O faturamento da Ambev é um dos mais representativos do mercado de capitais
Por: Tiago Reis

Radar do Mercado: Ambev S.A. (ABEV3) divulga resultados trimestrais

A Receita Operacional Líquida teve queda de 1% frente ao 4T19. Foi observado que a companhia teve dificuldade em conter seus custos, apresentando aumento de 5,5% do custo dos produtos vendidos na comparação com o mesmo período.

O EBITDA ajustado atingiu R$ 6.924,7 milhões, contra R$ 7.631,6 milhões no 4T18, decréscimo de 9,3%. A margem EBITDA ajustada foi de 43,7%, correspondendo a uma queda de 3,9 pontos percentuais.

Houve contração de margens por conta dos custos, queda influenciada por preços mais altos de commodities e menor diluição de custos fixos.

As despesas com vendas, gerais e administrativas (SG&A) tiveram crescimento de 7,1% na comparação com o 4T18. Por outro lado, o volume de hectolitros registrou aumento de 3,4% e a receita por hectolitro, 2,2%.

O resultado financeiro líquido teve redução de 6,2% contra o 4T19. As despesas foram de R$ 1.564,3 milhões, dentre as quais R$ 575,7 milhões foram provenientes de perdas com instrumentos derivativos, especialmente pelo aumento de custo de carrego de hedges cambiais referentes à exposição do CPV e CAPEX na operação Argentina.

Também houve perdas com instrumentos não-derivativos em R$ 537,1 milhões devido à variação cambial de transações intercompany, que não têm efeito caixa, e pelo ajuste ao valor justo de opção de venda na República Dominicana.

No release do 4T19, a Ambev discorre sobre maior pressão sobre o custo do produto vendido do ano, e isso somado aos investimentos com vendas e marketing concentrados no início de 2020, o EBITDA de Cervejas Brasil deve sofrer redução de 17% a 20% no 1T20.

A expectativa é de que haja melhora do desempenho no segundo semestre, em especial se a pressão sobre o CPV se abrandar. A margem bruta tem demonstrado tendência decrescente desde 2012. A companhia tem tido que reduzir o preço dos seus produtos devido à concorrência, especialmente da Heineken que tem expandido seu market share no Brasil.

No pregão de ontem, as ações ABEV3 representaram a segunda maior queda do Ibovespa, caindo 8,34% e encerrando o pregão em R$ 14,50.

A instabilidade social vista no Chile e em especial, na Bolívia, afetaram o desempenho no 4T19. A crise econômica argentina, acentuada por um governo menos pró-mercado na Casa Rosada, impactaram as operações no país.

Telegram Suno
Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

2 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Carlos André 28 de fevereiro de 2020

    Veja creio que a Ambev conseguiria recuperar suas vendas se oferecesse aos consumidores ótimos sorteios em toda sua linha de produtos. Exemplos: automóveis, casas, apartamentos, um ano de salário grátis, certificados de barra de ouro …

    Responder
  • Gê Martins 28 de fevereiro de 2020

    QQ empresa que devolva algo ao cliente, não apenas satisfação em consumir seus produtos, tem a tendência de fidelizar o mesmo. Como fazer o equilíbrio disto no balanço é x.

    Responder
Leia Mais...
Outras Seções

Ações

208 artigos
Ações

FIIs

58 artigos
FIIs
navigation

Conteúdo Gratuito

Radar do
Mercado

Os principais fatos relevantes do mercado, comentados no seu e-mail diariamente

Group 285

NÃO VÁ EMBORA AINDA..

O portal que vai te ajudar a começar
a investir.

Todos os conteúdos gratuitos 
da Suno em um só lugar!