redesconto
Por: Tiago Reis

Como o Banco Central regula a liquidez da economia com o redesconto bancário

O Banco Central é a instituição que cumpre o papel de autoridade monetária do país. Conhecido também pela alcunha “Bancos dos Bancos”, é o Banco Central que regula e controla, por exemplo, a circulação e a liquidez de moeda na economia. Para isso, uma das medidas utilizadas pelo Bacen é a realização de operações de redesconto bancário.

É por meio do redesconto bancário, por exemplo, que o Banco Central consegue injetar ou reduzir a quantidade de dinheiro na economia. Porém, tudo isso é feito de forma indireta, através dos bancos comerciais e instituições financeiras.

O que é o redesconto bancário?

A operação de redesconto bancário é a concessão de empréstimos pelo Banco Central para bancos e instituições financeiras que estão com pouco dinheiro em caixa para manter suas operações. A operação de redesconto é considerada uma ferramenta de política monetária, sendo utilizada pelo Banco Central para regular o nível de moeda circulante na economia. Ao oferecer capital diretamente para as instituições financeiras, o redesconto funciona como uma forma de administrar a oferta de dinheiro no mercado e controlar a liquidez geral na economia.

Dessa forma, se o Banco Central libera mais recursos pelas operações de redesconto, um banco consegue captar recursos para o seu caixa com mais facilidade. Ao criar um estímulo para que os bancos tomem mais dinheiro emprestado, eles ampliam a sua capacidade financeira e passam a oferecer crédito no mercado.

Ao mesmo tempo, quando a intenção é reduzir a quantidade de dinheiro circulando na economia, o Banco central atua para conter as operações de redesconto. Sendo assim, a captação de dinheiro fica mais cara paras instituições financeiras, forçando uma redução na concessão de empréstimos. Isso faz com que as reservas dos bancos diminuam, reduzindo o fluxo monetário no mercado.

Guia de Economia para Investidores

Confira os principais conceitos econômicos e aprenda como a economia pode influenciar seus investimentos com o nosso ebook gratuito de Economia para Investidores!

Como funciona a taxa de redesconto bancário?

O principal instrumento para operacionalizar o redesconto bancário é a taxa de redesconto. A taxa de redesconto é o juros cobrado pelo Banco Central nos empréstimos aos bancos e instituições financeiras.

Ao controlar o valor dessa taxa, o Banco Central cria um estímulo para que os bancos façam mais ou menos empréstimos. Ou seja, com uma taxa de redesconto baixa, os bancos poderão captar mais dinheiro com o Banco Central para aumentar suas operações de crédito. Ao mesmo tempo, aumentando a taxa de redesconto, os bancos terão que pagar mais para pegar dinheiro emprestado, o que reduz a capacidade financeira dos mesmos para repassarem esse crédito ao mercado.

Tipos de operação de redesconto bancário

As operações de redesconto bancário podem ser feitas de duas formas: através do redesconto de liquidez ou do redesconto especial.

Os redescontos especiais são refinanciamentos de operações específicas, utilizadas em refinanciamentos de produtos agrícolas, à exportação de manufaturados, entre outras operações.

Já os chamados empréstimos de assistência à liquidez são operações eventuais, utilizadas pelos bancos que possuem uma insuficiência de caixa para manter suas operações.

Mas além dos empréstimos entre o Banco Central e as instituições financeiras, o redesconto é também uma operação que acontece entre os próprios bancos. Nesse caso, ela ocorre quando uma instituição desconta o título adquirido com outra, tomando de volta o dinheiro aplicado.

Qual a diferença entre redesconto bancário e depósito compulsório?

Embora as duas operações sejam utilizadas como ferramentas de política monetária do Banco Central, existe uma grande diferença entre redesconto e depósito compulsório.

O depósito compulsório é uma medida que determina quanto do dinheiro depositado pelos clientes nos bancos devem ir para uma conta reserva do Banco Central. Dessa forma, ao estabelecer o valor percentual do depósito compulsório, o Banco Central tem o poder de retirar ou liberar o dinheiro disponível aos bancos, afetando instantaneamente a capacidade dos mesmos de conceder empréstimos.

Por isso, enquanto o redesconto é apenas uma forma de oferecer empréstimos aos bancos, o depósito compulsório regula diretamente os recursos que as instituições possuem para fazer suas operações. Logo, o depósito compulsório é considerado uma medida de controle mais expressa – funcionando como uma restrição, e não um estímulo.

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

2 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Bárbara 5 de novembro de 2019

    Achei muito boas as explicações e de fácil entendimento. Obrigada por essa contribuição.

    Responder
  • Marilda da Penha Teixeira Nagaoka 20 de fevereiro de 2020

    muito claro a materia sobre os instrumentos de controle da oferta monetaria

    Responder
Leia Mais...
Outras Seções

Ações

209 artigos
Ações

FIIs

53 artigos
FIIs

Minicurso Gratuito

Contabilidade Para investidores

Aprenda os principais conceitos sobre contabilidade que todo investidor precisa saber!

CORONAVÍRUS, PETRÓLEO, ECONOMIA E INVESTIMENTOS. VOCÊ JÁ SABE O QUE FAZER?​