Acesso Rápido

    Lucros cessantes: como reaver prejuízos causados por terceiros?

    Lucros cessantes: como reaver prejuízos causados por terceiros?

    Quem trabalha por conta própria sabe que um dia parado representa um montante a menos de dinheiro ganho. Dependendo do caso, essa situação ser revertida por uma indenização por lucros cessantes.

    Além de arcar com os danos emergentes, o proprietário ainda estará sujeito aos lucros cessantes. O que pode gerar uma grande dor de cabeça para quem não está com as finanças pessoais em dia.

    O que são lucros cessantes?

    Lucros cessantes são os valores não recebidos por alguém que fica impossibilitado de trabalhar para obter sua renda durante determinado período. Por isso, sua incidência é mais frequente em eventos envolvendo profissionais autônomos e pequenos empresários, pessoas jurídicas.

    Um exemplo prático seria um taxista. Em caso de acidente com o seu veículo, o profissional fica sem ter como obter lucros enquanto o carro estiver no conserto. O que caracteriza a existência de um lucro cessante.

    Planilha de Controle de Gastos

    Não perca o controle das suas finanças! Baixe nossa planilha gratuita de controle de gastos e organize melhor toda a sua vida financeira!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    Estas perdas financeiras podem não ser cobertas pela apólice de seguro feito pela pessoa física, sendo atendido apenas o reparo do automóvel. O que implica ainda no pagamento da franquia do seguro pelo segurado.

    Por isso, caso o acidente seja causado por outra pessoa, esta pode ser condenada a arcar com o conserto do bem e com os lucros cessantes da vítima.

    Como funcionam os processos envolvendo o lucro cessante?

    A possibilidade de indenização por lucros cessantes está prevista no artigo 404 do Código Civil brasileiro.

    O texto diz que: “Salvo as exceções expressamente previstas em lei, as perdas e danos devidas ao credor abrangem, além do que ele efetivamente perdeu, o que razoavelmente deixou de lucrar”

    O que quer dizer que o responsável pela danificação do bem tem responsabilidade civil sobre as perdas financeiras.

    Existem diversos tipos de danos que podem prejudicar uma empresa ou profissional autônomo. Isso inclui incêndio ou danos a maquinários em decorrência de queda de raio.

    Ou mesmo alagamento em épocas de excesso de chuvas e alterações climáticas.

    Porém, de acordo com o Superior Tribunal de Justiça (STJ) só é considerado lucro cessante o caso em que o prejuízo for diretamente causado pelo evento danoso.

    Seguros e os lucros cessantes

    Os seguros para bens de pessoas físicas não costumam cobrir lucros cessantes. Afinal, entende-se que a pessoa física não dependa daquele bem segurado para o exercício das suas atividades.

    Então, uma das opções para conseguir a cobertura para lucros cessantes é o seguro empresarial.

    Mas este tipo de seguro traz em suas cláusulas a garantia das perdas financeiras referentes ao tempo em que o empreendimento estiver fora de funcionamento serão ressarcidas.

    Há também a possibilidade de fazer uma reserva financeira com este propósito. Por isso, vale a pena colocar na ponta do lápis o que é mais interessante para cada um.

    Como calcular lucros cessantes?

    Calcular os lucros cessantes não é uma tarefa simples. Caso a reclamação de lucro cessante for para a Justiça, ela será responsável por determinar o quanto o acusado tem de pagar à vítima. Ainda assim, é preciso apresentar uma estimativa do quanto foi perdido.

    O mesmo vale para a restituição paga pelo seguro. Este cálculo deve considerar a média do faturamento da empresa por dia e multiplicar pelo tempo em que as atividades que deixaram de ser realizadas. Além disso, é preciso levar em conta também as despesas operacionais do trabalho que ficou paralisado.

    Para se prevenir de problemas financeiros, organize os seus recursos utilizando a planilha de vida pessoal gratuita da Suno Research.

    Foi possível saber mais sobre lucros cessantes? Deixe suas dúvidas nos comentários abaixo.

    Gabriela Mosmann
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *