risco cambial
Por: Tiago Reis

Risco cambial: Descubra o que é este importante conceito econômico

Você sabe o que é risco cambial?

O risco cambial é monitorado constantemente pelas empresas brasileiras listadas na bolsa de valores.

O risco cambial diz respeito ao risco de uma empresa incorrer em perdas em face da variação do câmbio. No âmbito empresarial muitos negociados são liquidados depois da assinatura do contrato de compra e venda. Este período está sujeito à variação do câmbio, o que pode fazer com que a empresa assuma prejuízos, caso não esteja devidamente protegida.

Risco cambial no Brasil

A variação do dólar representa o risco cambial no Brasil.
Fonte: Economatica

O Brasil é um país com o câmbio extremamente volátil.

Isto pode ser percebido através da análise da cotação do dólar.

Veja na imagem acima como a moeda americana oscila bastante em um curto espaço de tempo. O seu valor saiu de próximo de R$ 2 em 2014 para superar o patamar de R$ 4 em duas ocasiões: 2016 e 2018.

Isto faz com que o risco cambial no Brasil seja muito alto.

Por isso, as empresas envolvidas no comércio global devem estar cada vez mais preparadas para se proteger em relação a este risco.

Com o avanço da globalização é bastante comum que empresas do mundo inteiro estejam interligadas.

Mesmo as empresas que vendem apenas para o mercado interno estão sujeitas ao risco da variação do valor da moeda.

Isto porque muitas delas importam matéria prima de outros países.

Exportadoras

As empresas exportadoras são algumas das mais expostas ao risco cambial.

É possível dizer que esta exposição pode agir tanto para o bem quanto para o mal. Pois, quando o dólar sobe, as empresas exportadoras são favorecidas.

Para entender este conceito, imagine uma empresa exportadora de celulose. Suponha que ela acordou em vender 10 toneladas de celulose por $ 1 milhão de dólares. Isto enquanto a moeda valia R$ 2. Ou seja, na data que o contrato foi firmado o seu valor em reais era de R$ 2 milhões.

Imagine, então, que na data de pagamento o dólar estava valendo R$ 4. Isto significa que a empresa, ao receber $ 1 milhão de dólares, pode converter este valor para R$ 4 milhões de reais.

Ou seja, ela foi favorecida pela alta do dólar.

Isto pode ser percebido na realidade. Quando a cotação do dólar sobe, as empresas exportadoras da bolsa de valores, como a Suzano, tendem a ter uma alta em suas cotações.

Por outro lado, essas empresas sofrem com a queda do dólar.

Importadoras

A dinâmica das empresas importadoras é o exato oposto das empresas exportadoras.

Estas empresas compram em dólar. Ou seja, elas se beneficiam de uma queda do valor desta moeda e de um fortalecimento do real.

Afinal, se o dólar cai, isto significa que a empresa pode comprar a mesma matéria prima por um preço mais barato.

Isto, ao fim, aumenta a margem de lucro de uma empresa importadora.

Por outro lado, a alta do dólar pode ser péssima para uma empresa importadora, pois o contrato com seus fornecedores passam a ser mais caros.

Como reduzir o risco cambial?

Muitas pessoas se perguntam como reduzir o risco cambial para as empresas.

As companhias possuem uma série de mecanismos à sua disposição que, se bem utilizados, podem mitigar bastante este risco.

Exemplos desses mecanismos são:

Essas são algumas das opções que as empresas possuem para reduzir o seu risco cambial. Isto é de extrema importância para que as companhias possam operar de maneira saudável e com visibilidade.

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

Nenhum comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Mais...
Outras Seções

Ações

207 artigos
Ações

FIIs

53 artigos
FIIs

Minicurso Gratuito

Contabilidade Para investidores

Os principais conceitos sobre contabilidade que todo investidor precisa saber!