Acesso Rápido

    Passivo total e o seu impacto no balanço contábil

    Passivo total e o seu impacto no balanço contábil

    Quem já se propôs a ler o balanço patrimonial de uma empresa antes de investir nela, deve ter se deparado com a expressão “passivo total”.

    Saber o que o passivo total e os demais termos contábeis ali presentes significam ajuda os investidores a entenderem como anda a saúde financeira do empreendimento.

    Passivo total é o resultado de todas as obrigações (dívidas ou gastos) de uma empresa somadas ao patrimônio líquido da mesma. Ou seja, ele representa todos os recursos utilizados para que essa firma se financie. É comum que ela descrimine o que é o passivo e o que é o patrimônio em suas demonstrações contábeis.

    Isso quer dizer que, ao ver o nome passivo total em um balanço, o número ali sinalizado representa o total de recursos que foram empregados para financiar as atividades deste negócio.

    Lembrando que o passivo é a informação presente na coluna da direita de uma demonstração contábil.

    Passivo total, passivo circulante e passivo não circulante

    passivo-total

    A Contabilidade costuma dividir suas definições em nichos menores dentro de um grande espectro.

    Isso ocorre também com o passivo total.

    Como o próprio nome sugere, o passivo total é a soma de todos os passivos da empresa. O que significa que há mais de um tipo de passivo nos empreendimentos.

    Existem duas principais diferenciações: os passivos circulantes e os não circulantes.

    São considerados passivos circulantes as dívidas de curto prazo, que sejam pagas em até um ano e que ocorram com frequência.

    Assim, se encaixam no passivo circulante os fornecedores, os salários dos funcionários, obrigações tributárias e até créditos para sócios e acionistas.

    Mas, neste caso, somente se estes créditos forem liquidados dentro do exercício vigente.

    Os passivos não circulantes, por sua vez, são as dívidas de longo prazo, ou seja, que não serão quitadas dentro do exercício atual.

    Isso inclui empréstimos bancários de maior duração, parcelamentos de dívidas tributárias, receitas diferidas e até as debêntures que só serão exigíveis no ano seguinte.

    Passivo total e outras definições de passivo

    passivo-total

    Além dos passivos circulante e não circulante, o passivo total representa também outros tipos de passivo, como:

    • Passivo financeiro;
    • Passivo exigível;
    • Passivo não exigível;
    • Passivo descoberto; e
    • Passivo trabalhista.

    O passivo financeiro engloba todas as dívidas e obrigações contratuais que impliquem na entrega de dinheiro ou algum outro ativo financeiro para terceiros.

    O passivo exigível é composto pelas dívidas que devem ser quitadas até uma determinada data, seja ela de longo ou curto prazo.

    O passivo não exigível é, basicamente, aquele que não precisa ser quitado. Então trata-se do patrimônio líquido da organização.

    O temido passivo descoberto ocorre quando o total de bens e direitos da empresa não é suficiente para cobrir a soma das duas dívidas. Ou seja, este é o déficit do negócio.

    O passivo trabalhista, por sua vez, é pelo empregador quando este deixa de cumprir com as suas obrigações trabalhistas ou sonega o imposto sobre a folha de pagamento.

    Ao ter tais informações, fica mais fácil para o investidor entender o que está sendo apresentado pela empresa em seus balanços.

    Logo, se o passivo total for maior do que a soma dos ativos, talvez seja melhor rever este investimento.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    1 comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *