Por: Tiago Reis

Radar do mercado: Via Varejo (VVAR3) Via Varejo investiga possível fraude em balanços da companhia

  • A empresa investiga, há cerca de um mês, possíveis fraudes em seus balanços financeiros.
  • O SUNO Notícias apurou que a varejista, dona das marcas Casas Bahia, Ponto Frio e Extra.com, busca averiguar se executivos da própria empresa cometeram irregularidades na elaboração e divulgação de informações financeiras da companhia.
  • Após as revelações do SUNO Notícias, as ações da empresa foram suspensas do pregão por cerca de vinte minutos e chegaram a cair 9%.
Minicurso: Aprenda a Investir em Dividendos

Inscreva-se no nosso minicurso online gratuito sobre investimento em dividendos mais acessado do Brasil e junte-se a mais de 10.000 Alunos!

Há cerca de um mês, a área de compliance da Via Varejo recebeu uma denúncia sobre possíveis práticas ilícitas de executivos da empresa. Logo depois do recebimento, a varejista contratou advogados e auditores para auxiliar na investigação, dada a riqueza dos detalhes das operações que a denúncia continha.

Segundo fontes consultadas pelo SUNO Notícias, com conhecimento da investigação interna, executivos da Via Varejo contabilizaram despesas, como CAPEX (Capital Expenditure), como se o montante fosse destinado a investimentos para a melhoria da operação, quando, na verdade, o dinheiro teria sido destinado a gastos de OPEX (Operational Expenditure), ou seja, destinado para despesas operacionais.

A manipulação ocorreria pela possibilidade de transformar, no futuro, as despesas de CAPEX em receita e diminuir as provisões da companhia. Dessa forma, o retorno sobre investimento da empresa seria maior que o real, já que investimentos em CAPEX podem se transformar em benefícios futuros, enquanto em OPEX, que englobam pagamentos de salários, contas regulares, entre outros, são apenas gastos cotidianos.

“O OPEX é uma despesa no DRE da empresa e impacta diretamente o lucro. Se essa despesa é colocada como CAPEX, ela se transforma em um ativo”, disse um especialista em contabilidade de empresas que prefere não se identificar.

“Fazendo isso, a empresa aumenta seu lucro imediato do trimestre e constrói um ativo que, na verdade, não existe”, concluiu.

Aprenda como analisar uma ação

Além disso, a denúncia que a Via Varejo recebeu aponta que depósitos judiciais também não estavam em provisão. Essa parte da investigação mostra que foram excluídos processos jurídicos como forma de reduzir despesas necessárias. As planilhas utilizadas pelo departamento jurídico também foram manipuladas.

Em relação a garantias trabalhistas que estavam nessas planilhas, a investigação identificou que inúmeras delas já tinham sido realizadas e permaneceram como ativo para melhorar o desempenho contábil.

Há também despesas colocadas de forma inadequada nos Gastos Gerais de Fabricação (GGF), termo utilizado na contabilidade para alocar custos com aluguéis, energia, depreciação, entre outros.

Para investigar o caso, a Via Varejo contratou o escritório de advocacia Pinheiro Neto, de São Paulo, que, para auxiliar na investigação, recorreu à KPMG – uma das quatro empresas de auditoria mais importantes do mundo. Além disso, a EY, que já audita os balanços da empresa, acompanha toda a operação.

Ainda não há, contudo, uma conclusão das investigações realizadas por tais auditores externos. Portanto, o caso ainda não foi levado às autoridades externas competentes.

Há também a possibilidade de a adulteração ficar abaixo de R$ 100 milhões, montante do princípio de materialidade da Via Varejo, o que livraria a companhia de divulgar o resultado das investigações ao mercado.

A adulteração de resultados financeiros em balanço pode resultar na possibilidade de punição e aplicação de multas aos envolvidos e à empresa pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), de acordo com especialistas.

Informações para acionistas da Via Varejo

Após receber a denúncia, a gigante varejista optou por investigar a conduta dos colaboradores para evitar problemas maiores. Essa colaboração, e a iniciativa da Via Varejo em apurar o caso, evitaria multas futuras na possibilidade de o caso causar problemas com os órgãos reguladores.

Caso a Via Varejo ache, nesta investigação, imprecisões maiores que o princípio de materialidade da companhia, ela deve divulgar as informações aos acionistas em fato relevante. O piso para isso, segundo o setor de Relações com Investidores da empresa, é de R$ 100 milhões.

De qualquer forma, caso as demonstrações financeiras apresentem erros, e, mesmo que abaixo do princípio de materialidade, os dados deverão ser corrigidos. Se necessário, em período posterior ao balanço já publicado, a informação corrigida precisa ser apresentada em demonstração posterior.

Os resultados do terceiro trimestre de 2019 da Via Varejo foi divulgado ontem (13) após o fechamento do mercado.

[optin-monster-shortcode id=”s2ij71voa5oe4riqxhdx”]

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

3 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Marcelo Veiga de Oliveira 14 de novembro de 2019

    infelizmente ainda existe esta pratica de mercado, onde os executivos querem beneficiar um período por conta de Bônus salarial

    Responder
  • Renato 14 de novembro de 2019

    Não acredito que um grupo empresarial do porte da Via Varejo se prestaria a ordenar uma operação desta magnitude, só se seus administradores fossem muito desonestos.

    Responder
  • Isair Cruz 15 de novembro de 2019

    Oque pode empaquitar para os acionistas edta notícia

    Responder
Leia Mais...
Outras Seções

Ações

206 artigos
Ações

FIIs

53 artigos
FIIs

GARANTA ACESSO AOS DESCONTOS EXCLUSIVOS DA CYBERWEEK

não perca tempo! As ofertas terminam em:

DIAS
 HOR
 MIN
 SEG

CLIQUE NO BOTÃO ABAIXO PARA ACESSAR AS OFERTAS:

%d blogueiros gostam disto: