Investimentos

Seguindo os Passos do Rei: A estratégia do Rei dos Ovos

By 7 de novembro de 2017 No Comments

Na publicação de hoje irei abordar um pouco sobre a minha estratégia de investimentos, que, sem dúvidas, foi fundamental para eu conseguir chegar aonde cheguei.

Ter uma estratégia bem traçada, e em especial, focada no longo prazo, abrindo mão das tentações de ganhar dinheiro rapidamente e fazendo trades, é algo essencial para o investidor que quer atingir sua independência financeira.

Muitos entram no mercado sem uma estratégia bem definida e muitos com a ideia ilusória de ficar rico da noite para o dia, e eu digo com toda certeza: Isso não dá certo.

Por ter convivido com Luiz Barsi e ter sido influenciado por ele, sempre fui um investidor focado no longo prazo, e sempre tentei ter a postura de sócio, ou seja, visando me tornar “dono” de um “pedaço” daquela empresa para me beneficiar com seu crescimento e dividendos.

Então eu acredito que isso foi essencial para eu ter atingido meus objetivos, pois muitos que conheci que adotaram postura de especuladores não duraram muito tempo no mercado.

Portanto, antes de abordar mais profundamente a minha estratégia essa é a primeira mensagem que eu queria deixar: Tenham foco no longo prazo!

Assumam a postura de sócio. Invistam em ações de boas empresas para participar de seus resultados, receber dividendos e se beneficiar com seu crescimento, e fora isso é importante se dedicar ao seu trabalho e tentar aportar cada vez mais.

Seguindo esse caminho, dificilmente o investidor não terá sucesso no longo prazo.

A Minha estratégia para investir em ações

Em relação à minha estratégia, esse é um ponto que acho que é bastante importante para ser abordado, afinal, muitos pensam que investir na bolsa de valores é muito complicado e por isso acabam evitando, prejudicando o futuro de uma vida inteira, já que pensam que investir em ações é algo apenas para experts, analistas experientes, e pessoas com muito conhecimento, mas eu discordo plenamente e eu sou a prova de que a bolsa é para todos.

As pessoas também não sabem se devem comprar uma ação e vender em seguida, vender dias depois, ou qual tipo de ação ou fundo imobiliário comprar, como avaliar se é uma boa opção, etc.

Nunca fui um expert em análise, mas isso nunca me impediu de investir em ações e obter bons resultados no mercado.

Não é preciso ser um perito em contabilidade ou um analista para saber se uma empresa é lucrativa, se possui uma boa participação no mercado, se está endividada e se paga bons dividendos, por exemplo, e eu sempre me baseei muito nisso.

Em termos gerais, a minha estratégia se baseia, e mesmo antigamente, sempre se baseou em adquirir ações de boas empresas, normalmente empresas conhecidas e que eu me sentia seguro, ou seja, empresas com marcas fortes e famosas, e  que também eram lucrativas, em segmentos que eu me sentia confortável, que pagavam bons dividendos e sempre de olho no longo prazo.

Ou seja, não era algo difícil. Eu escolhia algumas empresas, avaliava se eram lucrativas, pagavam dividendos e estavam saudáveis e aportava, reinvestindo também todos seus dividendos, adquirindo cada vez mais ações para segurar, de preferência para sempre, mas obviamente, sempre avaliando se a empresa não está se deteriorando e se permanece saudável.

Para auxiliar os investidores e explicar um pouco mais sobre minha estratégia, mostrando que não é difícil e que o mercado é acessível para todos, falarei um pouco mais delas a seguir:

Investir em empresas lucrativas e conhecidas

Investir em boas empresas sempre foi fundamental em minha estratégia, já que eu não tinha interesse em participar de negócios problemáticos, e como normalmente as empresas que pagavam dividendos eram empresas saudáveis, uma coisa acabava atraindo a outra.

