Acesso Rápido

    Pesquisa operacional: como funciona essa ferramenta?

    Pesquisa operacional: como funciona essa ferramenta?

    O processo de tomada de decisão nem sempre é simples. É preciso ter dados, fundamentos e seguir certa lógica para fazê-lo da melhor forma possível. Inclusive utilizando a pesquisa operacional.

    Ao utilizar a pesquisa operacional, é possível, inclusive, aumentar o lucro líquido de um empreendimento. Basta que ela seja bem aplicada e que seus resultados mudem processos.

    O que é pesquisa operacional?

    Pesquisa operacional (também conhecida pela sigla PO) é uma metodologia de análise de dados de um negócio que tem por objetivo auxiliar o processo de tomada de decisão, aumentando a sua eficiência por meio da otimização de processos. E ela está presente nas mais diversas áreas, como indústria, comércio e serviços.

    Minicurso: Investindo em Fundos Imobiliários

    Inscreva-se no nosso minicurso curso gratuito sobre FIIs e aprenda os principais conceitos para investir e viver da renda de Fundos Imobiliários!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    A PO pode apresentar duas abordagens: a qualitativa e a quantitativa. A pesquisa operacional qualitativa se baseia na experiência do responsável pela tomada de decisão. Em geral, abordando problemas simples. Já a pesquisa operacional quantitativa analisa problemas complexos, sob a ótica científica.

    Mas nos dois casos, a PO atua em sistemas reais, usando probabilidade ou relações de causalidade.

    Objetivo da pesquisa operacional

    Assim como boa parte das estratégias de controle de qualidade e otimização de processos aplicados hoje na indústria, a PO foi criada para solucionar problemas oriundos da Revolução Industrial. Neste período, a prática ainda era bastante restrita ao ambiente científico.

    Porém, seus usos ficaram mais conhecidos durante a Segunda Guerra Mundial, quando técnicas e conceitos matemáticos ganharam um emprego prático em decisões estratégicas. Assim, as técnicas aprimoradas naquele período foram posteriormente aplicadas às empresas.

    Atualmente, a pesquisa operacional pode ajudar um negócio a crescer mais do que os seus concorrentes, por mostrar quais recursos otimizar e quais melhorias podem impulsionar os indicadores de produtividade do negócio. Entretanto a premissa é sempre a mesma: reduzir custos e melhorar produção.

    Apesar da sua aplicação prática nem sempre remeter a isso, a investigação operacional segue princípios matemáticos, para apresentar um resultado preciso ao gestor.

    Quer aprender a investir? Conheça os 10 livros que todos investidores deveriam ler.

    Fórmula

    Toda pesquisa operacional tem uma finalidade e uma fórmula matemática para alcança-la. Trata-se da chamada Função Objetivo, que nada mais é do que o que o gestor pretende atingir ao aplicar este recurso.

    Um exemplo de aplicação dessa fórmula seria:

    Max Z = 5X + 2Y

    Quando Z é o que deve ser otimizado / maximizado e X e Y variarão de acordo com o que está sendo analisado pelo empreendimento.

    Neste caso, X são as variáveis controláveis e Y variáveis constantes ou não controláveis. O mais importante é a construção correta do modelo matemático.

    Hoje há softwares especializados em aplicar esta fórmula à realidade e as atividades de cada empresa. O que torna o processo mais fácil e rápido.

    Tipos de PO

    Existem cinco principais tipos de Pesquisa Operacional aplicados na melhoria de processos de decisão. São eles:

    A mais utilizada é a programação linear, que visa melhorar a utilização de recursos finitos, para torna-la mais eficiente e barata. A ideia é aumentar o lucro e diminuir o custo, bem como os desperdícios. É aqui que a função objetivo é aplicada.

    Na teoria dos jogos, são analisadas as estratégias e técnicas de convencimento, a partir da análise de interações entre dois gestores, responsáveis pela tomada de decisão.

    Já na simulação, são criadas representações de sistemas já existentes, para verificar a sua aplicabilidade para aquele fim. E até simular os resultados que a adoção destes sistemas geraria.

    A teoria das filas, por sua vez, é um modelo de probabilidade gerado a partir da análise do comportamento de filas de espera, com o objetivo de descobrir qual é a chance de algo de fato ocorrer.

    Por fim, na teoria dos grafos é criada uma representação gráfica que mostra a relação entre todos os elementos existentes. Por isso, representa modelos reais e ajuda o gestor a visualizar os melhores caminhos a seguir.

    Foi possível saber mais sobre pesquisa operacional? Deixe suas dúvidas nos comentários abaixo.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *