payroll

Faz parte da rotina de todo bom investidor acompanhar os índices macroeconômicos dos principais países do mundo. Dentre eles, um dos que mais impactam o mercado financeiro de forma geral é o indicador americano Non-Farm Payroll – popularmente conhecido apenas pelo nome de Payroll.

Por ser divulgado todos os meses, o relatório Payroll apresenta informações importantes sobre o desempenho da economia americana. Dessa forma, o indicador acaba influenciando o comportamento de todo o mercado de forma significativa.

PayrollO que é relatório payroll?

O relatório Payroll é o principal índice de emprego da economia americana. Também chamado de Non-Farm Payroll, ele mostra a variação na quantidade de pessoas empregadas nos Estados Unidos entre um mês e outro – excluindo apenas os trabalhadores empregados no setor agrícola.

O dado é divulgado mensalmente, sempre primeira sexta-feira de cada mês, dentro do relatório de emprego produzido pelo Bureau of Labor Statistics – o órgão oficial do governo americano para monitorar o mercado de trabalho.

Por que o relatório Payroll é tão importante para o mercado?

Como o número de empregos relatados nesse índice representam cerca de 80% do PIB americano, o Non-Farm Payroll é um dos principais “termômetros” da economia do país – servindo como base tanto para analisar a situação econômica atual ou para fazer projeções futuras.

Devido a essa importância, os dados divulgados pelo relatório acabam influenciando o comportamento de todo mercado financeiro. Ou seja, o resultado do Payroll impacta diretamente tanto a variação da taxa de juros, o preço do dólar e a compra e venda de ações, títulos e ativos negociados nas bolsas dos Estados Unidos.

Além disso, como os Estados Unidos possuem o mercado financeiro mais volumoso mundo, os efeitos dos dados anunciados pelo Non-Farm Payroll também se estendem para os mercados de outros países.

Como analisar o resultado do relatório Payroll?

Em geral, o aumento do emprego mostra que as empresas estão contratando – o que significa que a economia está crescendo e que a população têm mais dinheiro para gastar em bens e serviços.

Mas além de informar ao mercado quantos postos de empregos foram criados em relação ao mês anterior, o relatório também apresenta outras informações importantes sobre o mercado de trabalho nos EUA, como:

  • Taxa de desemprego do mercado de trabalho americano;
  • Setores e atividades que mais estão contratando ou demitindo;
  • Índice de empregabilidade por classe social, faixa-etária e região do país;
  • Variação do salário médio por hora.

Com isso, os investidores consegue saber, por exemplo, quais setores apresentam um crescimento maior, quais empresas estão com uma boa perspectiva econômica e qual será a tendência de movimentação do dólar, dos títulos públicos americanos e dos demais ativos ligados aos Estados Unidos.

Como os mercados se comportam em relação ao Payroll?

Normalmente, os mercados do mundo inteiro costumam reagir de forma instantânea logo após a divulgação do Non-Farm Payroll. Porém, os dados históricos mostram que a correlação desse indicador com a movimentação do mercado é forte apenas no curto prazo.

Ou seja, apesar de causar grande volatilidade no dia da sua apresentação, um único Non-Farm Payroll não possui grande influência nos preços de um ativo no longo prazo. Ou seja, seu reflexo imediato costuma durar pouco – e, com o tempo, o mercado tende a retornar ao seu curso natural.

Por isso, operar no mercado com base nos dados do Payroll só faz algum sentido para traders e demais especuladores de curto prazo. Para aqueles que investem focados em um horizonte de tempo maior, o recomendável é aguardar o fluxo de negociação causado pelo relatório e analisar apenas os efeitos econômicos que ele pode ter no longo prazo.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.