9 erros que investidores cometem
Por: Marcos Baroni

Os 3 piores erros ao investir em fundos imobiliários

Como sabem, o Fiikipedia é um ambiente colaborativo. Nesta semana, convidei o Gabriel Vassallo para falar sobre alguns erros que os investidores cometem ao investir em FIIs. Em tempo, lembro que foram realizadas 02 Lives nesta semana em meu canal no Youtube:

Abaixo, a contribuição do nosso amigo Gabriel:

Olá pessoal, tudo bem? Me chamo Gabriel Vassallo e a convite do professor Baroni vim mostrar a vocês alguns dos piores erros cometidos ao investir em fundos imobiliários.

Estou me formando em engenharia civil, estudo sobre investimentos desde 2017 e invisto de fato desde julho de 2018. Dentre os mais variados produtos financeiros, foi nos fundos imobiliários que encontrei minha paixão.

A partir de muito estudo, prática e conselhos de pessoas mais experientes, aprendi um pouco sobre esse tipo de ativo e em maio de 2020 criei minha página no Instagram (@fiisanalises), na qual posto conteúdos diários, sobre investimentos com foco maior em fundos imobiliários.

Agora já feita a minha introdução, vamos direto ao ponto.

Com a taxa Selic caindo e ainda com perspectiva de se manter reduzida, uma grande quantidade de investidores iniciantes estão migrando da renda fixa para a renda variável em busca de melhores rentabilidades. Os fundos imobiliários (FIIs) se tornaram o principal alvo de investimentos escolhido por essa nova onda de pessoas.

Entretanto, na busca de como investir nos melhores fundos imobiliários, os investidores se vislumbram por discursos de ganhos fáceis e cometem alguns erros que podem sair muito caros.

A seguir, irei descrever, de forma prática, algumas atitudes as quais o investidor que está começando não deveria tomar em sua jornada inicial nos investimentos em fundos imobiliários.

Guia de Investimento em Renda Fixa

Invista com segurança e rentabilidade: baixe gratuitamente o nosso ebook e conheça as principais opções de investimento em Renda Fixa!

1 – Usar os fundos imobiliários como reserva de emergência

Muitas pessoas ainda acreditam que os FIIs sejam uma ótima alternativa para servir como reserva de emergência, já que tendem a oscilar menos, porém isso pode se tornar uma péssima decisão que irá te custar muito dinheiro.

A reserva de emergência serve para que a pessoa tenha um dinheiro reservado para custear suas despesas mensais ou algum imprevisto que venha acontecer. Deve-se buscar por investimentos que proporcionem alta liquidez (diária de preferência), segurança e que não permita a desvalorização em relação à inflação.

Colocando o dinheiro destina à reserva em fundos imobiliários, há exposição ao risco da oscilação de mercado (renda variável) e no momento de necessidade, o montante investido pode estar valendo menos do que foi investido. Além disso, a liquidez de alguns fundos é relativamente baixa, o que é um problema caso haja necessidade da venda.

2 – Escolher um fundo apenas pelo Dividend Yield (DY)

O Dividendo Yield é o indicador que mede a relação entre os dividendos pagos pelo fundo imobiliário em relação à cotação atual do ativo. Então, caso o DY de um fundo seja 10%, quer dizer que ele paga em forma de dividendos 10% do valor da cotação atual.

O senso comum é fazer a escolha de fundos com os maiores DY possíveis. Acontece que os rendimentos mensais podem oscilar (tanto para cima quanto para baixo) devido à diversos fatores como ganho de capital, venda de ativos, receitas não recorrentes, renda mínima garantida (RMG), revisionais e reajustes de aluguéis, que mascaram a real rentabilidade do fundo.

Como resultado, muitos investidores compram o ativo na euforia, em um momento de alta e, após o período de distribuição desses dividendos excepcionais, o valor da cota tende a se ajustar a um novo patamar, podendo trazer prejuízos ao cotista que entrou desavisado.

