poor’s que reúne as maiores empresas do mercado dos Estados Unidos.

    Portanto, em outras palavras, ao comprar cotas desse ETF o investidor está comprando, na verdade, um pacote de ações de conhecidas empresas americanas. Algumas dessas empresas são: Coca Cola, Apple, Microsoft, Amazon e Johnson & Johnson.

    E-book: Investindo no Exterior

    Descubra como investir nas melhores empresas e ativos do mundo com o nosso ebook gratuito de Investimentos no Exterior!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    Além do SPXI11, outro ETF negociado no Brasil e que tem desempenho atrelado à performance de ativos americanos é o IVVB11.

    Diferença entre o SPXI11 e o IVVB11

    Apesar de possuírem uma rentabilidade muito parecida, o SPXI11 e o IVVB11 são ETFs um pouco diferentes. Inicialmente, eles são administrados por gestoras diferentes e possuem taxas de administração diferentes (0,21% a.a para o primeiro e 0,24% a.a para o segundo).

    Além disso, apesar de os dois ETF se espelharem no S&P500, eles possuem estratégias de investimento diferentes.

    Nesse sentido, o SPXI11 busca acompanhar este benchmark investindo diretamente no ETF americano SPY – o maior ETF do mundo. Por outro lado, o IVVB11 investe majoritariamente no ETF americano IVV, que também busca replicar o desempenho do índice S&P500.

    Vantagens do SPXI11

    Algumas das vantagens do SPXI11 são:

    1.      Redução de riscos

    É possível dizer que o investimento em cotas do ETF SPXI11 é uma das maneiras de diversificar o risco de uma carteira de ações.

    Isso porque, na medida em que ficamos expostos ao desempenho de empresas americanas, deixamos de depender do governo e da economia brasileira. Em resumo, é uma diversificação geográfica que traz redução do risco de um portfólio de ações.

    2.      Diversificação

    Outra grande vantagem desse investimento é a diversificação que ele proporciona. Isto é, ao comprar uma única cota o investidor está se expondo a diversas empresas ao mesmo tempo.

    3.      Baixo custo

    Ao contrário dos Fundos de Investimentos, que possuem taxa de administração mais elevada e que ainda podem possuir também taxas de performance, as gestoras dos ETFs costumam ter custo menores para os investidores. Nestes, ficam abaixo de 0,3% ao ano. Essa diferença acontece porque a gestão dos Exchange Traded Funds é passiva.

    Desvantagens do SPXI11

    Apesar das vantagens que enumeramos, é preciso saber e estar atento também às desvantagens do SPXI11, que são:

    1.      Falta de fundamentos

    Apesar de refletir o desempenho das maiores empresas dos Estados Unidos, o SPXI11 não faz uma análise fundamentalista para escolher as ações que influenciarão sua performance. Isso porque o ETF deve seguir uma metodologia própria de investimento, típica da gestão passiva.

    Por isso, é perfeitamente possível que o fundo se exponha a empresas, por exemplo, com valuation esticado. Essa falta de atenção ao preço e valor, não respeitando a regra da margem de segurança, pode prejudicar o desempenho do SPXI11.

    2.      Cobrança de taxas

    Sim, as taxas cobradas pelas gestoras dos ETFs realmente são baixas e menores que as praticadas no mercado de Fundos de Investimentos, contudo elas continuam existindo. Além disso, acreditamos que para potencializar o retorno no longo prazo o investidor deve evitar qualquer tipo de encargo nos seus investimentos.

    3.      Falta de controle

    Por ser um investimento terceirizado, o investidor cede seu poder de decisão para uma gestora profissional. Por conta disso, mesmo que o investidor não esteja concordando com a estratégia do ETF ou que este não esteja trazendo bons resultados, não é possível controlar esse investimento.

    Nessa situação, a única alternativa seria a venda das cotas do SPXI11. Por outro lado, quando o investimento é feito individualmente, sem terceirização, o investidor pode encerrar uma posição, incluir novas ações para seu portfólio ou alternar sua estratégia de investimento sem depender de ninguém.

    Vale a pena investir no SPXI11?

    Acreditamos que todo investidor deve possuir uma parcela de seu capital investido em empresas no exterior. Nesse sentido, investir no SPXI11 pode ser uma maneira prática de obter uma exposição ao dólar e à maior economia do mundo.

    Contudo, acreditamos que o retorno de longo prazo pode ser potencializado caso o investidor faça aportes individualmente e concentre seus investimentos em empresas de qualidade que negociam abaixo do seu valor intrínseco.

    E, nesse sentido, o SPXI11 pode deixar a desejar. Isso por possuir uma metodologia de investimentos que segue o índice S&P 500 e que não permite a concentração de investimentos em oportunidades de valor que podem surgir.

    Foi possível saber mais sobre SPXI11? Deixe suas dúvidas nos comentários.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    25 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Erik Kazuo 31 de agosto de 2019

      Excelente análise.
      Conta para investir no exterior aberto, indicação do Bruno Perini, agora é só pensar de forma estratégica como vocês tem me ensinado a investir.
      Gratidão pelos relatórios ??

      Responder
      • rafael 17 de maio de 2020

        Erik, mas os impostos será que não dá bo ?

        Responder
    • Frederico Burigo 15 de outubro de 2019

      Parabéns pelo artigo. Eu estava procurando exatamente essas informações. Grande abraço!

