Por: Marcos Baroni

Por dentro do Suno30

Como sabem, o Fiikipedia é um ambiente colaborativo. Nesta semana, convidei o Rafael para falar mais sobre o Suno30, após eu ter assistido a um vídeo dele (https://youtu.be/GUvaBuLR6OA). Vale destacar que nestes últimos dias, tenho feito Lives com o Tiago Reis sobre este índice que, em minha visão, representa um novo marco na indústria de FIIs no Brasil. Vejam mais detalhes nos links:

Abaixo, a contribuição do nosso amigo Rafael:

Fala pessoal, tudo bom? Me chamo Rafael Amantini e a convite do professor Baroni vim mostrar a vocês minha visão sobre o novo índice SUNO30. Estou me formando em engenharia e invisto desde março de 2019. Gosto de deixar bem claro que estou aprendendo com vocês, já que a melhor maneira de aprender é ensinar.

Além de publicar vídeos toda semana no YouTube, no canal que leva meu nome (Rafael Amantini), posto conteúdo todos os dias em meu Instagram (@rafaamantini). De forma resumida, estes conteúdos são voltados tanto para investimentos, quanto para empreendedorismo e mindset. Acredito que com esses três pilares é possível prosperar financeiramente.

Guia de Economia para Investidores

Confira os principais conceitos econômicos e aprenda como a economia pode influenciar seus investimentos com o nosso ebook gratuito de Economia para Investidores!

Mas chega de enrolação e vamos para o que interessa.

“A Suno Research lançou um novo índice de fundos de investimentos imobiliários, o SUNO30”

Quando publiquei essa notícia em meus Stories, muita gente não entendeu e pediu para que eu explicasse melhor, se era um ETF (Exchange-Traded Fund) ou se era um fundo imobiliário próprio da Suno.

Resolvi então destrinchar tudo sobre o índice e explicar de forma detalhada e simples para que todos pudessem entender de vez.

Foi dessa maneira que o Tiago Reis e o professor Baroni me encontraram, por meio de um vídeo postado em meu canal sobre o SUNO30, que compartilhei no Instagram marcando eles (não sou bobo né?!).

Link do vídeo:

Antes de mais nada é preciso entender o que é um índice. Ele nada mais é do que uma carteira teórica que representa o desempenho médio de um mercado em específico. O principal exemplo de um índice é o Ibovespa, que representa como as principais ações da nossa bolsa (B3) se comportam com o tempo. Os fundos de investimento imobiliário (FIIs) também possuem um índice, o IFIX.

Mas então por que a Suno criou outro índice para os FIIs? O que tinha de errado com o já existente IFIX?

Como falado, um índice representa uma carteira teórica. Tanto o IBOV quanto o IFIX são compostos por empresas com pesos maiores que outras, por exemplo, Vale e Petrobrás representam sozinhas mais de 20% da composição do Ibovespa (IBOV).

http://www.b3.com.br/pt_br/market-data-e-indices/indices/indices-amplos/indice-ibovespa-ibovespa-composicao-da-carteira.htm

Essa diferença de peso dificulta o entendimento, principalmente de quem está começando e que acredita estar perdido nesse “novo mundo”, cheio de letrinhas e detalhes confusos.

A facilidade de entender o novo índice criado pela Suno se deve pelo fato de todos os fundos que o compõe terem o mesmo peso, o que cria um senso de justiça. É o desempenho do fundo que é avaliado, não seu volume ou sua base de captação.

Isso torna o índice puramente meritocrático, ratificando sua gestão excelente, sem dar margem a grandes fundos que apresentarem péssimos resultados.

Para isso foi decidido algumas regras, ou melhor, filtros que selecionariam apenas os mais capacitados.

