Por: Tiago Reis

Opções e Futuros: A Visão de Peter Lynch

Já faz algum tempo que recebo pedidos para falar um pouco sobre opções e contratos futuros. Invariavelmente, durante sua trajetória, o investidor ouvirá falar sobre estas alternativas em algum instante.

Antes de mais nada, devo salientar que estes mecanismos podem ser adequados para uso por pessoas que aplicaram uma boa dose de estudos no assunto.

Vale destacar que, embora o entendimento do conceito seja simples, compreender plenamente o funcionamento destes instrumentos é uma tarefa mais complexa.

Para um indivíduo que não possui um conhecimento pleno destas ferramentas, bem como das estratégias para utilizá-las, trata-se de algo que pode ser fatal ao patrimônio devido ao risco elevado.

Nesse sentido, cabe trazer novamente a regra principal dos investimentos, segundo Warren Buffett: “Nunca perca dinheiro”.

Acredito que os conceitos-base de cada uma destas ferramentas são facilmente encontrados. Para facilitar ao leitor, eles podem ser conferidos nos artigos dos links que estão na primeira frase deste Suno Call.

O que pretendo, portanto, é compartilhar a visão do lendário investidor Peter Lynch, exposta no penúltimo capítulo de seu livro “One Up on Wall Street”.

O que Lynch pensa sobre opções e futuros?

Aprenda a Investir em Dividendos

O autor começa a discussão já destacando que nunca comprou opções nem contratos futuros em toda a sua carreira de investidor, e nem cogita comprá-los futuramente.

Além disso, aponta que é quase impossível ganhar dinheiro com estes instrumentos financeiros, a não ser que você se profissionalize nisso.

Claramente, Peter toma uma posição desfavorável ao uso destes mecanismos por pequenos investidores em geral.

Relatórios de Chicago e Nova York, da época em que “One Up on Wall Street” foi escrito, indicavam que entre 80% e 95% dos investidores amadores perdiam dinheiro ao utilizar estas ferramentas. Acredito que tal estatística se mantém ainda nos dias de hoje.

É válido dizer que estes instrumentos se originam a partir da ideia de proteção.

Os contratos futuros, por exemplo, são bastante úteis para o setor de commodities. Por meio deles, é possível permitir que um fazendeiro trave o preço pelo qual irá vender sua mercadoria após a colheita. Do outro lado da troca, o comprador também pode fixar o preço pelo qual pagará pela mercadoria.

Cabe observar que ações não são commodities e, portanto, não há relação entre produtor e consumidor que faça com que a segurança dos preços seja necessária para o bom funcionamento do mercado de ações.

Para Lynch, qual o problema das opções e futuros?

Investindo em Fundos Imobiliários

Quando o investidor compra ações de uma empresa, ele contribui, de alguma forma, para o desenvolvimento do país.

Por meio do mercado de ações, as companhias podem levantar capital para investir em seu crescimento, que, consequentemente, impulsiona o crescimento do país. É para isso que as ações servem.

Por outro lado, no mercado de opções e futuros, o dinheiro não é colocado em uso construtivo. Lynch afirma que este dinheiro não financia nada, exceto os carros, os aviões e as casas compradas tanto pelos poucos que conseguem lucrar quanto pelos trabalhadores do mercado financeiro que ganham comissão pela venda destes instrumentos.

Quando uma companhia cresce e prospera, todos os seus acionistas são beneficiados. Já o mercado de opções é um jogo de soma-zero. Isto é, excluindo-se os custos das transações, para cada quantia que alguém ganha neste mercado, a mesma quantia é perdida por uma contraparte.

Segundo Lynch, esta é a pior parte de comprar uma opção: não tem nada a ver com ser dono da fatia de uma companhia.

Além disso, é um “jogo” que necessita não apenas de premissas corretas, como também de um timing correto, já que a tese esperada pode se concretizar apenas após o vencimento do instrumento.

Em contrapartida, caso a utilização seja, de fato, para conferir proteção ao portfólio, Lynch ressalta que o investidor pode facilmente gastar de 5% a 10% de seu patrimônio investido, a cada ano, para se proteger de uma queda de 5% a 10%.

Por fim, saliento, novamente, que é preciso tomar bastante cuidado com estes mecanismos. O alto potencial de retorno rápido seduz muitos investidores pequenos a se aventurarem no ambiente das opções e dos contratos futuros.

 

“Alguns pequenos investidores, não satisfeitos em ganhar aos poucos, preferem perder rapidamente” (Peter Lynch)

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

1 comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Muriel 20 de agosto de 2019

    Excelente livro, e excelente texto explicativo!

    Responder
Leia Mais...
Outras Seções

Ações

201 artigos
Ações

FIIs

51 artigos
FIIs

eBook Gratuito

Invista Como
Warren Bufeett

Aprenda a usar a estratégia do Value Investing, usada pelo maior investidor do mundo!

Série Guia Suno

3 Livros pelo preço de 1

Aprenda tudo que você precisa saber para começar a investir com a série didática de livros Guia Suno

%d blogueiros gostam disto: