A Fras-le comunicou na última sexta-feira (05) aos seus acionistas e ao mercado em geral que as condições precedentes ao fechamento relativo a compra das ações representativas da totalidade do capital social da Jofund S.A. foram superadas, inclusive a aprovação pelos acionistas na Assembleia Geral Extraordinária, realizada no dia 4 de setembro de 2018 e a aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) a que a operação estava subordinada.

“Em decorrência, nesta data, foram firmados todos os documentos necessários para a transferência da participação societária adquirida, com o que a companhia assume efetivamente seu controle e gestão da Jofund S.A., a qual será transformada em empresa individual de responsabilidade limitada com a denominação de Fremax Sistemas Automotivos EIRELI”, ressaltou a Fras-le em seu comunicado.

 

No que tange tal comunicado, vale destacar que a Jofund é uma sociedade por ações de capital fechado com sede na cidade de Joinville (SC), e que atua no mercado de autopeças com a marca Fremax.

Adicionalmente, segundo informado pela companhia em ocasiões anteriores, o valor da transação é de, aproximadamente, R$ 180 milhões, ajustado de acordo com as premissas do preço estimado na data de fechamento, conforme previsto no contrato.

Ainda, a Fras-le já havia destacado que os seus principais objetivos com o negócio são a ampliação do portfólio de produtos e a busca de sua consolidação na posição de liderança de mercado no segmento de autopeças no Brasil, reforçando também seu mix de produtos para oferta global.

Também em relação à referida aquisição, é importante mencionar que, com um parque fabril de aproximadamente 25 mil m² localizado em Joinville (SC), a Fremax fabrica e comercializa autopeças para veículos de passeio, utilitários e comerciais de pequeno porte.

Adicionalmente, a companhia possui sua unidade produtiva instalada no Brasil, porém atua com centros de distribuição em localizações estratégicas na Argentina e na Holanda, fazendo com que a sua logística se torne mais eficiente em escala global.

É de se entender, com a referida celebração do contrato de aquisição da Fremax pela Fras-le, que o operacional da compradora possa vir a se amplificar no médio prazo, dado a atual dinâmica e reputação que a Fremax possui atualmente no seu mercado de atuação.

Por conta disso, avaliamos como positivo o comunicado feito pela Fras-le.

No mais, gostamos da Fras-Le muito por conta de seus números, que demonstram que a empresa é bem administrada e que sua gestão se compromete em procurar gerar valor a seus acionistas de maneira sustentável no longo prazo.

No entanto, é sempre necessário lembrar que o setor de autopeças historicamente é difícil: cíclico, com margens baixas e poucos compradores.

Mesmo considerando-se que a Fras-le vende mais para a reposição – conseguido, assim, amenizar um pouco esse desafiador fator – este não é um segmento que consideramos ser um dos mais perenes no longo prazo, muito pelo fato de ser um mercado que não permite ter margens e retornos sobre capital elevado.

A empresa é sólida, é verdade, mas por conta dos motivos acima citados, preferíamos um desconto maior para recomendar uma participação nesta companhia, haja visto que suas ações FRAS3 encerraram o pregão de sexta-feira cotadas a R$ 4,18.

O que fazemos em situações como essa é esperar por um momento de baixa em seu preço de cotação, e é isso que recomendamos a nossos assinantes que também o façam neste momento em relação a Fras-Le.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.