A Eztec comunicou ao mercado ontem (04) o lançamento do empreendimento Z. Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo.

De acordo com a companhia, o projeto contará com 1 torre residencial com componentes comerciais, em um total de 386 unidades, de alto padrão, com áreas de 26 a 80 m², para um VGV total de R$ 188,2 milhões.

 

A Eztec é uma companhia que atua com um modelo de negócio totalmente integrado e, com essa característica, já lançou 132 empreendimentos, totalizando mais de 3,6 milhões de metros quadrados de área construída e em construção e 27.226 unidades.

Além disso, a companhia possui 39 anos de história e, atualmente, carrega consigo o mérito de ser uma das empresas com maior lucratividade entre as empresas de capital aberto do setor de incorporação e construção no Brasil.

Em relação ao empreendimento Z. Pinheiros, entendemos que o seu anúncio demonstra uma movimentação positiva por parte da empresa, muito por conta do princípio de reaquecimento da economia observado nos últimos meses no Brasil.

Adicionalmente, no que diz respeito ao seu operacional, julgamos ser a Eztec a melhor opção do seu segmento.

Apesar do resultado não recorrente proveniente da venda da Torre B do EZ Towers, ocorrida em setembro de 2017, gostamos muito dos resultados da companhia no último ano.

Contudo, apesar dos resultados positivos da empresa, entendemos, neste momento, que suas ações (EZTC3) se encontram a um preço que não fornece uma margem de segurança satisfatória, e por isso preferimos não realizar a indicação do ativo nesse momento, apesar da companhia já ter feito parte de nossa carteira Suno Dividendos numa ocasião em que se encontrava mais descontada.

Acreditamos que a bolsa brasileira se caracteriza muito pela sua capacidade de demonstrar cenários em que as oportunidades se mostram bastante atrativas e, por conta disso, entendemos que é possível que em algum momento futuro as ações da Eztec voltem a se mostrar uma alternativa interessante de aplicação financeira voltada para o longo prazo.

Enquanto esse momento nao se configura, continuamos a sugerir o investimento em outras empresas que se mostram mais atrativas, seja pela capacidade de pagar dividendos a seus acionistas, seja pelo seu potencial de valorização futuro.

Assim sendo, seguimos de fora, pelo menos por enquanto, da Eztec, por avaliarmos que existem melhores oportunidades nesses momento no mercado.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.