Antigamente não tínhamos tantas informações disponíveis como hoje, não tínhamos a Suno para ajudar o investidor, nem ferramentas como fundamentus.com.br, e dessa forma era um pouco mais complicado, e eu precisava acessar os sites de relações com investidores das empresas ou os balanços publicados em grandes jornais e passava uma olhada em seus resultados, através de seus releases ou demonstrações financeiras.

Eu costumava passar o olho em alguns de seus resultados, e se verificasse que a empresa fosse lucrativa, estivesse com crescimento dos lucros nos últimos anos, faturamento crescente e uma dívida ou uma operação saudável, eu investia tranquilamente.

Eu sei que olhar um balanço ou release não é fácil, mas normalmente lá você consegue ver o lucro da empresa do ano corrente e dos últimos anos, e também seu endividamento, e outros dados. Se a empresa estivesse dando prejuízo ou deu prejuízo nos últimos anos, normalmente eu já descartava.

Além disso, para escolher uma empresa para investir eu costumava escolher empresas conhecidas, empresas que eu tinha algum conhecimento ou que estavam presentes em meu cotidiano.

Lembro-me que umas das primeiras ações que comprei foram ações do Banco do Brasil e do Bradesco, pois eram ações de empresas que eu conhecia, em bancos que eu tinha conta, me sentia seguro, e pagavam dividendos interessantes.

Após um tempo também comprei ações do Itaú, um dos maiores bancos do Brasil, e um investimento que me deu um retorno muito bom nos últimos tempos.

Depois ainda passei a comprar Itaúsa, que é nada mais do que a holding do Itaú. Como a Itaúsa sempre foi negociada com um bom desconto, eu acabei preferindo posteriormente comprar mais dela do que Itaú diretamente, até por ela entregar dividendos maiores também. Mas Itaú também foi um ótimo negócio e em qualquer uma das duas eu estaria bem servido.

Escolher essas empresas não foi difícil, pois todas eram lucrativas e detentoras de marcas valiosas, o que me passava um grande conforto.

Hoje, com a Suno Research e com tantas informações que temos, avaliar se uma empresa é lucrativa e saudável se tornou uma tarefa ainda mais simples e eu mal perco tempo para analisar empresas. A Suno me ajuda muito com isso e eu posso me focar no principal: Meu trabalho.

Escolher sempre empresas que pagam bons dividendos

Um outro fator importante em minha estratégia são os dividendos e a política de pagamentos das empresas.

Antes de investir em uma empresa, sempre verifico (e sempre dei muita importância) seus dividendos e o histórico de dividendos que a empresa pagou ao longo do tempo. Eu sempre gostei de empresas que pagam bons dividendos, afinal, era dinheiro entrando no bolso e que me possibilitava aportar ainda mais, juntando com meu dinheiro do trabalho.

Ou seja, além do meu dinheiro do trabalho, proveniente das minhas atividades como feirante na época, e hoje das minhas empresas, tinham os dividendos entrando com certa recorrência na minha conta, e isso até hoje é muito prazeroso.

Sendo assim, eu procurava empresas com dividendos atrativos, de pelo menos 5 ou 6% ao ano, o que antigamente não era difícil de se encontrar, e encontrávamos empresas com yields até maiores com certa facilidade.

Empresas que não pagavam dividendos ou pagavam muito pouco eu descartava, afinal, normalmente essas empresas ou estavam apresentando prejuízos ou não estavam dando o devido valor ao acionista.

Para mim, investir em empresas que pagam dividendos sempre foi fundamental e eu acho que o investidor que quer se aposentar com ações deveria sempre avaliar isso.

Obviamente que no começo pode ser um pouco desanimador, afinal, com poucas ações em carteira o investidor receberá muito pouco, o que pode desestimular bastante, mas no começo é assim. O mercado de capitais é um instrumento poderoso para construção de patrimônio e geração de renda, mas para aqueles focados no longo prazo.

O importante aqui é o investidor ter paciência e não desistir, sempre reinvestindo os dividendos, mesmo que sejam pequenos, juntando-os com o “bolo” do aporte do mês e comprando mais e mais ativos.

