Acesso Rápido

    Orçamento ajustado: como funciona essa forma de controle

    Orçamento ajustado: como funciona essa forma de controle

    O orçamento ajustado é uma das opções que empresas têm para organizar seu planejamento financeiro.

    O orçamento ajustado é utilizado por diversos tipos de negócio, principalmente por cobrir longos períodos.

    O que é orçamento ajustado?

    Orçamento ajustado é aquele que passa por uma adequação no seu planejamento, especialmente no tocante a volumes. Ele geralmente é desenvolvido para que a empresa encontre saídas orçamentárias para variações não previstas inicialmente.

    Esse tipo de planejamento orçamentário também é conhecido como forecastorçamento impactado ou orçamento revisado.

    O orçamento ajustado funciona em conjunto com um plano de negócios. No início de cada ano ou período, a empresa determina o quanto gastará em cada setor ou produto. Geralmente, este cálculo leva em consideração a presunção de arrecadação para o período em questão.

    Porém, todo negócio está sujeito a uma série de variáveis, como a redução na busca por um produto e o aumento da procura por outro. Esses pontos precisam ser considerados para que o orçamento continue correto e eficiente. Então cria-se um orçamento ajustado, que trará essas alterações para a gestão do negócio.

    É comum que este tipo de orçamento abranja longos períodos. Entretanto, a sua reanálise precisa ser contínua. O mais comum é que estes dados sejam revisados mês a mês.

    Quer saber como o que as informações contábeis tem a ver com os investimentos? Faça o minicurso de contabilidade para investidores.

    Tipos de orçamento

    O orçamento ajustado é uma lógica de organização de receitas e despesas dentre outras opções existentes utilizadas em empresas públicas ou privadas. Entre elas, as mais comumente utilizados são:

    O orçamento estático é aquele que, uma vez determinado, não sofrerá alterações em sua aplicação. Para que ele seja elaborado, é preciso que haja uma fixação dos volumes de produção ou vendas. Assim, ele não se adapta a eventuais mudanças. Este é o modelo mais comum atualmente. E é aquele que pode se tornar um orçamento ajustado.

    O orçamento flexível auxilia a empresa a calcular sua capacidade e ver seus níveis de atividades. Isso porque ele não assume nenhuma faixa de quantidades ou mesmo um nível de atividades esperado. Ele avalia e controla os custos de despesas operacionais de fabricação.

    Para isso, ele abrange dois princípios financeiros: o cálculo e o controle de custo por produto e ainda a diversificação entre os custos variáveis e os fixos.

    O orçamento contínuo, por sua vez, abrange 12 meses ou mais e pode ser revisado de forma mensal, trimestral ou semestral. O seu principal intuito é analisar os orçamentos que foram elaborados em busca de erros, para então corrigi-los. Ele é bastante comum em empresas que trabalham com produtos com ciclo de vida reduzido.

    Outras formas

    O orçamento beyound budgeting é o mais diferente entre todos eles, pois se trata de um modelo de gestão sem orçamentos. O objetivo da empresa que o adota é, em geral, se tornar mais maleável e adaptável. Este modelo é recorrente em fábricas e bancos, por exemplo.

    O Orçamento Base Zero tem uma ação mais profunda, discutindo toda a empresa toda vez que esta previsão de gastos for elaborada. A ideia é não sucumbir nos vícios de custos para levantar aquilo que de fato precisa ser arcado pela empresa. Assim, cada gasto será questionado, bem como as atividades da empresa.

    O controle matricial, por sua vez, é um processo de controle e elaboração de despesas fixas. Isso significa que, por meio dele, é possível reduzir as despesas de forma sustentável. Ele pode ser aplicado para o controle de todas as despesas, independente da empresa ou ramo. Assim, cada empresa pode escolher aquele que mais se adequa às suas necessidades.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *