Você gosta de ler livros de investimentos? O hábito da leitura constante é uma característica comum de todo investidor de grande sucesso na bolsa de valores.

Os livros de investimentos revelam diferentes perspectivas do enriquecimento a longo prazo, e quais as estratégias que mais fazem sentido para o investidor comum.

Ler livros de investimentos talvez seja uma das atividades mais importantes de um investidor. O Warren Buffett credita grande parte do seu sucesso à leitura do investidor inteligente, de Benjamin Graham.

Porque ler livros de investimentosporque ler livros de investimentos

No universo dos investimentos é fundamental que o investidor crie uma rotina de aprendizado contínuo por meio da leitura de bons livros sobre investimentos.

Criar uma rotina diária de leitura vai fazer com que o indivíduo tenha uma evolução significativa ao longo dos anos.
Existem vários bons motivos para ler livros sobre investimentos, como por exemplo:

  • Capacitar tecnicamente o investidor
  • Aprender estratégias que funcionam
  • Evitar cometer o erro dos outros

1º motivo: capacitação técnica do investidor

Investir não exige saber projetar foguetes, ou se adentrar nas complexidades matemáticas. Na verdade, basta saber as cinco operações matemáticas.

Contudo, investir com sucesso no mercado de ações exige conhecimentos de contabilidade.

Sem saber contabilidade, não é possível avaliar os resultados da empresa, seu endividamento, suas margens e seu crescimento.

Dessa forma, o investidor está muito mais suscetível a fazer um mau negócio.

Por exemplo, ao comprar empresas que apresentam resultados contábeis bons enquanto a geração de caixa está comprometida.

Ou então, empresas que pagam elevados dividendos, mas às custas de um endividamento excessivo.

Quem soubesse o mínimo de contabilidade nunca teria comprado papéis da OGX, por exemplo, que se apresentava em um estágio pré-operacional.

2º motivo: aprender estratégias que funcionam

O segundo motivo para ler livros que tratam de investimentos é aprender com quem já alcançou o sucesso financeiro.

Infelizmente, grande parte da indústria do mercado financeiro vende promessas de ganhos fáceis, rápidos e elevados no curto prazo. Promessas que nunca se cumprirão.

Quem promete isso costumam ser vendedores de cursos de day-trade, opções, ou outros derivativos, ou então, as corretoras que estimulam o giro das carteiras dos clientes.

Por outro lado, existem aqueles investidores que realmente obtiveram retornos expressivos nos investimentos. E, portanto, escrevem livros sem nenhum conflito de interesses. Apenas compartilhando as estratégias que deram certo para eles.

E quando se lê bastante sobre esses investidores, descobre-se algo bastante interessante:

A maioria dos investidores de ações que obtiveram sucesso utilizam alguma variante da estratégia denominada Value Investing, que é a abordagem que a Suno acredita ser o melhor caminho para o investidor no longo prazo.

3ºmotivo: Evitar cometer o erro dos outros

Ao ler livros dos melhores investidores do mundo, é notável ver como eles erraram bastante ao longo do caminho.

Warren Buffett, por exemplo, errou quando adquiriu a Berkshire Hathaway, que no início era apenas uma empresa de tecidos que perdeu competitividade com a competição estrangeiro. Também errou ao comprar uma rede de varejo americana.

E nos seus primeiros investidmentos, o próprio Buffett menciona que sua performance era inferior à media, e que isso só mudou após conhecer as ideias de seu mentor, Benjamin Graham.

Aprender com os erros dos outros evita que o investidor adote estratégias que, comprovadamente, deram errado. E dessa forma, aumenta suas chances de sucesso ao investir.

Os melhores livros de investimentosmelhores livros de investimentos

Ao longo dos últimos meses, a equipe da Suno Reseach escreveu ótimos artigos exclusivos sobre clássicos livros de investimentos, como o “Faça Fortuna com Ações “ de Décio Bazin, e o “Investidor Inteligente”, de Benjamim Graham.

Esses são dois livros clássicos, indicados por alguns dos maiores investidores dos mercados de capitais brasileiro e americano.