3 – Comprar um FII sem antes entender minimamente a sua operação

Você compraria um imóvel, um automóvel, ou até mesmo uma peça de roupa, sem antes mesmo experimentar e procurar saber mais sobre o produto? Provavelmente a sua resposta é não. Por que então você faria diferente nos FIIs?

Como investidores, devemos saber pelo menos o básico sobre onde estamos colocando nosso dinheiro. Saiba responder e explicar para outras pessoas perguntas como qual setor o fundo investe, quais ativos compõe a carteira, quem administra o fundo e qual histórico dele. Essas e outras perguntas podem ser respondidas por meio da leitura do relatório gerencial do fundo, que é imprescindível a todo investidor.

Obviamente existem diversos outros erros que podem ser indicados para que o investidor novato não cometa, porém se atentando aos pontos citados acima, já fará com que o seu desempenho seja melhorado e o principal ponto, te permitirá errar menos nessa longa trajetória ruma à independência financeira.

Instagram:

https://www.instagram.com/fiisanalises/

Telegram Suno
Marcos Baroni

Marcos Baroni é analista CNPI, especialista em Fundos Imobiliários da Suno Research e professor há 22 anos em cursos de graduação e MBA nas áreas de Gestão de Projetos e Processos. Formado na área de TI e com especialização em Educação, investe no mercado financeiro desde o início de sua carreira. Há 12 anos, leva conhecimento por várias cidades do Brasil sobre como conquistar a independência financeira através dos fundos imobiliários como ativos geradores de renda passiva e formação de patrimônio.

6 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • João Pedro 9 de julho de 2020

    Esse primeiro erro é bem comum mesmo!

    Responder
  • Julia 9 de julho de 2020

    ótimas dicas, parecem simples mas são fundamentais!!! podiam criar um post semanal com dicas sobre FIIs

    Responder
  • Sheila 9 de julho de 2020

    Acho que cometo erro numero 2 kkkk aquele ditado né, so estudando mesmo

    Responder
  • Kleber 10 de julho de 2020

    Obrigado pelo conteúdo!

    Responder
  • VINICIUS 2 de agosto de 2020

    Ainda não experimentei o FII, gostaria de saber sobre as taxas e impostos que incidem sobre os Fiis.

    Por exemplo, digamos que comprei 1000 cotas de FII a 90,00 em um determinado momento houve uma valorização de 10,00 e resolvi vender 100 cotas… Quais impostos e taxas vou pagar?

    Compra: 1000 x 90,00 = 90.000,00
    Venda: 100 x 100,00 = 10.000,00

    e se eu resolvesse vender mais 300 cotas?

    Compra: 1000 x 90,00 = 90.000,00
    Venda: 300 x 100,00 = 30.000,00

    Responder
    • Gabriel Lorenzo 3 de agosto de 2020

      Também sou novo no rolê , mas pelo que eu sei e pesquisei.. ao vender uma cota você vai acabar gerando um Darf , que é uma quantia a pagar de imposto pelo lucro que você teve em cima da venda. Por exemplo se você vendeu uma cota por 100 reais mas você comprou ela por 90reais você teve um lucro de 10 reais. O Darf=20% do lucro. Então você deve calcular 20% de 10 reais e vai ser = ao Darf

      PORÉM a Receita Federal só aceita pagamentos de Darf a cima de 10 reais então se o Darf for menor que 10 reais você não precisa pagar, deve esperar até que acumule 10 de darf para quitar a divida.

      Se eu tiver falado alguma besteira alguém me corrige por favor 🙂

      Responder
Leia Mais...
Outras Seções

Ações

208 artigos
Ações

FIIs

54 artigos
FIIs
building

eBook GratuitO

Investindo em

Fundos
Imobiliários

Descubra como receber dividendos mensais dos melhores imóveis do Brasil

Frame

NÃO VÁ EMBORA AINDA...

Inscreva-se e receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!