seleção adversa

A microeconomia se dedica a estudar uma série de teorias que quase ninguém conhece — mas que, com certeza, afetam a vida de todos nós. Por exemplo: você já ouviu falar no fenômeno da seleção adversa?

A resposta provavelmente será não. Porém, a seleção adversa é um problema muito mais presente no cotidiano das pessoas do que se imagina.

O que é seleção adversa?

A seleção adversa é o nome que se dá para quando a assimetria de informações impacta a escolha de comprar ou não comprar em um mercado. Ou seja, devido a falha de mercado causada pela diferença de informações entre comprador e vendedor, o mercado induz os agentes a fazerem escolhas que não são ótimas.

Para que este conceito fique claro, será apresentando um exemplo clássico do estudo deste tema. Além disso, serão debatidas possíveis soluções para esta falha de mercado.

Exemplo de seleção adversa

exemplo de seleção adversaO exemplo de seleção adversa mais utilizado pelos livros se dá com o mercado de carros usados.

Imagine que há dois tipos de carros usados sendo vendidos: os carros bons e os carros ruins.

A grande questão é que apenas os vendedores sabem a real qualidade dos seus veículos.

Ou seja: os compradores, na realidade, só poderão saber de fato a qualidade do veículo após meses de uso. Logo, eles só vão saber o que os vendedores já sabem agora muito após a compra.

Portanto, este se torna um caso clássico de falha de mercado por assimetria de informações. Nesse caso,  vendedor do carro possui vantagem na informação em relação ao comprador.

Onde acontece a seleção adversa?

Tendo em vista essa situação, o que irá ocorrer então já que o comprador não consegue diferenciar o carro bom do carro ruim?

Ele irá pagar no máximo um valor médio entre o carro bom e o carro ruim. Este valor será superior ao valor do carro ruim, e inferior ao valor do carro bom.

Isso acontece porque, obviamente, os vendedores de carros bons não irão negociar os seus veículos por menos que eles valem.

O que irá ocorrer, então, é que este mercado será compostos apenas por carros ruins. Que, por fim, serão negociados pelo valor de um carro ruim, e não mais pelo valor médio entre um carro de boa qualidade e um de má qualidade.

Ou seja, em vez do livre mercado selecionar os melhores, a própria falha de mercado induz os agentes a escolherem de forma ineficiente — resultando na seleção adversa.

Quantificando numericamente a seleção adversa

Continuando com o exemplo dos carros, suponha que o valor do bom carro seja de R$ 4 mil e o do carro ruim seja de R$ 2 mil.

Metade dos carros nesse mercado são bons e metade são ruins. Portanto, a chance de o comprador adquirir cada um deles é de 50%.

Assim, ele irá oferecer o valor de R$ 3 mil. Pois:

  • 50% * 4 mil + 50% * 2 mil = R$ 2 mil + R$ 1 mil = R$ 3 mil

Dessa forma o vendedor do carro de boa qualidade não irá vender. Afinal, o seu carro vale R$ 4 mil.

Então restarão apenas carros de má qualidade. E eles serão negociados pelo seu valor de R$ 2 mil.

Visto que, como não há mais chance de adquirir um bom carro, não faz sentido o comprador seguir oferecendo um valor acima de R$ 2 mil.

Qual a solução para a seleção adversa?

A solução para o caso de informação assimétrica se da pelo uso de sinalizações de mercado. Isto é, o vendedor do produto bom irá buscar alguma maneira de sinalizar que o seu valor é maior que os do demais.

Uma forma clássica de sinalização se dá através do oferecimento de longas garantias. Note que os melhores produtos, os das melhores marcas, sempre oferecem garantias longas.

Isto é justamente para demonstrar para os comprovadores que aquele produto é superior e que vale a pena o maior investimento. Assim, se resolve o caso da seleção adversa, este interessante fenômeno da microeconomia.

Um mercado de capitais que não é transparente, por exemplo, pode provocar a seleção adversa em seus acionistas e investidores. Por isso, sinalizar práticas e divulgar informações financeiras com lisura é essencial para manter esse sisteme funcionando de forma eficiente. Isso permite que o mercado avalie com clareza as empresas e invista sempre nas melhores. Para saber mais sobre essa lógica, acesse o nosso minicurso gratuito Valuation e precificação de ativos e aprenda em detalhes tudo sobre esse processo.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.