Opções de compra

Opções de compra são instrumentos derivativos que, como o próprio nome já indica, dão o direito de o negociador exercer a compra de um determinado ativo no futuro.

As opções, assim como qualquer derivativo, têm preços derivados de outros ativos subjacentes. Nesse artigo, será atribuído um foco sobre as opções de compra, bem como suas características e estratégias inerentes a esse tipo de contrato.

As opções de compra são aquelas que dão ao investidor o direito, mas não a obrigação, de comprar um ativo em uma data futura por um preço previamente estabelecido.

No caso específico de opções de compra de ações, o direito é o de comprar as ações pelo preço pré-estabelecido.

Dessa forma, o investidor que decidir exercer os direitos que estão no contrato de compra deverá desembolsar o valor correspondente para a compra dos lotes de ações.

No entanto, caso ele não exerça seu direito até a data de vencimento, perderá totalmente o valor gasto com as opções compradas, pois após o vencimento, aquela opção específica deixará de existir.

Normalmente, quando um investidor realiza a opção de compra, ele está procurando realizar um contrato do qual ele espera comprar uma ação a um determinado preço no futuro.

Essa estratégia costuma ser utilizada quando se acredita que o ativo irá valorizar no futuro e o investidor quer ter a garantia que terá o direito de possuí-lo pelo preço de mercado no momento do contrato.

É importante ressaltar que, além de comprar opções de compra, o investidor tem também a possibilidade de lançar estes contratos para que alguém os comprem.

Dessa forma, o investidor irá se situar do lado contrário ao de quem tem a opção de compra. Caso exercido, o lançador do contrato terá a obrigação de vender o ativo pelo preço pré estabelecido.

Exemplo do uso de opções de compra


opções de compra exemploComo dito anteriormente, opções de compra são contratos derivativos.

Os derivativos podem ser difíceis de compreender para alguns investidores. Principalmente os mais iniciantes.

Por isto, convém tratar um exemplo com ativos reais antes de explanar como funcionam as opções de compra com ações.

Exemplo na ótica do comprador da opção

Suponhamos que Paulo possui R$ 500 mil para comprar um apartamento em sua cidade.

Como a crise imobiliária afetou bastante a sua cidade e muitos imóveis agora se encontram a venda, Paulo foi capaz de achar um apartamento sendo vendido por R$ 350 mil.

No entanto, no mesmo dia, ele foi avisado que uma oportunidade de um novo e mais rentável emprego em outra cidade pode se tornar realidade no próximo mês.

A difícil decisão nessa situação seria facilmente solucionada se Paulo lançasse mão de uma opção de compra deste apartamento.

A celebração de um contrato com o vendedor do imóvel iria propor que ele, nesse caso, terá o direito de adquirir a casa nos próximos 30 dias mediante ao pagamento de um prêmio no valor de R$12 mil.

Caso a oferta de emprego se concretize, Paulo, não terá nenhuma dívida com o vendedor da casa, apenas terá perdido o valor do prêmio pago a esse vendedor.

Perceba que se caso Paulo desejasse realizar sua opção de compra, ele iria desembolsar os mesmos R$ 350.000 negociados no começo, além do valor do prêmio de contrato.

Dessa forma, o contrato é bastante proveitoso para Paulo.

Visto que ele garante a possibilidade de comprar um apartamento por um bom preço.

E ao mesmo tempo, caso ele se mude para outra cidade, ele pode abrir mão do seu direito sem precisar pagar nenhum valor além do prêmio já desembolsado.

É importante ressaltar que esse é um exemplo fictício, e contratos de opções de compra apenas podem ser realizados através de corretoras licenciadas pela bolsa de valores do Brasil.

No entanto, o exemplo serve para elucidar o conceito de opções de compra.

Exemplo na ótica do lançador

Seguindo neste mesmo exemplo, o contrato também é proveitoso na visão do lançador.

Afinal, o contrato não seria firmado se ambas as partes não achassem que pudessem ganhar nesta situação.

Para o lançador do contrato é proveitoso pois, logo após a definição do contrato, ele recebe o prêmio da opção. Neste exemplo, de R$ 12 mil.

