Acesso Rápido

    Qual é o momento certo para comprar e vender ações?

    Atualmente, vejo muitas pessoas discutindo acerca da importância do preço na decisão de compra de uma ação. Muitos defendem que o preço não importa, e estes não poderiam estar mais enganados.

    O cerne do investimento de valor é a margem de segurança que, por definição, envolve a compra do ativo financeiro com o preço descontado de seu valor intrínseco. Sem dar a relevância adequada para o preço, perdemos a referência da margem de segurança e, consequentemente, de toda a filosofia de investimento que seguimos.

    Ninguém seria melhor para explicar a importância do preço e o momento certo de comprar ou vender uma ação do que Warren Buffett. Deste modo, decidi comentar sobre o trecho final do livro Warren Buffett and the Interpretation of Financial Statements, de Mary Buffett, onde é apresentada a visão do investidor sobre o tema mencionado.

    Warren Buffett tem a reputação de investir em empresas e nunca mais vendê-las, entretanto, mesmo para o guru de Omaha, “existem momentos para comprar e momentos para vender” ações.

    No momento de comprar, Buffett diz ser crucial olhar para o preço, pois ele determinará sua rentabilidade futura. Olhemos para o exemplo da Coca-Cola, empresa que rendeu bilhões de dólares ao investidor americano.

    Ao final da década de 1980, a cotação das ações da Coca-Cola variava significativamente. Uma série de eventos no mercado americano, aliados a alguns erros da gestão da empresa em introduzir uma nova fórmula, que foi malsucedida, trouxeram grande volatilidade para o papel, que chegou a ser negociado a US$21,00, mas também forneceu algumas oportunidades de compra abaixo dos US$7,00.

    Buffett comprou as ações por US$6,50 e, naquele momento, o lucro por ação da companhia era de US$0,46, o que representa um retorno de cerca de 7% ao ano. Caso ele tivesse pago US$21,00 pela ação, seu retorno seria reduzido para 2,2%.

    Avançando 20 anos, chegamos em 2007, quando o lucro por ação da companhia estava no patamar de US$2,57. Nota-se um avanço significativo dos lucros da empresa, que estavam gerando um retorno de quase 40% ao ano sobre os US$6,50 investidos.

    Caso tivesse comprado os papéis por US$21,00, o retorno seria de apenas 12% ao ano, após 20 anos.

    Deste modo, Warren Buffett considera que a regra número um para comprar ações é comprar apenas quando o preço está descontado. Naquele momento, a Coca-Cola havia passado por alguns problemas passageiros de gestão e o mercado americano vivenciou o pior dia da história da bolsa (Black Monday), o que tornou o preço do ativo significativamente descontado para que a aquisição se tornasse interessante.

    Não é por acaso que hoje a Berkshire Hathaway possui mais de US$120 bilhões em caixa aguardando uma grande oportunidade para investir.

    Além de compreender o momento de comprar uma ação, é necessário saber também a hora de vender. Acerca deste tema, Buffett considera que existem três situações que podem levar à venda de uma ação.

    Em primeiro lugar, você pode ter encontrado uma oportunidade melhor de investimento e não possui caixa para aproveitá-la. Neste caso, é necessário liquidar o ativo menos promissor em seu portfólio para não perder a oportunidade.

    O segundo ponto gira em torno da deterioração de valor da companhia. Quando uma empresa está perdendo suas vantagens competitivas, seja pela intensificação da competição ou por alguma disrupção tecnológica, a decisão mais sabia pode ser a venda do papel.

    Sobre essa situação, podemos pensar nas Livrarias Saraiva, que se mostrava uma companhia promissora até que as mudanças no ambiente competitivo a levaram para recuperação judicial.

    Por fim, um terceiro momento em que a venda dos ativos deve ser considerada é em um momento de euforia exacerbada do mercado. Quando as ações estão sendo negociadas a preços extremamente elevados que não podem ser justificados pelo crescimento das companhias, o investidor deve analisar com cautela os ativos em seu portfólio de modo a selecionar apenas aqueles cujo preço de negociação pode ser justificado pelas perspectivas futuras.

    Segundo Mary Buffett, autora do livro supracitado, a regra de bolso (obviamente existem exceções) é considerar a venda, ou pelo menos ficar muito atento com o ativo, quando o índice Preço/Lucro (P/L) atinge a marca de 40. Esse é um bom indicativo de euforia extrema do mercado.

    Para concluir, podemos voltar ao exemplo da Coca-Cola. Mesmo sendo uma excelente companhia, caso você adquirisse as ações no ano de 1998, quando o papel era negociado a um índice de Preço/Lucro acima de 40, nos 20 anos seguintes seu retorno seria inferior a 3% ao ano.

    Fica claro, portanto, que o fator mais importante, tanto na hora de comprar uma ação, quanto no momento de vendê-la, é o preço. Jamais pague caro demais em uma ação ou você comprometerá seus retornos. E, sempre que a ação em seu portfólio estiver muito cara, considere a venda pois, muito provavelmente, existem oportunidades melhores para alocar seu capital.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    1 comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • NEUMIR ANTONIO CANDIDO 30 de setembro de 2020

      O PLANO PREMIUN , A AVISA QUANDO UM AÇÃO DEVE TER RECOMENDAÇÃO DE VENDA
      GRATO

      Responder