A Transmissora Aliança de Energia Elétrica – Taesa – comunicou na quarta-feira (14) aos seus acionistas, o mercado em geral e demais interessados que tomou conhecimento sobre a aprovação pela Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE), do pleito de redução fixa de 75% do Imposto de Renda Pessoa Jurídica – IRPJ, na modalidade Implantação, de interesse da empresa Janaúba Transmissora de Energia Elétrica S.A.

Segundo o informado, tal aprovação confere à companhia o direito ao incentivo fiscal, ficando obrigada a informar a SUDENE da efetiva entrada em operação do empreendimento, no ano de sua ocorrência, ocasião em que apresentará as informações previstas no regulamento vigente, com vista à emissão do laudo constitutivo para fins de fruição do benefício fiscal.

 

Em relação ao comunicado acima, é interessante complementar que a Taesa já havia informado ao mercado em sua teleconferência de resultados do terceiro trimestre, através do seu presidente, Raul Lycurgo Leite, que esperava obter até dezembro os benefícios fiscais para quatro de seus novos empreendimentos por parte da SUDENE e da Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM), além da renovação do benefício para outras duas concessões, isso por que a companhia deu entrada no primeiro semestre com o pedido para o benefício, que conforme informado reduz em 75% o Imposto de Renda devido na exploração das concessões de transmissão.

Durante teleconferência com analistas e investidores, o executivo comentou que a companhia já obteve o incentivo da Sudam para o empreendimento Miracema e uma linha de transmissão de 90 quilômetros localizada em Tocantins.

Em relação ao projeto alvo do incentivo, vale destacar que Janaúba é o empreendimento em construção do lote 17 do leilão de transmissão nº 013/2015 2ª etapa, realizado em outubro de 2016, 100% controlado pela Taesa.

O empreendimento está localizado entre os estados de Minas Gerais e Bahia com extensão de 542 km de linha e 3 subestações, totalizando um investimento de R$ 960 milhões (Capex ANEEL) e uma Receita Anual Permitida de R$ 185,4 milhões para o ciclo 2018-2019. O prazo estipulado pela ANEEL para energização de Janaúba é fevereiro de 2022.

Notícia positiva para a Taesa, em nossa visão, e seguimos avaliando a companhia como uma excelente alternativa de aplicação financeira para investidores focados no longo prazo e que se interessam na formação de uma carteira previdenciária de investimentos.

Setores perenes contribuem muito para a confecção de uma estrutura dessa natureza e, sem sombra de dúvidas, a Taesa se enquadra muito bem nesse fator no que diz respeito à perenidade no longo prazo.

O único parâmetro que recomendamos aos investidores se atentarem em relação à essa empresa é o seu preço.

Preço importa, e se a entrada no ativo se fizer a um preço alto em relação ao seu valor, é possível que um mal investimento seja estabelecido no âmbito da aplicação, dada a baixa margem de segurança que a operação pode proporcionar.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.