O “Faça fortuna com ações” foi recomendado pelo Luiz Barsi, um dos maiores investidores da bolsa brasileira.

No vídeo abaixo, o CEO e fundador da Suno, Tiago Reis, entrevista a filha do autor.

Quanto ao Investidor Inteligente, Warren Buffett diz que este livro mudou a sua vida.

Porém, bons livros de investimentos não se limitam somente a esses dois, e é possível extrair muito conhecimento lendo assiduamente alguns dos livros que indicaremos a seguir:

O jeito Peter Lynch de investirO Jeito Peter Lynch de Investir

O jeito Peter Lynch de investir é um clássico livro de investimentos, traduzido do original “One Up on Wall Street” lançado nos EUA.

Nele, Peter Lynch conta sua passagem vitoriosa pelo mercado de capitais, onde geriu um fundo de investimentos por cerca de 13 anos e alcançou um resultado anual composto de quase 29%.

Neste livro, ainda, Lynch mostra sua visão sobre como diferenciar negócios, e como o investidor deve se comportar adequadamente no mercado.

Seu foco era na analise fundamentalista, sempre procurando comprar negócios que tivessem um preço descontado e, ao mesmo tempo, possuíssem uma boa perspectiva de geração de caixa futura.

Filosofias de Investimento

Filosofias de Investimento

Filosofias de Investimento

Filosofias de Investimento é um clássico livro de investimentos, cujo autor é um dos maiores professores de valuation do mundo, o Aswath Damodaran.

No livro, Damodaran mostra por meio de simulações históricas, os resultados das principais estratégias de investimentos.

A grande utilidade desse livro é ajudar o investidor que ainda não achou uma estratégia sólida e confiável para seus investimentos.

A quantidade de gráficos e backtests do livro é enorme, e através dos resultados obtidos o investidor terá a chance de perceber a grande eficácia da estratégia Value Investing.

Investindo em Ações no Longo Prazoinvestindo em ações no longo prazo

Investindo em Ações no Longo Prazo é uma referência no mercado, e que já se encontra em sua quinta edição.

Nele, Jeremy Siegel inclui dados centenários de análise do desempenho das ações em comparação com os principais investimentos financeiros concorrentes.

O resultado é incontestavelmente favorável às ações, no mundo todo.

Além disso, Siegel traz respostas para várias duvidas importantes no mercado atual, como “quais são as fontes de crescimento econômico de longo prazo?” e “como se proteger contra a instabilidade da moeda?”

Com certeza esse livro é uma leitura obrigatória para todo investidor que deseja entender a fundo as forças que movem os mercados, apresentando uma síntese completa de dados para fundamentar uma carteira de ações sólida no longo prazo.

O Poder de Pensar Fora da CaixaO Poder de Pensar Fora da Caixa

Esse livro traz uma abordagem um pouco diferente em relação aos outros livros de investimentos supracitados.

Nele, Willian Thorndike faz uma análise das decisões de alguns dos maiores gestores de empresas do século XX.

O autor destrói a falácia de que um líder precisa ter grande habilidade de comunicação e ser carismático, através de alguns exemplos muito famosos como Warren Buffett, Katharine Graham, Henry Singlenton, entre outros.

Ele mostra, também, que um gestor precisa ter a capacidade de pensar por conta própria e por vezes fazer aquilo que nenhum concorrente seu está disposto a fazer.

É um livro de investimentos muito interessante de se ler, pois possui ensinamentos valiosos para investidores, entre eles o valor da paciência na espera por oportunidades, e a disciplina para não fugir do seu método de investimentos para acompanhar a “manada”.

Casos de sucesso no mercado de açõescasos de sucesso no mercado de ações

Este livro trata basicamente da história de quatro investidores brasileiros que obtiveram grande sucesso no mercado de ações.

Os investidores retratados no livro são Ari Hilgert, Samuel Emery, José Otávio e Renato Rosseti.

O interessante nos relatos dos investidores é notar a diferença de estratégias utilizadas por cada um deles.

Contudo, é possível perceber como os investidores se pautavam pela análise fundamentalista das ações. O leitor não encontrará estratégias de análise técnica, estratégias especulativas.

