Por: Suno Research

Resumo da Semana: Venda da Netshoes, industrialização do Brasil, dívidas da Odebrecht e as refinarias da Petrobras

O índice Ibovespa encerrou a última semana registrando 98.040 pontos, o que representou, no pregão de sexta-feira (14), uma variação negativa de -0,74%. No acumulado da última semana e de 2019, as variações do principal índice de ações da bolsa do Brasil são de +0,22% e +11,55%, respectivamente.

Já o Ifix – índice que referencia os fundos imobiliários – terminou a mesma semana aos 2.561 pontos, alta de +0,09% na sexta-feira (14). Na semana, a variação do índice foi negativa de -0,26%, ao passo que, em 2019, sua variação é positiva, de +8,92%.

Entre os destaques da semana, podemos mencionar a votação favorável por parte dos acionistas da Netshoes à proposta do Magazine Luiza. A varejista adquiriu a empresa ao pagar US$ 3,70 por ação, em uma negociação que já se estendia a algum tempo. Outra empresa interessada na aquisição era a Centauro, que realizou uma oferta de US$ 4,10 por ação, totalizando US$ 127,3 milhões. Apesar da oferta mais alta, a Netshoes declarou em comunicado que não teria tempo hábil para avaliar a nova oferta da Centauro, uma vez que a companhia passa por dificuldades financeiras e a proposta do Magazine Luiza parece interessante. Com a votação favorável, as ações ordinárias do Magazine Luiza subiram cerca de 0,94% na sexta feira (14), encerrando a semana com alta de mais de 6%.

Ainda nesta semana, o relatório publicado pela Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (Unido) indica que o Brasil vem perdendo espaço na indústria global. Com leve recuo em relação a 2017, de 0,1%, o Brasil, por quase uma década, vem reduzindo sua participação no setor industrial global. Em 2005, a participação nacional na manufatura mundial era de cerca de 2,81%. Em 2018, a participação caiu para 1,8% e o país passou a figurar como a 9 maior potência industrial do mundo, atrás da França, com 2,24% e da Itália, com 2,33%. A indústria global é extremamente concentrada, com 4 países representando mais de 50%. A China possui 24,9% de participação, enquanto os Estados Unidos, o Japão e a Alemanha respondem 14,96%, 9,74% e 6,24% respectivamente.

Durante esta semana, também acompanhamos a evolução das negociações da Odebrecht, cuja decisão de levar a companhia para recuperação judicial segue com o conselho de administração. Os compromissos onerosos da holding superam os R$ 80 bilhões e caso a companhia entre em recuperação judicial, possivelmente mais de R$ 50 bilhões podem ser recuperados.

Com a reorganização da dívida, a companhia provavelmente ficará nas mãos dos bancos públicos e dos bondholders, credores com mais de R$ 12 bilhões em crédito com a empresa. Apesar da negociação estar em andamento, a companhia continua buscando uma alternativa à recuperação judicial, embora cada vez mais, este parece ser o caminho mais plausível. É possível que a decisão acerca do tema seja tomada ainda antes do feriado da próxima semana.

Adicionalmente, vale destacar, também, que a Petrobras retomou o processo de vendas de suas Unidades de Fertilizantes Nitrogenados III (UFN-III) e da Araucária nitrogenados S.A (Ansa). A 24ª Vara Federal do Rio de Janeiro revogou a decisão liminar que aprovava a suspensão da venda da estatal. A Petrobras explicou em nota, que o objetivo do processo é gerar valor aos acionistas, aprimorando o portfólio ao alocar melhor o capital da empresa. A estatal assinou nesta última terça-feira (11) o termo de compromisso de cessação, iniciando um processo de desinvestimento devido a venda de refinarias, decidida após um acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O acordo prediz a venda de 50% das refinarias da Petrobras, que detém atualmente 98% do mercado. Foi anunciado também pela Petrobrás a venda de campos petrolíferos terrestres de Polo Recôncavo e Polo Rio Ventura, na Bahia.  O presidente, Roberto Castello Branco, fez uma declaração, na última terça-feira (11), que o monopólio da estatal é inadmissível – a empresa detém 98% do mercado de refino brasileiro. Segundo Castello Branco, as consequências do monopólio impactam na situação atual do país. Por isso, a venda de refinarias da Petrobras é uma forma de aumentar a concorrência no mercado.

Suno Research

A Suno Research é uma casa de análise independente focada em ajudar o pequeno e médio investidor individual a ter sucesso com estratégias de longo prazo focadas em valor.

9 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Márcio 16 de junho de 2019

    Vou vender o que é meu para o meu inimigo concorrente, não vejo lógica nisso Sr Castello Branco.

    Vocês vão entregar o nosso ouro negro aos americanos. Isso vai gerar ainda mais miséria e miseráveis ao nosso Brasil.

    Fora Bozo, fora Guedes, fora Castello Branco, fora Moro

    Responder
    • Marcos 16 de junho de 2019

      Concordo plenamente.

      Responder
  • Silva 16 de junho de 2019

    Pior que essa é a única maneira de limpar a sujeira deixada pelo PT

    Responder
    • paulo campos 6 de julho de 2019

      … discordo plenamente …

      Responder
  • Eurípedes 16 de junho de 2019

    Sou favorável a venda! O Brasil precisa deixar de ser um país empresarial! Empresa só para particulares! O país sobrevive somente com a arrecadação de impostos! Ficando assim mais leve a sua administração! Venda todas as empresas urgente!

    Responder
  • Glauco 16 de junho de 2019

    Venda a Petro sim! Fonte inesgotável de corrupção e ineficiência, antes que o petróleo não valha mais nada. Os corruptos e os que vivem de mamata, que sejam contra

    Responder
    • urbano 16 de junho de 2019

      Vcs são loucos e não entendem nada do que é ser uma nação soberana, com saude , educação e que preserve a sua inteligencia. Veja os paises que realmente saõ nacao, e que descartam o fato de serem “republics de banana”. Não temos que estar subordinados a ninguem. A Petrobras sim é um patrimonio nacional. Nela estão garndes cientistas e pesquisadores brasileiros. Vamos parar com essa xenofobia xiita de perseguição a esquerda: BOLSONARO COMECE A GOVERNAR….a campanha já acabou a muito tempo. Seu inicio de governo é pessimo: nunca tivemos desde a volta da democracia, um governo tão ruim que procura fantasmas onde não existem. Vc não bateu no peito dizendo que ia fazer um governo diferente, pois faça e não engane um eleito como eu que confiou no que o senhor disse. VERGONHA.

      Responder
      • urbano 16 de junho de 2019

        Digo mais, agora a demissão de Levy porque? A postura de Moro que diz que não tem nada demais em falar o q ele disse. Este pais está com os seus valores morais invertidos. Não é possivel acreditar nesse circo todo feito para enganar a nação brasileira. Isso é imperdoável.

        Responder
        • urbano 16 de junho de 2019

          estão acabando com as grandes empresas do brasil. Tem corrupção manda pra cadeia os responsáveis mas preservem o patrimonio que conseguimos construir, como varios paises fizeram em situações parecidas, Vcs não entendem nada de economia internacional e falam asneiras. Como se vender resolvesse a moraliddade no meio empresarial. Vcs sao como Carlos Bolsonaro: quanto pior melhor.

          Responder
Leia Mais...
Outras Seções

Ações

202 artigos
Ações

FIIs

51 artigos
FIIs

Série Guia Suno

3 Livros pelo preço de 1

Aprenda tudo que você precisa saber para começar a investir com a série didática de livros Guia Suno

%d blogueiros gostam disto: