Radar

Radar do Mercado: Paranapanema (PMAM3) confirma oferta primária de ações ao preço de R$1,56 por papel

By 14 de setembro de 2017 No Comments

A Paranapanema comunicou hoje, por meio de nota divulgada ao mercado, que seu conselho aprovou, no âmbito da oferta pública de distribuição primária anunciada no último dia 30, a fixação do preço por ação no valor de R$1,56.

De acordo com o comunicado, serão emitidas 225.871.018 milhões de novas ações ordinárias, o que elevará o capital social da empresa em aproximadamente pouco mais de R$ 352,3 milhões, passando, com isso, a ser avaliado em R$1,73 bilhão.

A companhia informou, contudo, que a operação está condicionada a subscrição de, no mínimo, R$360 milhões em debêntures conversíveis em ações por seus credores.

A produtora de cobre salientou que pretende utilizar os recursos líquidos provenientes da oferta para reforçar o seu caixa, e que a previsão para o início das negociações das ações na B3 é amanhã (15).

A realização da oferta restrita de ações foi aprovada e divulgada ao mercado pelo conselho da Paranapanema no fim de agosto.

 

A Paranapanema é uma empresa que se encontra em uma situação bastante desafiadora, mesmo ocupando a posição de maior produtora não integrada de cobre refinado no Brasil na forma de catodo, vergalhão e fios de cobre.

Reflexo dessa situação nada animadora são os seus últimos resultados trimestrais, que apresentaram prejuízo de R$ 73 milhões, decorrentes de um lucro operacional (Ebitda) – também negativo em R$ 27,5 milhões – resultados estes derivados de um elevado custo de produção.

Outro fator bastante preocupante em relação à companhia é o seu endividamento crescente, que no último trimestre ultrapassou a barreira dos R$ 2,2 bilhões.

Nesta situação em que se encontra, com dificuldades claras de geração de caixa através de sua operação habitual, é compreensível o posicionamento da companhia de buscar financiamento no mercado através da emissão de ações e debêntures a fim de amortizar parte de sua dívida, porém preferimos não nos associarmos com empresas altamente endividadas e que não têm histórico positivo de resultados.

Compartilhe a sua opinião

Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.