Caso a opção de compra seja exercida por Paulo, ele irá vender o imóvel para Paulo e assim ficar com R$ 362 mil. Pois o valor da venda é de R$ 350 mil.

Caso a opção não seja exercida em 30 dias, o lançador seguirá como dono do seu imóvel, e ficará com os R$ 12 mil do prêmio do contrato.

Assim, ele pode seguir buscando novos compradores para o seu apartamento.

Exemplo do mercado de opções


exemplos de ativos opções de compra
Uma vez compreendido o conceito de opções de compra com ativos reais fica muito mais fácil entender como funciona o mercado de opções na prática.

As opções de compra de ações são contratos derivativos que derivam dos preços das ações no mercado à vista.

No vídeo abaixo, se discute se o mercado de derivativos e opções são uma alternativa para o investidor de longo prazo.

Os contratos de opções negociadas em bolsa são exclusivamente de ações.

Ou seja, permitem ao comprador o direito de comprar uma ação no futuro por um preço previamente estabelecido.

E obrigam o lançador, caso exercido, a vender a ação pelo preço pré determinado.

Comprando uma opção de compra

Suponha que você deseja comprar as ações da Ambev pois acredita que a empresa pode ter uma grande valorização no mercado.

No entanto, você não quer aplicar uma quantia grande de capital nesta compra no momento. Preferindo, então, adentrar no mercado de opções.

Pois, neste mercado os ganhos podem ser maiores e o investimento necessário é menor.

Suponha então que existe um contrato disponível de opção da Ambev com o preço de exercício em R$ 10 e o prazo de dois anos.

O prêmio por este contrato é de R$ 1 e ele lhe dá o direito de comprar 100 ações.

Você então adquire este contrato, pois acredita que em algum momento destes 2 anos as ações da Ambev irão estar valendo muito mais de R$ 11.

Sendo assim, valerá a pena garantir o preço de compra de R$ 10, pagando R$ 1 por isto, somando um custo total de R$ 11.

Se a sua tese se provar certa, e as ações da Ambev em algum momento do contrato estiverem valendo, suponha, R$ 20, você terá um grande lucro.

Afinal, você terá o direito de exercer o seu contrato. Assim pagando apenas R$ 10 em um ativo que vale o dobro disto.

Dessa forma, você terá um lucro de R$ 10 por ação. Subtraindo o montante pago pelo prêmio, o seu lucro será de R$ 9.

Portanto:

20 / 11 = 1.81 = 81%

O seu lucro nesta opção será de 81% pois o capital investido foi apenas R$ 11.

Em caso de as ações da Ambev durante todo o contrato negociarem sempre abaixo de R$ 10 você não irá exercer a opção de compra.

Afinal, que sentido faz comprar um ativo que vale menos de R$ 10 pagando R$ 10 por ele?

Neste caso, você perderia 100% do capital investido. Que corresponde ao valor do prêmio de R$ 1.

Lançando uma opção

Como é esperado, para toda comprador de um contrato, há do outro lado um vendedor.

No termo das opções, chama-se quem oferece o contrato de lançador, e quem o adquire de titular.

Seguindo o exemplo das opções de compra da Ambev, o racional do lançador é exatamente contrário ao seu.

Ele lança o contrato no mercado de opções pois acredita que as ações da Ambev permanecerão abaixo de R$ 10, sendo assim, o contrato não será exercido.

Isto permite ao lançador recolher prêmios de opções, enquanto não precisará vender o seu ativo.

O lucro do lançador, caso a sua tese se confirme, é de R$ 1 por opção.

No entanto, o grande diferencial que o contrato de opção oferece para o lançador é que ele pode obter lucro sem aplicar nenhum capital.

Porém, caso a tese dele não se confirme o seu prejuízo pode ser bastante grande.

Afinal, as ações podem subir indefinidamente, não há nenhum limite de alta. E o lançador se comprometeu a vender as ações por R$ 10.

Mesmo que as ações estejam sendo negociadas no mercado à vista por R$ 100, ele terá que vender as suas ações por R$ 10.

