A Movida Participações comunicou ontem (05) ao mercado que passa a fazer parte da seleta lista “The 2018 BCG Local Dynamos”, das 50 empresas de alto desempenho em mercados emergentes, de acordo com o relatório do Boston Consulting Group (BCG) – consultora líder mundial em estratégia de negócios.

“Este é o resultado de uma história de devoção em servir, tendo como foco principal o encantamento do cliente, buscando ser ágil em entender suas demandas e supri-las com excelência”, salientou a companhia em seu comunicado.

 

Vale acrescentar, mediante o comunicado acima, que entre os pilares da avaliação do BCG estão crescimento, geração de valor e comparação com empresas concorrentes.

Também foram levados em consideração o modelo de negócio digital, a expansão da oferta de serviços com foco em diferenciação, atração e retenção de talentos.

Neste contexto, a Movida foi distinguida como uma empresa de excelência nos serviços de mobilidade urbana.

O reconhecimento considerou, ainda, a oferta de serviços inovadores como aluguel mensal para pessoa física, wi-fi nos carros, canais de reservas diferenciados (como Chatbox e WhatsApp), pré-pagamento, além da disponibilização de soluções multiplataforma de mobilidade urbana, como triciclos e bicicletas elétricas.

O Programa Carbon Free também foi destacado, sendo uma ação sustentável pioneira e exclusiva no setor e que completou 10 anos permitindo neutralizar as emissões de CO2 provenientes de locações.

Consideramos ser esta uma notícia bastante positiva para a Movida, companhia essa que atua no ramo de locação e venda de veículos, que é pertencente ao grupo JSL e que realizou o seu IPO em fevereiro do ano de 2017, numa operação que movimentou R$ 645 milhões.

Apesar de nova no mercado, a companhia apresentou melhorias em alguns índices importantes nos resultados dos últimos trimestres, como a receita líquida, Ebitda e lucro líquido (estes com quedas de margens), em relação aos anos anteriores.

No entanto, mesmo com a melhoria operacional acima mencionada, avaliamos não ser este o momento ideal para participar do negócio e por esse motivo preferimos ficar de fora da companhia, muito por conta de entendermos que a empresa precisa ainda “se provar” no mercado e, por conta da dificuldade de se ter uma clara visibilidade sobre o business, preferimos seguir de fora da Movida.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.