Acesso Rápido

    Resumo da Semana: Crise na Argentina, Guerra Comercial, Walmart Brasil e MP da Liberdade Econômica

    O índice Ibovespa encerrou a última semana registrando 99.805,78 pontos, o que representou, na última sexta-feira (16), uma variação positiva de +0,76%. Na semana, a valorização do principal índice das ações negociadas na bolsa de valores brasileira teve uma queda de -3,95%. Em 2019, no entanto, o índice segue positivo, com alta relevante desde os primeiros meses do ano. Até o momento, o Ibovespa apresenta uma valorização de +13,56%.

    Já o Ifix – o índice de referência dos Fundos de Investimentos Imobiliários – segue ainda se provando como uma excelente alternativa de entrada no mercado de renda variável para os investidores iniciantes, dada a sua baixa volatilidade histórica. Na última sexta-feira, por exemplo, o índice encerrou o dia aos 2.637 pontos, o que representou uma alta de +0,38% no dia. Na mesma semana e no acumulado de 2019, a variação do índice segue em -0,07% e +12,14%, respectivamente.

    Bolsa argentina cai 34,14% após resultados das eleições prévias

    Razão da queda foi a derrota do atual presidente Mauricio Macri nas eleições primárias para a eleição presidencial. O peso argentino chegou a 30,4% em comparação ao dólar, tendo a moeda americana negociada a 59 pesos.

    • As eleições primarias foram realizadas nesse domingo (11) e Macri obteve uma larga derrota para Alberto Fernandéz e Cristina Kirchner (diferença de 15 pontos percentuais);
    • Governo de Macri é visto como liberal e o de Alberto Fernandéz e Cristina Kirchner populista. Preocupação de investidores é que as políticas de ajuste fiscal e liberdade econômica, implementadas por Macri, sejam abandonadas;
    • Para tentar conter o dólar, o banco central argentino subiu os juros em 10,3%, passando de 63,7 para 74% ao ano;
    • O risco-país da Argentina atingiu 9,05 pontos percentuais, com uma alta de 0,33 ponto percentual;
    • Inflação argentina está acima de 55%.

    Estados Unidos adiam imposição de tarifas de 10% sobre produtos chineses

    Segundo os Estados Unidos, as tarifas não serão mais aplicadas no dia 1º de setembro, mas em 15 de dezembro. A taxação é válida para eletrônicos, como telefones celulares, laptops, videogames, monitores de computador e itens de vestuário e calçados.

    • Segundo Donald Trump, decisão ocorreu para que a população norte-americana não fosse prejudicada nas compras de Natal;
    • A informação foi anunciada pelo Escritório do Representante Comercial dos Estados Unidos e injetou ânimo nos mercados nesta terça-feira;
    • O presidente americano voltou a reclamar no Twitter: “Como de costume, a China disse que irá comprar muito dos nossos grandes agricultores americanos. Até agora, eles não fizeram o que disseram. Talvez agora seja diferente”.
    • Segundo informações do governo chinês, representantes dos dois lados devem iniciar uma nova rodada de negociações em duas semanas.

    Walmart sairá do Brasil e Grupo Big assume as operações

    O Walmart, tradicional marca nos Estados Unidos, deixará o país até o primeiro semestre de 2020. O Grupo Big assumirá o controle das operações em todo o Brasil e já indica mudanças em sua distribuição e estratégia.

    • A decisão de não utilizar mais a marca Walmart possui razões não somente estratégicas, mas também econômicas. A empresa paga royalties aos norte-americanos (0,7% sobre o faturamento mensal pelo uso da marca);
    • Os Hipermercados Walmart das regiões Sul e Sudeste passam a se chamar Big;
    • Ao todo, a negociação envolverá 127 hipermercados. A mudança ocorre após 80% de suas operações terem sido adquiridas pela Advent, empresa de private equity, há cerca de um ano;
    • A companhia prevê investimentos de R$1,2 bilhão no Brasil nos próximos 18 meses, com objetivo de modernização e ampliação de suas lojas;
    • Foco de atuação será no formato de atacarejo, explorado por concorrentes como Grupo Pão de Açúcar e Carrefour Brasil.

    MP da Liberdade Econômica tem texto-base aprovado

    Na noite da última terça-feira (13), a Câmara dos Deputados aprovou o texto-base da MP da Liberdade Econômica. Alvo de polêmica, o extenso texto foi reduzido pelo relator da proposta, deputado Jerônimo Goergen (PP-RS).

    • Para diminuir resistências da oposição, o relator retirou da proposta mudanças na legislação ambiental e urbanística, a criação do documento eletrônico para o embarque de mercadorias e anistia a multa e tabela de fretes;
    • Foi mantido no texto a permissão para trabalho aos domingos e feriados sem a necessidade de autorização por convenção coletiva, como é exigido atualmente. Foi mantido, também, a autorização para o controle de jornada por exceção e a permissão para que a carteira de trabalho seja digital;
    • O projeto da MP da Liberdade Econômica é uma das principais bandeiras para desburocratizar o ambiente de negócios do país, facilitando a abertura e o fechamento de empresas, estimulando a atividade econômica.