Os últimos dias foram desafiadores para as bolsas globais.

A Nasdaq apresentou essa semana sua maior queda desde 2011. O Dow Jones zerou os ganhos do ano. E as algumas bolsas europeias e asiáticas negociam próximas das mínimas dos últimos anos.

Isso tudo não foi muito sentido no Brasil, por conta do período eleitoral. Se não fosse por isso, certamente teríamos bolsa para baixo e dólar para cima.

As empresas de tecnologia perderam mais de $1 trilhão em valor de mercado nas últimas semanas.

E várias destas empresas de tecnologia reúnem características que eu busco em um investimento: margem alta, recorrência, escala e forte crescimento.

As quedas recentes abrem oportunidade de se investir nestas empresas.

É possível investir em empresas estrangeiras através dos BDR´s negociados na bolsa brasileira. Ou mesmo abrindo conta em corretoras no exterior.

E quais empresas de tecnologia me interessam?

Alphabet (dona do buscador Google)

Empresa de alta rentabilidade, o Google tem crescido 20-30% ao ano, e deve continuar a apresentar uma taxa de crescimento forte nos próximos anos, por conta dos crescentes investimentos em marketing digital por parte das empresas e da contínua monetização da plataforma YouTube.

Eu acredito que poucas empresas reúnem as vantagens competitivas que o Google possui: marca forte, associada a um ganho de escala e patentes de tecnologia proprietária praticamente impossíveis de serem replicadas.

Facebook

Esta empresa controla as principais redes sociais, tais como: Facebook, WhatsApp e Instagram.

Assim como o Google, o Facebook se beneficia da expansão dos investimentos em marketing digital.

O Facebook consegue operar com margens ainda maiores que as do Google, por conta de uma maior disciplina na alocação de capital.

Historicamente, o Facebook tem conseguido se manter na liderança em redes sociais, adquirindo empresas (como fez com Instagram e WhatsApp) ou replicando outras funcionalidades de outras plataformas em sua rede (como o Stories do Instagram fez com o SnapChat).

Isto me faz crer na sustentabilidade, ainda que não definitiva, da liderança e das vantagens competitivas da empresa.

Apple:

É possível argumentar que não é uma empresa pura de internet. Mas ela é vanguardista em um movimento que é crescente: a expansão do uso de smartphones. E smartphones é sinônimo de maior uso de internet.

Além disso, a divisão de serviços da Apple cresce bem acima da média do portfolio da empresa.

 

Estas empresas possuem múltiplos ajustados (excluindo o caixa) em linha ou inferiores a média das empresas americanas. E são empresas de rentabilidade e crescimento muito superiores à média.

Estas não são as únicas empresas americanas que me interessam no momento. Empresas de setores tradicionais como financeiro e consumo também abrem oportunidades para quem busca diversificação. Selecionamos algumas destas empresas no plano Suno Internacional.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.