ConhecimentoInvestimentos

Previdência Privada, você sabe como funciona esse produto financeiro?

By 3 de Janeiro de 2018 No Comments
A previdência privada tem se tornado cada vez mais comum no Brasil

Mediante a atual conjuntura política e econômica do país, sobretudo no que diz respeito às polêmicas reformas pautadas no Congresso Nacional, o assunto a respeito da previdência privada tem se tornado cada vez mais comum no conceito das finanças pessoais dos brasileiros.

Dessa forma, a preocupação no que diz respeito ao planejamento do futuro – obtenção de recursos para se sustentar na terceira idade – faz com que um entendimento acerca dos princípios por detrás da previdência privada sejam, o quanto antes, esclarecidos de maneira consistente.

Previdência Privada como funciona?

A previdência privada é um tipo de investimento disponibilizado para pessoas físicas com o caráter de longo prazo, e que apresenta como principal função ser um complemento à previdência pública disponibilizada pelo Governo.

Assim sendo, esse tipo de plano financeiro não possui ligação ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), e possui a sua fiscalização sob responsabilidade da Superintendência de Seguros Privados (Susep).

O seu princípio de funcionamento se faz através de aportes periódicos por parte do investidor – geralmente mensais – através dos quais o gestor do plano de previdência privada em questão aplica esse montante normalmente em aplicações de baixo risco, como títulos de renda fixa, por exemplo.

Ao final do prazo pré-estabelecido, o investidor então resgata o montante que foi aportado, na periodicidade que achar mais conveniente de acordo com suas necessidades, juntamente com os rendimentos daquilo que foi aportado e aplicado pelo gestor do plano.

Vale ressaltar que, é possível, de antemão, escolher o valor e a periodicidade da contribuição, ao passo que o valor investidor pode ser resgatado antes do prazo estabelecido, em caso de desistência por parte do investidor. Nesse caso, entretanto, seria necessária a verificação da carência do produto financeiro em questão.

Neste sentido, é interessante mencionar que, quanto antes uma pessoa começa com um plano dessa natureza, menor tende a ser as parcelas mensais pagas no programa, ou seja, o valor pago é diretamente proporcional à idade do contribuinte desse sistema.

Há de se destacar, também, que não há idade mínima e nem a necessidade de comprovação de renda para a maioria dos planos de previdência privada disponíveis no mercado.

Vantagens da Previdência Privada

Os principais pontos de destaque de um plano privado de previdência são:

  • A gestão profissional do capital aplicado;
  • Segurança (no caso de a instituição em questão ser uma gestora de tradição e renome no mercado);

Desvantagens da Previdência Privada

Os principais pontos negativos de um plano privado de previdência são:

  • Baixo rendimento frente a outras aplicações no mercado financeiro;
  • Altas taxas tradicionalmente cobradas no setor que podem tornar o serviço pouco atrativo;
  • Tendência a não acompanhar o mercado por conta da comodidade que esse tipo de aplicação sobrepõe ao investidor;
  • Não possuir cobertura pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito);
  • Existência de carência no caso da opção de resgate antecipado do capital aplicado;

Conclusão

Diante dessa breve elucidação a respeito desse tipo de produto financeiro disponibilizado por diversas instituições do mercado, é possível perceber que, para aquelas pessoas que possuem um conhecimento relevante do mercado financeiro, existem muitas outras alternativas mais atrativas e que podem ser mais rentáveis no longo prazo e, assim propiciar uma carteira previdenciária de investimentos mais interessante.

Dito isso, é importante que cada pessoa tome a inciativa de empreender na sua própria aposentaria, de modo que se forme, de uma maneira representativa, a sua própria previdência privada proveniente de seus investimentos financeiros ao longo do tempo.

Compartilhe a sua opinião

Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.