Acesso Rápido

    Passivo circulante: as obrigações de curto prazo de uma empresa

    Passivo circulante: as obrigações de curto prazo de uma empresa

    Dentro da contabilidade de uma empresa, as dívidas e obrigações podem ser divididas de acordo com o seu prazo de vencimento. Dessa forma, tem-se a formação de dois passivos: o passivo não-circulante e o passivo circulante.

    Embora a análise de ambos seja importante para avaliar a situação da empresa, é a partir do passivo circulante que será possível saber como está a sustentabilidade financeira do negócio no curto prazo.

    O que é o passivo circulante?

    Passivo circulante são as obrigações a serem pagas por uma empresa no período de um ano, como matérias-prima, contas a pagar, empréstimos com vencimento menor que 360 dias, impostos a serem recolhidos e provisões.

    Esses itens são encontrados no balanço patrimonial nos lançamentos contas a pagar, despesas provisionadas, dívidas de curto prazo, dívidas de longo prazo a vencer e demais passivos circulantes.

    De modo geral, as obrigações do passivo circulante deverão ser liquidadas com o uso do ativo circulante, que é o grupo de ativos resultante da operação empresarial, como ativos em caixa, estoque e contas a receber de clientes.

    Podemos incluir no passivo circulante os empréstimos para aquisição de direitos do ativo não circulante, desde que os valores a serem pagos vençam no exercício seguinte.

    Minicurso: Contabilidade para Investidores

    Inscreva-se no nosso minicurso gratuito e aprenda os principais conceitos de contabilidade para quem quer investir em empresas na Bolsa de Valores!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    Exemplos de passivos circulantes

    Muitos pensam que os passivos se restringem apenas ao endividamento de uma empresa, porém ele vai muito mais além disso. Por exemplo, podemos considerar passivos as contas a pagar de uma empresa – pois é dinheiro devido a fornecedores que venderam a crédito bens e serviços à empresa.

    Outro exemplo típico podem ser as despesas provisionadas, que nada mais são do que gastos em que a companhia incorreu, mas que ainda precisam ser pagos. Podem ser inclusos nessas despesas os tributos sobre vendas, salários, encargos sociais, etc.

    Após isso tudo, então temos que os demais passivos que podem ser um fundo geral para dívidas de curto prazo que não entram nos exemplos que foram anteriormente citados.

    Então resumindo, podem ser incluídos no grupo dos passivos circulantes de uma empresa os seguintes itens:

    • Créditos de sócios e acionistas;
    • Aluguel;
    • Impostos;
    • Salários, provisões e demais direitos relativo aos funcionários;
    • Fornecedores.

    Diferença entre passivo circulante e não circulante

    Dado que os passivos de modo geral são obrigações exigíveis, ou seja, transações passadas e reclamadas em uma data futura para a empresa. Esse item faz parte de todo balanço patrimonial de uma companhia.

    Então, como o passivo circulante é aquele que é exigível a curto prazo, ou segundo a contabilidade, são contas a serem liquidadas no exercício social seguinte, temos que os passivos não circulantes são obrigações que devem ser liquidadas num prazo superior a 12 meses.

    Por que é tão importante diferenciar o curto do longo prazo?

    A importância de se avaliar os passivos de curto prazo de uma empresa é bastante grande, principalmente aqueles passivos ligados ao endividamento de uma companhia.

    Historicamente, o dinheiro de curto prazo tem sido mais barato do que o de longo prazo. Desse modo, é muito comum vermos empresas quitando suas dívidas antigas e próximas a vencer apenas com mais dívidas de curto prazo. No jargão financeiro, essa operação chama-se “rolar a dívida”, e ela pode funcionar muito bem até que as taxas de juros deem um salto.

    Além do perigo do aumento das taxas de juros, a empresa pode se deparar com credores muito mais resistentes a conceder empréstimos, fato que pode colocar a organização numa espiral bastante negativa de liquidez.

    Toda essa situação foi demasiadamente vista nos últimos três anos em muitas empresas de capital aberto no país. Tivemos companhias gigantes tendo que vender os seus melhores ativos para justamente fazerem frente aos seus credores e fornecedores.

    Então, em toda analise de investimentos é imprescindível que o investidor tenha em mente que toda companhia precisa de algum grau de liquidez para manter-se “viva” no mercado, e um dos componentes que podem servir para essa análise é a observância do passivo circulante dessa empresa e coloca-lo em comparação com os ativos circulantes.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    2 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Rafael 3 de setembro de 2019

      Texto bem didático.

      Responder
    • Cristiano Nogueira 10 de setembro de 2020

      Muito esclarecedor. Obrigado.

      Responder