A BB Seguridade Participações comunicou ao mercado na última quinta-feira (01) que concluiu, no último dia 25 de outubro, o Programa de Recompra de Ações de sua própria emissão, que foi aprovado pelo seu Conselho de Administração em 26 de outubro de 2017, sem que ações fossem recompradas.

No mesmo comunicado, a companhia informou também que foi aprovada, na mesma data e também pelo seu Conselho de Administração, a abertura de um novo Programa de Recompra.

Segundo o informado, o objetivo de tal programa será a aquisição de ações emitidas pela BB Seguridade em circulação no mercado para manutenção em tesouraria e posterior alienação ou cancelamento sem redução de capital social, visando maximizar a geração de valor para seus acionistas.

 

No que diz respeito ao comunicado acima, vale acrescentar que atualmente a companhia conta com 674.976.583 ações em circulação no mercado, além de 3.403.367 ações em tesouraria.

Adicionalmente, a quantidade de ações a serem adquiridas/alienadas no referenciado programa será de até 10 milhões de ações.

A companhia informou, ainda, que o prazo da operação será de até 12 meses, com término, portanto, em 31 de outubro de 2019.

Em nossa visão, o referido anúncio do início da operação de recompra das suas ações feita pela BB Seguridade pode ser interpretado como uma boa notícia para seus acionistas, isto por que, num eventual processo dessa natureza por parte da companhia, a participação no negócio de cada acionista terá uma proporção maior em relação ao negócio como um todo.

Isso gera consequências bastante interessantes para os minoritários, como o aumento proporcional de dividendos por ação a serem recebidos, por exemplo, que, inclusive, apresentam um aumento histórico de volumes pagos interessantes no caso da BB Seguridade.

Dessa forma, a referida decisão da companhia reforça nossa convicção de que a empresa continuará apresentando resultados sólidos e consistentes ao longo do tempo, além de firmar o seu compromisso com o respeito e transparência frente aos minoritários.

Pressupondo-se que o crescimento da empresa deverá permanecer no longo prazo, principalmente quando avaliamos a posição ainda subpenetrada do mercado de seguros brasileiro, que deverá continuar crescendo a um ritmo interessante, entendemos que as empresas que nele atuam possuem à sua frente um ambiente muito favorável para o desenvolvimento de performance e geração de caixa, além da possibilidade de distribuir dividendos atrativos e crescentes.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.