      Responder
    • braz 9 de novembro de 2019

      Faltou dizer se tem dividendo mensal/semestral ou anual ou se não tem.. mas otimo artigo

      Responder
      • joao 7 de maio de 2020

        nenhum etf tem

        Responder
      • Simaia 14 de maio de 2020

        Braz, como ETFs são fundos que investem em índices, os dividendos são incorporados ao patrimônio do fundo, no caso o ETF, da mesma forma que em um outro fundo de investimentos.

        Responder
      • Rodrigo 15 de setembro de 2020

        ETF’s reinvestem o valor recebido em dividendos, então não os distribuem nunca.

        Responder
    • Nivia 20 de janeiro de 2020

      Agora em tempos de eleição nos EUA, qual o histórico de volatilidade do SPXI11?
      Quais fatores podem influenciar o ETF?

      Responder
    • Leonardo 17 de abril de 2020

      Beleza, só faltou o mais importante. Existe exposição cambial? Se não, como é feito o hedge da operação?

      Responder
      • Rodrigo 15 de setembro de 2020

        Existe. Não há qualquer tipo de hedge nem no IVVB11 nem no SPXI11

        Responder
    • Renart Cabral 5 de maio de 2020

      Excelente artigo.

      Responder
    • Wilson 7 de maio de 2020

      Muito bom!

      Responder
    • Simaia 14 de maio de 2020

      Gostei muito do artigo, esclarecedor. Acho que para o pequeno investidor a melhor opção de se expor ao mercado estrangeiro, são mesmo essas ETFs. As desvantagens parecem fazer mais sentido para grandes investidores.

      Responder
    • Valdeir 22 de maio de 2020

      Boa tarde, Tiago!

      Na sua opinião qual é a melhor opção, o SPXI11 ou o IVVB11?

      Agradeço antecipadamente!

      Cordialmente,

      Valdeir.

      Responder
      • Luciano 22 de maio de 2020

        Exatamente isso que estou pesquisando. Gostaria muito de saber. Aparentemente, a taxa é o que vai acabar diferenciando.

        Responder
      • Suno Research 22 de maio de 2020

        Olá, Valdeir!

        As principais diferenças entre os dois é que, o IVVB11 é composto por cotas do ETF iShares core S&P 500, enquanto o SPXI11 espelha o índice S&P 500 NET Total Return. O IVVB11 é administrado pelo Citibank e gerenciado pela Black Rock Brasil, com taxa de 0,24% a.a, já o SPXI11 é administrado e gerido pelo Itaú, tendo uma taxa de administração de 0,21% a.a.
        A escolha entre os dois deve corresponder a seus critérios.

        Abraços!

        Responder
    • Ivan de Almeida 8 de junho de 2020

      Prezados, Há perspectivas de poder investir no ETF Nasdaq 100? Outra opção é o ETF SPXI11 , neste caso há valor mínimo? Como ficam as tds e o IR? Grato
      pelas informações.
      Ivan de Almeida

      Responder
      • Suno Research 10 de junho de 2020

        Por meio de corretoras dos Estados Unidos, você pode investir através de ETFs norte-americanos que replicam o índice.

        Responder
    • Fábio Barros 18 de julho de 2020

      Tenho aplicações em duas corretoras, faço isso pra separar objetivos. Uma é minha carteira pessoal e outra para o futuro de meu filho, como queria colocar um ETF exposto a índice da bolsa americana nas duas, acabei comprando IVVB11 na do meu filho e comprei o SPXI11 pra mim, a primeira compra foi no fracionado, pouco mais de mil reais, notei um GAP grande e pouca liquidez, mas a ordem acabou sendo concluída.

      Depois fui fazer um comparativo, e uma coisa me assustou, o SPXI tem apenas 90 cotitas! Em junho, no fracionário teve apenas 1691 negociações contra mais de 42 mil negocios no IVVB11, dados do Status Invest.

      Uma coisa que achei estranha, é que em 05/06/2020 o SPXI mostrava 3599 cotitas, e em 08/06/2020 164 cotitas.

      Responder
      • Carlos Vieira 19 de julho de 2020

        Verdade Fábio, algum tubarao entrou no SPXI e abocanhou muita coisa em Junho…fica complicado atuar no fracionario realmente…

        Responder
    • Jose Francisco Nunes 27 de agosto de 2020

      Quais as despesas que recaem sobre o ETF, exemplo IR, Custódia etc…

      Responder
      • Suno Research 28 de agosto de 2020

        Olá, José Francisco! Tudo bem?
        O principal custo do ETF é a taxa de administração cobrada pela gestora do produto. Os percentuais médios ficam entre 0,20% e 0,80%/ano.
        Nós temos um artigo que trata dos ETFs. Segue o link:
        https://www.sunoresearch.com.br/artigos/etf-fundos-de-indice/
        Atenciosamente, Equipe Suno.

        Responder
    • MAURO HALPERN 30 de agosto de 2020

      é possível (alugar e vender)?se sim, ótima opção para arbitragem brasil/eua

      Responder
      • Suno Research 31 de agosto de 2020

        Olá, Mauro! Tudo certo?
        Sim, os ETFs permitem que se opere comprado ou vendido.
        Atenciosamente, Equipe Suno.

        Responder