Acesso Rápido

    Resumo da Semana: Câmera dos EUA aprova pacote trilionário, Rating de crédito do Brasil e Prejuízos de Petrobras e Suzano.

    Resumo da Semana: Câmera dos EUA aprova pacote trilionário, Rating de crédito do Brasil e Prejuízos de Petrobras e Suzano.

    O índice Ibovespa encerrou a última semana registrando 77.556 pontos, o que representou, na última sexta-feira (15), uma variação negativa de 1,84%. Na semana, o principal índice de ações negociadas na bolsa de valores brasileira teve uma desvalorização de cerca de 2,5%. Em 2020, o índice segue negativo, com uma baixa expressiva de aproximadamente 33,00% até o momento.

    Já o Ifix – o índice de referência dos Fundos de Investimentos Imobiliários – encerrou a última sexta-feira (15) aos 2.563 pontos, o que representou uma alta de 0,60% no dia. Na mesma semana e no acumulado de 2020, o índice performou: – 0,80% e -19,82%, respectivamente.

    Câmara dos EUA aprova pacote para combate de pandemia.

    Na última sexta-feira (15), a Câmara dos Representantes dos EUA, aprovou um pacote de US$ 3 trilhões para o combate do covid-19.

    • No programa está previsto cerca de US$ 1 trilhão para governos estaduais e o repasse de US$ 1,2 mil para estadunidenses que se encontram com dificuldades;
    • O texto foi aprovado com 208 votos a favor e 199 contra. Todos os republicanos foram contrários ao pacote, por isso a previsão é de que o texto seja vetado no Senado, onde a maioria é republicana;
    • O projeto inclui pagamentos diretos de até US$ 6 mil por família. Aproximadamente 36,5 milhões de norte-americanos perderam emprego na pandemia.

    Moody’s confirma rating do Brasil em ‘Ba2” com perspectiva ‘estável’.

    A agência de classificação de risco informou nesta sexta-feira (15) que manteve em “estável” a perspectiva para o rating do Brasil, além de confirmar a nota de crédito soberano do país em ‘Ba2’.

    • Com essa classificação, o Brasil se sai melhor do que países europeus, entretanto, fica dois níveis abaixo de ser considerado grau de investimento;
    • Além disso, a S&P rebaixou para “negativa” a perspectiva para o rating brasileiro, que ficou em “BB”. A Fitch também revisou a perspectiva para negativa;
    • As revisões das agências ocorreram frente a queda nas expectativas para a economia do país, frente ao cenário político atual e a piora na crise de saúde.

    Guia de Economia para Investidores

    Confira os principais conceitos econômicos e aprenda como a economia pode influenciar seus investimentos com o nosso ebook gratuito de Economia para Investidores!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    Petrobras registra prejuízo no 1T20.

    Os resultados da estatal petrolífera foram divulgados nesta quinta-feira (14) e registraram um prejuízo de R$ 48,523 bilhões no primeiro trimestre de 2020.

    • O resultado registrado no primeiro trimestre de 2019 foi de R$ 4,03 bilhões e no último trimestre de R$ 8,153 bilhões;
    • Ano passado foi quando a estatal registrou o maior lucro da história, de R$ 40,1 bilhões;
    • A última vez que a Petrobras chegou a registrar um resultado negativo tinha sido no terceiro trimestre de 2017, quando tinha registrado uma contração de R$ 5,48 bilhões;
    • A receita bruta da companhia foi de R$ 75,469 bilhões, uma queda de 6,5% em relação ao mesmo período do ano passado;
    • Segundo a Petrobras, o resultado foi influenciado pela revisão de preços dos ativos afetados pelo impacto da crise do covid-19;
    • As despesas operacionais cresceram 243% em relação ao último trimestre por conta do reconhecimento de R$ 65,3 bilhões em impairments.

    Suzano reporta prejuízo no 1T20.

    A Suzano divulgou, nesta quinta-feira (14), um prejuízo de R$ 13,419 bilhões referente ao primeiro trimestre de 2020, ante resultado negativo de R$ 1,229 bilhões no mesmo período do ano anterior.

    • Os números são explicados pelo efeito negativo da desvalorização de 29% do real frente ao dólar. A companhia também citou o impacto com operações de hedge cambial;
    • O EBITDA ajustado da Suzano chegou a R$ 3,026 bilhões, uma expansão de 10% ante o mesmo período do ano anterior, atingindo uma margem EBITDA de 48%;
    • A receita líquida, por sua vez, apresentou um crescimento de 22% na relação ano a ano.