Ou seja, é necessário um certo cuidado ao se tornar um lançador de opções.

Embora a possibilidade de obter ganhos sem aplicar capital possa seduzir muitos, é sempre importante lembrar que as perdas são ilimitadas.

FAQ sobre o mercado de opções

 

faq opções de compraQuais as vantagens e desvantagens das opções?

A principal vantagem da opção está na possibilidade de alavancar as operações e assim obter maiores ganhos.

No entanto, é importante lembrar que assim como as possibilidades de ganhos são maiores, o mesmo ocorre para as de perdas.

Não é raro que pessoas percam todo o capital investido com opções de compra.

O que é algo muito raro quando comparado com o mercado de ações à vista.

No mercado de ações à vista uma perda completa do capital só ocorre quando o valor de uma ação vai até 0.

Algo bastante raro de acontecer.

O que significa dizer que uma opção “virou pó”?

Significa dizer que a opção, na data de vencimento, não vale a pena ser exercida.

Sendo assim, o valor da opção passa a ser 0, e se diz que ela “virou pó”.

Por exemplo, suponha que você comprou uma opção de compra da Petrobras, com preço de exercício de R$ 15.

Se as ações, na data de vencimento do contrato, se mantiveram abaixo deste valor sua opção terá “virado pó”.

Afinal, não irá valer a pena você pagar R$ 15 em um ativo que vale menos que isto.

Mesmo que você queira comprar ações da Petrobras no fim do contrato, valerá mais a pena adquiri-las no mercado à vista, pois o custo será menor.

No mercado de opções, não é incomum as opções se tornarem pó.

Os contratos precisam ser mantidos até o vencimento?

Não. Assim como as ações, os contratos de opções também podem ser comprados e vendidos livremente.

Dessa forma, não é necessário permanecer com o contrato até o fim para obter lucro com uma operação.

Por exemplo: Suponha que você comprou opções do Banco Itaú, com preço de exercício de R$ 15, pagando um prêmio de R$ 0,10.

Isto enquanto as ações no mercado à vista eram negociadas pelo preço de R$ 10.

Caso as ações no mercado à vista cheguem a R$ 14, a chance do contrato ser exercido será muito maior do que quando as ações estavam a R$ 10.

Portanto, o contrato de opção que você pagou R$ 0,10 irá se valorizar. Você poderá vender este contrato então a outra pessoa por meio da bolsa de valores, e assim obter lucro sem exercer a opção.

Quais fatores afetam o preço das opções?

Diversos fatores afetam os preços das opções, porém, entre os principais é possível citar:

  • Preço no mercado à vista
  • Dividendos
  • Aproximação da data de liquidação

Mercado à vista

Como as opções são derivativos de ações, os seus preços derivam do mercado à vista. No entanto, as opções costumam ser muito mais voláteis do que as ações mercado à vista.

Dividendos

Os dividendos são subtraídos do valor da ação na data-ex. Assim, há uma redução do preço da ação no mercado à vista. Por isso, a ocorrência de dividendos afeta diretamente o preço das opções.

Aproximação da data de liquidação

A aproximação da data da liquidação causa um grande aumento da volatilidade nas opções. Afinal, é na data de liquidação que se define se os contratos irão, ou não, ser exercidos.

Qual a diferença entre opções americanas e europeias?

As opções negociadas em bolsa de valores podem ser de dois tipos:

  1. Opções americans
  2. Opções europeias

As opções americanas podem ser exercidas durante todo o período de vigência do contrato. Estas são mais comuns no mercado brasileiro.

Já as opções europeias só podem ser exercidas na data de liquidação.

Conclusão sobre opções de compra

conclusão sobre opções de compra
É importante para investidores de todas as experiências que se compreenda, o quanto antes, a verdadeira importância das opções de compra, pois sua negociação pode ser de extrema importância caso o investidor saiba, de fato, o que esteja fazendo.

É importante lembrar que opções envolvem altos riscos, e que podem ocorrer até perdas de todo o capital aplicado.

Por isto, é importante que o investidor que decida por lançar mão do uso das opções de compra esteja bastante consciente dos riscos inerentes a este tipo de operação.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.