Por: Tiago Reis

Radar do Mercado: Azul (AZUL4) – Companhia recebe financiamento de US$ 200 milhões para manutenção de motores

A Azul (AZUL4) anunciou nesta quarta-feira (03) que fechou um financiamento de US$ 200 milhões com a Corporação de Investimento Privado no Exterior (OPIC), uma instituição financeira do governo americano que fomenta investimentos de empresas americanas em mercados emergentes.

Pelo acordo, a companhia terá acesso a uma linha de crédito para realizar a manutenção dos motores de suas aeronaves Embraer E-195. A empresa é a primeira companhia aérea do mundo a obter um financiamento dessa natureza com a OPIC.

 

Ainda no que tange o comunicado acima, cabe acrescentar que Alex Malfitani, Vice-Presidente Financeiro da Azul, estacou que “essa nova fonte de financiamento nos ajudará a otimizar nossa posição de liquidez e o processo de manutenção dos motores dos nossos jatos da Embraer, fortalecendo ainda mais o nosso acordo com a GE Celma.” A GE Celma é a unidade de revisão de motores aeronáuticos da GE no Brasil.

Além do executivo da Azul, também se manifestou o presidente e CEO da OPIC: “Com o suporte da OPIC, a Azul poderá acessar um maior número de regiões brasileiras que não possuem serviço aéreo, ajudando a estimular o crescimento e desenvolvimento econômico”.

No que diz respeito à conjuntura operacional da companhia, a Azul é a maior empresa aérea do Brasil em número de cidades servidas. Fundada em 2008, à época conectava Salvador, Campinas e Porto Alegre, enquanto hoje já conta com cerca de 821 voos diários e 110 destinos, figurando como líder em 8 dos 10 principais aeroportos onde atua. Adicionalmente, a companhia vem conquistando forte penetração em mercados pouco atendidos ao redor do país.

É interessante notar que tal financiamento foi obtido para sua frota de E-Jets, mais especificamente o modelo E-195. No entanto, segundo o plano de frota da companhia, divulgado recentemente, vemos que ela planeja remover seus E-Jets da frota até o final de 2022, sendo que no final deste ano já serão quinze a menos, em relação ao ano passado (2018).

Tal plano de frota é coerente com as perspectivas de expansão da companhia, e visa a melhoria de suas margens, uma vez que o custo por assento dos A320neo é cerca de 29% menor que o custo por assento dos E-195 (utilizando como base o trajeto de 1.458 km de distância entre Campinas e Salvador).

Todas as aeronaves de última geração que serão adicionadas à frota são consideradas a base da estratégia para expansão de margens para os próximos anos.

Analisando os resultados da Azul, percebemos uma constante valorização e consolidação da marca ao longo de seus 10 anos de existência. Além disso, é um ponto bastante positivo a sua cultura focada no serviço ao cliente.

Quando olhamos os números, vemos alguns pontos positivos que indicam o crescimento da companhia, porém, há certo receio devido aos altos custos operacionais. É um setor bastante pautado na variação do preço de combustível de aviação, bem como variação cambial, fazendo com que aumentar a performance da operação seja bastante desafiador. Além disso, a alavancagem se encontra num patamar de 4,2x (Dívida líquida/EBITDAR), que consideramos elevado.

Sendo assim, continuaremos monitorando a Azul em busca de oportunidades.

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

Nenhum comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Mais...
Outras Seções

Ações

205 artigos
Ações

FIIs

52 artigos
FIIs

FALTAM POUCOS

DIAS PARA A

DIAS
 HOR
 MIN
 SEG

INSCREVA-SE E TENHA ACESSO À OFERTAS IMPERDÍVEIS!