Acesso Rápido

    Radar do mercado: Itaúsa (ITSA4) adquire da Petrobrás participação na Liquigás

    Radar do mercado: Itaúsa (ITSA4) adquire da Petrobrás participação na Liquigás

    A Itaúsa comunicou hoje, em Fato Relevante, a aquisição da Liquigás Distribuidora S.A., em conjunto com a Copagaz e a Nacional Gás Butano. O valor da transação será de R$ 3,7 bilhões e ainda pode ser revisado, conforme as condições acordadas no contrato firmado entre os adquirentes e a Petrobrás.

    Curiosamente, a Petrobrás foi capaz de vender por um valor bastante maior do que foi oferecido no ano passado pelo grupo Ultragás. Na época, o valor ofertado para a petroleira foi de R$ 2,8 bilhões, mas a operação foi vetada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

    Guia de Economia para Investidores

    Confira os principais conceitos econômicos e aprenda como a economia pode influenciar seus investimentos com o nosso ebook gratuito de Economia para Investidores!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    Doravante, a controladora da Liquigás será a Copagaz, e a Itaúsa e Nacional terão participação minoritária, mas ainda grande, no capital social da companhia.

    A venda faz parte de um conjunto de desinvestimentos realizado pela Petrobrás para reduzir sua alavancagem financeira. A Liquigás é uma conhecida distribuidora de gás liquefeito de petróleo (GLP).

    O mais provável destino dos recursos será o pagamento dos 2 blocos que arrematou na cessão onerosa desta última quarta-feira, dia 6. A estatal tem se desfeito de ativos periféricos e focado em exploração de petróleo em águas profundas.

    A transação ainda requer a aprovação do CADE para ser concluída. A aquisição é parte da estratégia da companhia de diversificar seu portfólio e reduzir sua dependência do Itaú Unibanco. Em 2017 a holding comprou participação de 86% da J&F na empresa Alpargatas (ALPA4), junto com a Cabuhy e Brasil Warrent.

    Segundo a companhia, os resultados deste exercício social da Itaúsa não serão afetados. O portfólio da Itaúsa agora é composto pelo Itaú Unibanco, Alpargatas, Duratex, Itaútec e a NTS, transportadora de gás que atua no Sudeste que foi adquirida também em 2017 em conjunto com Brookfield Brasil Asset Management.

    Tags
    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    6 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Paulo 8 de novembro de 2019

      Parabéns pelo conteúdo informativo

      Responder
    • Paulo 8 de novembro de 2019

      Gostaria de saber se a Itausa está reduzindo a sua participação no Itaú Unibanco.

      Responder
      • Lauro Daniel gLassmann 26 de novembro de 2019

        Lógico que não amigo

        Responder
      • Davi de Souza 16 de maio de 2020

        Ela está diversificando o capital, ou seja, aumentar o seu capital em outras empresas de setores diversos, não diminuir sua participação no Itaú porque, afinal a Itaú é excelente, mas a ideia é de diversificar é para diminuir sua dependência a Itaú, porque se ela diminuir seu lucro líquido (igual agora nos resultados do 1T-2020) afeta diretamente a Itaúsa. Os demais ativos subiram bem em relação a crise, exceto a Alpargatas. Se o capital da Itaúsa fosse bem distribuído, seu capital não iria cair drasticamente igual atualmente, 59% de queda, pelos dados apresentados no 1º trimestre de 2020.

        Responder
    • Celso 8 de novembro de 2019

      Quais as possíveis consequências nas ações da Petro e Itausa?

      Responder
    • Carlos André 8 de novembro de 2019

      Oxalá a estratégia seja bem focada e vencedora. Considero extremamente relevante que a ITAÚSA busque outras fontes de receita além do próprio Itaú a fim de consolidar sua posição como a Berkshire Hathaway. Desta forma, sugiro ao conselho da holding que estude a possibilidade de participação em empresas energéticas, tais como Envo e BYD.

      Responder