BR Foods BRFS3
Por: Tiago Reis

Radar do mercado: BRF (BRFS3) e Marfrig (MRFG3) anunciam potencial fusão

Após o fechamento do mercado na data de ontem (30), a BRF S.A. e a Marfrig Global Foods S.A. anunciaram aos seus respectivos acionistas e ao mercado em geral que iniciaram, entre si, tratativas para avaliar a combinação de negócios entre as duas companhias.

Seus conselhos de administração aprovaram assinatura de Memorando de Entendimentos vinculante entre as duas companhias, estabelecendo regras e condições de acesso a informações que permitam que as companhias se aprofundem nas discussões e nas análises para a viabilidade da implementação da transação, buscando avaliar os efetivos benefícios econômicos que originariam da operação, bem como a estrutura societária mais eficiente a ser adotada.

 

O memorando prevê um período de exclusividade nas negociações entre ambas as empresas por 90 dias, prorrogáveis por mais 30, durante o qual nenhuma das partes poderá iniciar negociações com terceiros.

A fusão confere à BRF uma presença nos EUA, onde a Marfrig é dona da National Beer, e criará um player capaz de vender aves, bovinos e suínos com escala capaz de gerar sinergias operacionais e no custo da dívida, além de se esperar redução na exposição aos riscos setoriais.

Aprenda a Investir em Dividendos

A companhia resultante teria uma diversificação geográfica apresentando relevância no Brasil, Estados Unidos, América Latina, Oriente Médio e Ásia.

Embora a estrutura societária não esteja definida, foi definida uma relação de troca fixada com base no valor de mercado dos últimos 45 dias, não atribuindo prêmio a nenhuma das partes, de modo que os acionistas da BRF terão cerca de 85% da nova empresa, enquanto os da Marfrig ficam com o restante.

Nas negociações, o Citigroup será o assessor financeiro da BRF, enquanto o J.P. Morgan irá assessorar a Marfrig. Projeções iniciais indicam sinergias de R$ 5,5 bilhões na união, criando uma gigante global com faturamento superior a R$ 80 bilhões.

Combinadas, a companhia resultante deverá ter dívida líquida em torno de 3 vezes o EBITDA. Hoje a alavancagem da BRF supera 5 vezes, enquanto a Marfrig está próxima de 2,8 vezes.

As companhias ressaltaram que são premissas da transação que a companhia eventualmente resultante:

  • Tenha um elevado nível de governança corporativa, com estabilidade na administração direta e gestão;
  • Adote políticas internas e métricas para atingir seu grau de investimento; e
  • Seja administrada de forma a atingir excelente reputação no que diz respeito à integridade, qualidade, segurança e sustentabilidade.
Aprenda como analisar uma ação

É importante dizer que não há qualquer acordo, contrato e/ou documento celebrado, vinculante ou não vinculante. Sendo assim, não existe qualquer garantia de que a transação seja, de fato, concretizada.

Ademais, o fechamento de qualquer transação está condicionado à análise e aprovação das administrações e acionistas de cada parte, incluindo a aprovação do BNDES (acionista da Marfrig), além de aprovações prévias de autoridades governamentais.

No mais, acreditamos que a fusão será capaz de gerar bons frutos. No entanto, ainda é muito cedo para tomar qualquer posicionamento em relação a este case. Individualmente, entendemos que os resultados mais recentes da Marfrig não nos atraem, ao passo que a BRF apresenta alta alavancagem e dificuldades operacionais.

Portanto, no momento, preferimos observar o case estando fora dos papéis.

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

1 comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Carlos André 31 de maio de 2019

    Que uma eventual fusão das empresas propicie ao consumidor redução significativa dos preços praticados, sobretudo ao fato que a oferta é altíssima posto que muitos de seus produtos estão por diversas vezes com o prazo de validade iminente nas gôndolas dos supermercados. Portanto, tomando-se por base o senso comum, a lei da oferta e demanda deveria verdadeiramente funcionar na prática de menores preços ao consumidor.

    Responder
Leia Mais...
Outras Seções

Ações

207 artigos
Ações

FIIs

56 artigos
FIIs
navigation

Conteúdo Gratuito

Radar do
Mercado

Os principais fatos relevantes do mercado, comentados no seu e-mail diariamente

Group 285

NÃO VÁ EMBORA AINDA..

O portal que vai te ajudar a começar
a investir.

Todos os conteúdos gratuitos 
da Suno em um só lugar!