Hoje eu também invisto em fundos imobiliários, e o fluxo de dividendos que eles pagam mensalmente é algo muito positivo para todo investidor que procura renda passiva.

Optar por setores perenes

Além disso, algo fundamental que eu considerava antes de investir em alguma ação nova era o setor que a empresa estava inserida. Sempre gostei bastante dos setores elétricos e bancários, já que são segmentos que são perenes, em minha visão, e normalmente pagam bons dividendos.

O próprio Barsi sempre gostou muito do segmento de bancos e de energia elétrica, e isso também me influenciou bastante a avaliar e me focar nesses segmentos.

Eu nunca fui muito fã de setores muito voláteis como os de commodities por exemplo, pois a instabilidade de lucros sempre me assustou, além do fato desses setores não pagarem dividendos com muita consistência.

Hoje a maior parte da minha carteira está alocada nos segmentos de energia e de bancos, mas também possuo algumas outras empresas de outros segmentos, mas que também são lucrativas e boas empresas ao meu ver.

Reinvestir todos os dividendos e acumular ações para longo prazo

Por fim, um dos pontos mais importantes da minha estratégia e que foi fundamental para o sucesso da minha jornada, sendo a essência da trajetória está no foco no longo prazo e na disciplina de reinvestir todos os dividendos.

Reinvestir os dividendos é uma forma de fazer os juros compostos trabalharem ao seu favor e o efeito desse hábito, junto do hábito de aportar com recorrência, é simplesmente fantástico.

Conforme você reinveste os dividendos, e junta esses reinvestimentos de dividendos com novos aportes, por conta do seu trabalho, o seu número de ações ou fundos imobiliários passa a crescer cada vez mais.

Conforme o tempo vai passando, normalmente depois de vários anos com esse hábito, o número de ações e fundos imobiliários acumulados pelo investidor será tão grande que os dividendos pagos por eles já irá superar suas economias provenientes do seu trabalho.

Ou seja, eu sempre me foquei em acumular ativos. Com mais ativos comprados, na minha carteira, mais dividendos eles geravam, fazendo o verdadeiro efeito de “bola de neve”.

É esse efeito que proporcionará a independência financeira para o investidor e chegará um momento que os dividendos serão tão elevados que você conseguirá pagar suas despesas, custear seu padrão de vida e ainda sobrará para investir.

Focar no trabalho e em aportar cada vez mais

Hoje em dia, com assessorias especializadas e de qualidade como a Suno, a vida do investidor fica muito mais fácil, e por conta disso, acredito que o melhor que todo investidor deve fazer é se focar no seu trabalho, na sua profissão e tentar economizar e aportar cada vez mais.

É um fato que se eu tivesse permanecido como apenas um feirante nesses últimos 10 anos, onde eu conseguia economizar pouco, infelizmente, eu levaria bem mais tempo para atingir a independência financeira.

Obviamente que é possível também para quem poupa e economiza pouco, mas eu acelerei e muito a minha trilha da independência financeira quando comecei a ganhar mais em minha atividade profissional e passei a economizar muito mais.

Por isso eu recomendo que o investidor dê uma grande prioridade ao seu trabalho, se dedique ainda mais à sua atividade profissional e tente ganhar cada vez mais, para também poder economizar mais e atingir seus objetivos muito mais rapidamente.

Por fim, deixo abaixo uma tabela com a minha carteira de investimentos atuais, onde vocês podem ver que possuo uma carteira bem diversificada e que contém tanto ações quanto Fiis.

O foco principal dessa carteira é gerar dividendos e rendimentos e ela tem cumprido muito bem o seu papel.

A carteira do Rei Dos Ovos

Espero que essa publicação ajude a esclarecer algumas dúvidas dos investidores e sirva para mostrar que investir em ações não é um bicho de sete cabeças, e é algo acessível para todos investidores. Até semana que vem!

Um abraço,

Willian Wohlers

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.