Se você não sabe, Valuation é a técnica de precificação de ativos.

Você usa Valuation para quase tudo no seu dia a dia, apesar de você nem perceber.

Quando você compara o preço do peito do frango com o quilo do filé mignon, você está fazendo Valuation relativo.

Valuation é importante.

Se você compra um ativo por um preço que tenha uma margem de segurança frente ao valor justo, você está fazendo um bom negócio.

Um ativo pode estar atrativo em um preço e não em outro, porque pode negociar com desconto ou prêmio frente ao preço justo que chegamos através do Valuation.

Existem algumas coisas que você precisa saber antes de fazer Valuation. As quais eu destaco:

A) Subjetividade:

Apesar de números estarem envolvidos no processo de Valuation, as premissas por trás dos números são subjetivas.

Por exemplo, se você for fazer o Valuation de Vale vai precisar estimar o preço do minério de ferro daqui 10 anos. Dois analistas diferentes vão chegar em preços diferentes desta importante variável.

B) Tempo:

Por mais que você faça o Valuation correto, com as melhores premissas, ainda assim pode demorar tempo para o preço do ativo convergir para o valor alvo.

Por exemplo, na crise de 2008 as ações da Apple caíram 50% e depois subiram mais de 10 vezes.

Quem tivesse fazendo um Valuation antes da crise, poderia até acertar que a empresa seria trilionária em dez anos, mas se comprasse iria perder 50% em um primeiro momento.

C) Imprevistos

Imprevistos acontecem. Às vezes você faz a melhor análise do mundo. E mesmo assim pode ter surpresas.

A empresa analisada é adquirida. Ou entra um novo governo que resolve regular o setor. Ou entra um avião nas torres gêmeas e o dólar dispara.

Esse tipo de situação acontece, e seu portfólio deve estar razoavelmente diversificado para que caso um imprevisto aconteça, ele não impacte de maneira forte todo seu patrimônio.

Se você se interessa por Valuation, te convido a participar do Curso de Valuation da Suno.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.