Acesso Rápido

    Radar do mercado: Embraer (EMBR3) entrega 51 jatos no segundo trimestre de 2019

    Radar do mercado: Embraer (EMBR3) entrega 51 jatos no segundo trimestre de 2019

    A Embraer comunicou, na data de ontem (30), que entregou um total de 51 jatos no segundo trimestre de 2019, dos quais 26 foram jatos comerciais e 25 foram jatos executivos, sendo 19 leves e 6 grandes.

    A carteira de pedidos firmes a entregar em 30 de junho totalizava US$ 16,9 bilhões, frente a US$ 16 bilhões no fim do 1T19.

    A empresa afirma que o aumento do backlog (carteira de pedidos) no 2T19, é devido, em grande parte, à demanda contínua do mercado, principalmente pela nova família de jatos Praetor na Aviação Executiva.

     

    No semestre, o total de aeronaves entregues foi de 73, sendo 37 comerciais e 36 executivas, conforme ilustrado abaixo.

    No 2T19, a Embraer recebeu o Certificado de Tipo para o E195-E2 por parte de três órgãos regulatórios: a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), a Federal Aviation Administration (FAA) e a Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA).

    O modelo E195-E2 é a maior das três aeronaves que compõem a nova geração de aviões comerciais da Embraer, os E-Jets E2.

    Ainda no comunicado, a empresa informou que, no início do 2T19, assinou um pedido firme de 10 jatos E195-E2 e o direito de compra em mais 20 jatos do mesmo modelo com a Air Peace, maior companhia área da Nigéria. Quando todos os direitos de compra forem exercidos, a transação será de US$ 2,12 bilhões.

    Durante a 53ª edição do Paris Air Show Internacional, que ocorreu de 17 a 23 de junho de 2019, a Embraer fez vários anúncios de vendas, destacados a seguir.

    A United Airlines assinou um contrato para até 39 jatos E175, que inclui 20 pedidos firmes e 19 opções. Quando todas as opções forem exercidas, o pedido tem um total de US$ 1,9 bilhão.

    A companhia área Binter, da Espanha, confirmou os direitos de compra de dois jatos E195-E2 adicionais, previstos no contrato firmado em 2018, no valor de US$ 141,8 milhões.

    A Embraer também anunciou a intenção de compra da KLM Cityhopper para até 35 jatos E195-E2, sendo 15 pedidos firmes, com direitos de compra para outras 20 aeronaves do mesmo modelo, com valor total de US$ 2,48 bilhões.

    Outro destaque, no mesmo evento, foi a assinatura de um Acordo de Cooperação Estratégica entre a Embraer Defesa & Segurança e a ELTA Systems Ltd (ELTA), subsidiária da Israel Aerospace Industries (IAI), para desenvolvimento do jato militar P600 AEW (Alerta Aéreo Antecipado).

    Nessa cooperação, a Embraer fornecerá a plataforma aérea, sistemas de solo, sistemas de comunicação e integração de aeronave, por sua vez, a IAI-ELTA fornecerá o radar AEW, SIGNIT (inteligência de sinais) e outros sistemas eletrônicos.

    Fundada em 1969, a Embraer é uma empresa aeroespacial global com sede no Brasil, com atuação nos segmentos de Aviação Comercial, Aviação Executiva, Defesa e Segurança e Aviação Agrícola.

    A empresa projeta, desenvolve, fabrica e comercializa aeronaves e sistemas, além de fornecer serviços e suporte a clientes no pós-venda.

    A Embraer é líder na fabricação de jatos comerciais de até 150 assentos e a principal exportadora de bens de alto valor agregado do Brasil. A empresa mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviço e distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.

    A composição acionária da Embraer é tal como mostrada na ilustração abaixo.

    Por fim, apesar da evidente liderança em seu setor de atuação, além de ser uma importante empresa da indústria brasileira, acreditamos que o setor de atuação da empresa é permeado por incertezas, de difícil previsão. Portanto, acreditamos não ser uma boa oportunidade de investimento no momento.

    Tags
    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    1 comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Walmir 1 de agosto de 2019

      Faltou comentar sobre o impacto da associação com a Boeing nos negócios da Embraer com aviação comercial e com a comercialização do KC 390.

      Responder