Por: Tiago Reis

Radar do mercado: Gol (GOLL4) divulga resultados do primeiro trimestre de 2019

A GOL Linhas Aéreas Inteligentes S.A. divulgou no último dia 30 os seus resultados trimestrais referentes ao 1T19.

No que diz respeito ao mercado doméstico, a capacidade da GOL aumentou 2,2%, ao passo que a demanda aumentou 4,6%, ambos em comparação ao mesmo período do ano passado. Além disso, a taxa de ocupação chegou a 82,5%, o que representa um aumento de 1,8 p.p. em relação ao 1T18. Houve também crescimento de 8,4% no número de passageiros domésticos no trimestre, de modo que a companhia transportou 8,4 milhões.

 

Já no mercado internacional, a oferta teve aumento de 23,0%, enquanto a demanda aumentou 18,5%, quando se compara com o 1T18. A taxa de ocupação internacional da companhia no 1T19 foi de 76,0%: uma redução de 2,9 p.p. A GOL transportou 0,6 milhão de passageiros neste mercado, o que representa uma redução de 2,8%.

O volume de decolagens da GOL foi de 63.771, redução de 1,1% em comparação ao 1T18. O total de assentos disponibilizados foi de 11,1 milhões no trimestre, o que representa um incremento de 3,2% em relação ao mesmo período do ano passado.

A receita líquida de passageiros por assentos-quilômetros oferecidos (PRASK líquido) aumentou 3,3% no trimestre, atingindo 23,27 centavos de real, impulsionado por um crescimento na receita líquida com passageiros de 8,4% no trimestre.

Já a receita operacional por assentos-quilômetro oferecidos (RASK) foi de 24,63 centavos de real, um aumento de 3,2% em comparação ao 1T18.

O yield líquido (valor médio pago por um passageiro para voar um quilômetro) apresentou crescimento de 1,9% no trimestre, se comparado ao 1T18, chegando a 28,55 centavos de real, refletindo, principalmente, o aumento de 1,3% na tarifa média, que passou de R$ 335 para R$ 339.

A receita líquida foi de R$ 3,2 bilhões no trimestre, um crescimento de 8,3% em relação ao 1T18, devido ao aumento da receita de passageiros no mercado doméstico, além das franquias de excesso de bagagem.

O EBITDA (excluindo as despesas não recorrentes) totalizou R$951,8 milhões, aumento de 15,5% em relação ao 1T18. A margem EBITDA foi de 29,6%, 1,9 p.p. superior em relação ao 1T18. O impacto do aumento de 0,76 centavo de real no RASK e aumento de 0,91 centavo de real no CASK (Custo por Assentos-quilômetro oferecidos) ex-depreciação resultou em EBITDA por assento-quilômetro disponível de 7,30 centavos de real no 1T19, aumento de 0,67 centavo de real comparativamente ao 1T18.

Além disso, a GOL teve uma despesa financeira líquida de R$ 401,1 milhões, um aumento de R$ 79,5 milhões na comparação com o 1T18. Devido à variação cambial, as despesas com juros aumentaram R$ 11,3 milhões em relação ao 1T18, chegando a R$ 176,4 milhões.

No trimestre, a companhia apresentou prejuízo líquido depois da participação minoritária de R$ 32,3 milhões, revertendo o lucro líquido de R$ 142,3 milhões que obteve no 1T18.

Apesar do prejuízo líquido, a empresa teve um fluxo de caixa líquido positivo, conforme a tabela abaixo, o que sinaliza uma melhoria considerável em relação ao fluxo de caixa negativo do 1T18:

Cabe ressaltar que ainda consideramos alto o endividamento da empresa, no qual o valor da dívida líquida/EBITDA UDM se encontra em 3,3x. Além disso, o prazo médio de vencimento da dívida de longo prazo da companhia no 1T19, excluindo leasings financeiros de aeronaves e bônus perpétuos, foi de 3,8 anos. A taxa média das obrigações em reais se manteve em 7,68% e foi reduzida para 6,27% nas obrigações em dólares, frente aos 6,79% do 1T18.

Sendo assim, é notório que se trata de um setor bastante suscetível à variação cambial, bem como dos preços de combustíveis. Consideramos também que as margens não são atrativas, embora a empresa tenha apresentado alguns resultados de crescimento. O alto patamar de dívida também diminui a margem de segurança para o investimento. Deste modo, ficamos fora de GOLL4.

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

1 comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Juliano 9 de julho de 2019

    30% de valorização em 6 meses… Tão indicando direitinho….

    Responder
Leia Mais...
Outras Seções

Ações

203 artigos
Ações

FIIs

52 artigos
FIIs
navigation

Conteúdo Gratuito

Radar do
Mercado

Os principais fatos relevantes do mercado, comentados no seu e-mail diariamente

%d blogueiros gostam disto: