S&P 500

Índices de ações são minuciosamente acompanhados todos os dias pelo mercado financeiro. Podem ser instrumentos de aplicações financeiras através de fundos de índices ou indicadores de como está o mercado de uma determinada região. E o S&P 500 é provavelmente o mais famoso mundialmente .

Assim como o índice Ibovespa representa o mercado de ações do Brasil, o S&P 500 é o principal índice do mercado americano. Como os Estados Unidos são a maior economia do mundo, o índice é considerado um dos mais relevantes globalmente. Sendo indispensável acompanhá-lo para manter uma carteira de investimento no exterior.

O S&P 500 é um índice composto por 500 das maiores ações listadas nas bolsas de valores americanas New York Stock Exchange e NASDAQ. O seu objetivo é representar a economia americana. Ele consegue abranger cerca de 80% do valor de mercado das companhias americanas listadas. Por isso, é classificado de fato pelo mercado financeiro como o melhor termômetro dessa economia.

O índice foi criado pela Standard & Poor’s em 1957 com o objetivo de representar a economia americana como um todo. E ele consegue fazer isso por ser bastante abrangente em representatividade de setores.

O Dow Jones Industrial Average (DJIA), por exemplo, também possui ações da NYSE e NASDAQ, mas apenas considera 30 empresas em sua metodologia. Logo, é visto como mais restrito.

Depois, outros índices de ações se originaram do S&P 500 com outros objetivos. Dentre eles está o S&P 500 Top 50, constituído das 50 maiores ações do S&P 500. E o S&P 100, que tem 100 ações do S&P 500 selecionados por um comitê.

Composição e metodologia do S&P 500

S&P 500

Não são simplesmente as 500 empresas com maior valor de mercado que compõe o índice. Isso porque a seleção das ações não é feita por um cálculo matemático como na maioria dos índices de ações.

Dentre as mais de 5.900 companhias listadas na NYSE e NASDAQ, as 500 ações que irão fazer parte do índice são selecionadas por um comitê.

No entanto, as ações precisam cumprir primeiramente os seguintes requisitos:

• Ter valor de mercado mínimo de 5,3 bilhões de dólares
• Ter sede nos Estados Unidos
• Ter tido pelo menos 250 mil dólares de negociação em cada mês dos últimos seis meses
• Ter o seu valor de mercado negociado anualmente
• Estar há pelo menos seis meses sendo negociada na bolsa
• Ter quatro trimestres consecutivos de resultados positivos em balanço
• A maioria de suas ações precisa estar no free-float, ou seja, sendo negociadas pelo público.

Outra característica importante do S&P 500 é que seu desempenho não é calculado apenas com base na variação de preços das ações que o constituem. E sim pelo float-adjusted market capitalization.

Isso quer dizer que apenas interferem no índice o desempenho das ações que estão em free-float, negociadas livremente no mercado.

Ou seja, ações em posse dos donos, gestores, outras empresas ou governos não são consideradas. O que torna o índice mais interessante para o investidor, já que mostra o desempenho de ações que de fato ele pode ter.

As ações que constituem o índice são atualizadas periodicamente pelo comitê.

Mais informações sobre a composição do índice e sua metodologia podem ser encontradas no site da S&P.

Por fim, o S&P 500 é considerado o mais importante índice de ações do mercado americano por representar as maiores e mais negociadas ações dos Estados Unidos.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.