obv

A análise técnica consiste no estudo do histórico de negociação da ação, para tentar identificar padrões de comportamento. Dentro dessa estratégia, um dos elementos de análise mais utilizados é o indicador OBV, ou On Balance Volume.

Representado de forma gráfica, o OBV é visto como um parâmetro usado para monitorar tendências e estimar o melhor momento para comprar ou vender um papel.

O que é o OBV?

O OBV (On Balance Volume) é um indicador que relaciona a movimentação financeira (volume) de um ativo na bolsa com a sua respectiva posição de fechamento. Ou seja, dependendo de como a ação fechar o dia (em alta ou em baixa), o On Balace Volume irá somar ou subtrair o volume do dia do seu volume acumulado.

Para facilitar sua visualização, o On Balance Volume costuma ser apresentado como um gráfico. Dessa forma, a movimentação do indicador pode ser mostrada de acordo com o tempo, durante uma sequência de dias. Essa representação é conhecida como Linha OBV ou Curva OBV.

Para quê serve o OBV ?

Também chamado de Saldo de Volume, o On Balace Volume é visto como um parâmetro essencial por quem investe seguindo a análise técnica.

Por considerar o fluxo positivo ou negativo do volume em um momento, esse indicador conseguiria “antecipar” se a ação vai subir ou cair. Ou seja, dessa forma, o OBV funcionaria como um “rastreador de tendências”.

Por isso, o On Balace Volume é um índice muito utilizado principalmente para:

  • Identificar tendências de alta ou de baixa;
  • Medir a força e a potencial duração dessa tendência;
  • Indicar possíveis pontos de reversão.

Como o OBV é calculado?

O cálculo do OBV depende diretamente de como o ativo terminou o dia. Funciona da seguinte forma:

  • Se a ação fechou em um preço acima do dia anterior: soma-se o volume do dia ao On Balace Volume acumulado.

Logo, OBV = OBV anterior + Volume do Dia;

  • Se a ação fechou em um preço abaixo do dia anterior: soma-se o volume do dia ao On Balace Volume acumulado.

Logo, OBV = OBV anterior – Volume do Dia;

  • Se a ação fechou se manteve no mesmo preço: o On Balace Volume continua o mesmo.

Logo, OBV = OBV anterior.

Como interpretar o OBV?

De acordo a análise técnica, se um ativo está com um On Balace Volume crescente, é sinal de que a sua demanda está aumentando. Por outro lado, se o On Balace Volume começar a tender para baixo, a demanda sobre o ativo estará caindo.

Logo, se o volume vai aumentando diariamente juntamente com o preço da ação, é sinal que o ativo deve se valorizar. Porém, se o volume começar a cair, pode significar que o movimento de alta está perto do fim.

Da mesma forma, se o volume estiver baixo e os preços também estiverem caindo, a ação está em uma tendência de queda. Entretanto, se o volume começar a subir, é um indicativo que movimento pode se reverter. Ou seja, isso demonstra que a ação poderá começar a subir.

O que diz a análise do OBV?

Em resumo, a análise em torno do On Balace Volume pode fornecer as seguintes indicações aos investidores:

  • Confirmação de tendência de alta: Cotação e On Balace Volume no mesmo sentido. A ação deve estar se valorizando e a Linha OBV subindo (inclinação positiva).
  • Confirmação de tendência de baixa: Cotação e On Balace Volume no mesmo sentido. A ação deve estar se desvalorizando e Linha OBV descendo (inclinação negativa).
  • Possível reversão de tendência de baixa = Cotação e On Balace Volume em sentidos diferentes. A ação deve estar se desvalorizando e Linha OBV subindo (inclinação positiva).
  • Possível reversão de tendência de alta = Cotação e On Balace Volume em sentidos diferentes. A ação deve estar se valorizando e Linha OBV descendo (inclinação negativa).

Nesses casos, deve-se ressaltar que o valor numérico do OBV não é relevante. A verdadeira utilidade desse indicador está na inclinação da sua curva no gráfico – ou seja, no seu movimento de subida ou descida. Logo, o importante não é avaliar quantitativamente o On Balace Volume, e sim observar se a sua tendência é de alta ou de baixa.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.