Dentre essas regras podemos citar:

  1. Fazer parte do IFIX, já que para participar dele também é necessário passar pelos filtros e regras que o índice exige;
  2. Não ser um Fundo de Fundos (FoF). Os fundos de fundos podem ser resumidos como um fundo de investimento que investe em outros fundos imobiliários. A diferença de um FoF para o índice é que enquanto no índice a carteira é teórica, os FoFs são negociáveis. Colocar um FoF dentro de um índice é a mesma coisa que colocar pequenas carteiras dentro da carteira principal, não fazendo sentido;
  3. Possuir mais que um ativo. Fundos monoativos não representam o futuro dos FIIs. A diversificação faz parte do esqueleto moderno dessa classe de ativos;
  4. Pelo menos um pagamento de proventos ao longo dos últimos doze meses (Dividend Yield maior que zero nos últimos 12 meses).

Se o fundo passar por todos esses filtros, ele se torna elegível a participar da composição do SUNO30. Assim, fará parte então, da “Champions League” dos fundos imobiliários.

Vale falar que não é porque um fundo não está hoje no índice que ele não possa entrar no futuro. O (re)balanceamento das posições para o ajuste dos pesos será trimestral.

A tabela abaixo mostra todos os 30 fundos que compõe o índice, lembrando que todos possuem o mesmo peso (referente a jun-20).

A tabela foi retirada da apresentação do SUNO30, disponível no link:

https://www.sunoresearch.com.br/wp-content/uploads/2020/06/SUNO30-FIIs_Apresentac%CC%A7a%CC%83o.pdf

Por curiosidade, preparei uma informação extra: o dividendo médio que o índice teria. Para isso usei a seguinte metodologia (Fonte – Fundsexplorer):

  • Busquei o dividendo do último mês de cada fundo, usando a plataforma do FundsExplorer;
  • Tirei a média aritmética desses dividendos, já que todos os fundos possuíam o mesmo peso;
  • O resultado foi de um Yield mensal de 0,473%.

Alguns fundos não pagaram nada no último mês, principalmente os fundos de shoppings, consequência da pandemia que estamos vivendo. Com a recuperação destes, a tendência é que o Yield médio mensal aumente.

O resultado é um bom indicativo para se ter noção e serve de parâmetro para compararmos com nossas carteiras.

A função de um índice é ser uma base e servir como média para o mercado que representa. Acredito que o SUNO30 só fará com que o mercado cresça já que, puxando essa média para cima, os gestores terão que mostrar resultados cada vez melhores, o que favorece a nós, investidores.

A sacada da Suno de ser a pioneira nesse “mercado de índices” foi genial, e não é à toa que ela é a maior casa de análise do país.

O não comodismo e a preocupação com o investidor são os diferenciais da empresa.

Canal Youtube:

https://www.youtube.com/channel/UC-CPUKTZv7USydlwCk06Ldg

Instagram:

https://www.instagram.com/rafaamantini/?hl=pt-br

Telegram Suno
Marcos Baroni

Marcos Baroni é analista CNPI, especialista em Fundos Imobiliários da Suno Research e professor há 22 anos em cursos de graduação e MBA nas áreas de Gestão de Projetos e Processos. Formado na área de TI e com especialização em Educação, investe no mercado financeiro desde o início de sua carreira. Há 12 anos, leva conhecimento por várias cidades do Brasil sobre como conquistar a independência financeira através dos fundos imobiliários como ativos geradores de renda passiva e formação de patrimônio.

3 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Pedro 3 de julho de 2020

    Artigo muito bem escrito! Com certeza me ajudou a entender mais sobre o SUNO30.

    Responder
    • Suno Research 3 de julho de 2020

      Boa tarde.
      Excelente.
      Atenciosamente, Equipe Suno.

      Responder
  • Pedro Moreira 5 de agosto de 2020

    Boa tarde, quando poderemos acompanhar a variação diário do índice?

    Responder
Leia Mais...
Outras Seções

Ações

208 artigos
Ações

FIIs

54 artigos
FIIs
building

eBook GratuitO

Investindo em

Fundos
Imobiliários

Descubra como receber dividendos mensais dos melhores imóveis do Brasil

Frame

NÃO VÁ EMBORA AINDA...

Inscreva-se e receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!