Ari Hilgert, por exemplo, sempre foi um investidor arrojado, que concentrava posições. Já Samuel Emery realizava estudos profundos e minuciosos a respeito de cada empresa da bolsa.

Por outro lado, José Otávio era um investidor muito técnico, utilizando diversos indicadores fundamentalistas.

Em alguns casos, também conseguia aproveitar oportunidades de arbitragens no mercado financeiro, o que é difícil de fazer hoje em dia.

Já Renato Rosseti, por outro lado, tinha vários amigos e conhecidos, e era muito bem informado.

Assim, ele demonstrou a importância de desenvolver um extenso networking, isso é, uma rede de relacionamento confiável para troca de informações.

Berkshire Hathaway lettersberkshire letters

Esse livro na verdade é uma coletânea de várias cartas escritas anualmente por Warren Buffett aos acionistas da holding Berkshire Hathaway, empresa controlada por Buffet.

A leitura é bastante prazerosa, em um estilo cômico, mas profundo. São tratados diversos temas a respeito do investimento em ações, mas também de negócios, alocação de capital, contabilidade, gestores, e muitos outros assuntos.

As lições são valiosíssimas, pois Warren Buffett é considerado por muitos como um dos maiores investidores de ações.

Precauções

É muito importante para o investidor adaptar a realidade dos livros de investimentos ao mercado brasileiro.

Infelizmente, a maioria dos livros de boa qualidade ainda são escritos em inglês e direcionados principalmente ao mercado americano. Mercado este que é muito maior do que o mercado brasileiro.

Gestão ativa X Gestão passiva

No mercado americano, por exemplo, existem diversos estudos que demonstram a incapacidade dos fundos de ações, ou hedge funds, superarem os índices de referência do mercado, cujo principal expoente é o S&P 500.

O próprio Warren Buffett ganhou uma aposta nesse sentido, apostando que o S&P 500 iria superar os hedge funds, após a cobrança de taxas.

Por esses motivos, John Bogle, fundador do grupo Vanguard, resolveu criar os fundos de índices (ETF), que replicam a carteira dos índices de mercado, mas cobram taxas baixíssimas em comparação ao restante da indústria.

De fato, esses fundos alcançaram enorme sucesso nos Estados Unidos.

Contudo, a realidade brasileira é bastante diferente.

Aqui no país, o principal índice de mercado é o Ibovespa.

Mas ao contrário do S&P 500, que contém 500 empresas na sua composição, o Ibovespa é menor.

Em 7 de Junho de 2018, o índice apresentava uma composição de apenas 67 empresas. E somente 6 empresas representavam mais de metade do índice.

Além disso, a maioria dessas empresas são de commodities ou bancos.

Assim, por esses motivos, o índice não é suficientemente diversificado, não correspondendo, portanto, à realidade da economia como um todo.

Assim, nunca foi tão difícil para os gestores brasileiros superarem o Ibovespa, bastando desviar um pouco a alocação desses setores quando os resultados não iam bem.
Outro ponto que favorece a gestão ativa aqui no país é a menor eficiência do mercado.

Aqui no Brasil, existem diversas ações “largadas” na bolsa, com pouco acompanhamento de analistas, mas que podem ser excelentes negócios.

Período histórico diferente

Outro erro que alguns investidores cometem é simplesmente replicar estratégias do passado indiscriminadamente no presente.

E o caso mais emblemático disso diz respeito ao professor de Warren Buffett, Benjamin Graham.

Graham foi o pioneiro do Value Investing, e os modelos que ele utilizava para calcular o preço justo de uma ação eram bastante simples. E um dos livros de investimentos mais famosos do autor é o Investidor Inteligente, como mencionado.

Geralmente se tratavam de algumas fórmulas com múltiplos de mercado. E o foco era em companhias extremamente descontadas em relação ao valor de liquidação das empresas.

Contudo, naquela época, na década de 30,40, o mercado era muito mais ineficiente, e era possível encontrar diversas barganhas desse tipo.

Entretanto, hoje em dia a situação é muito diferente. Existe um verdadeiro “oceano” de informações. E cabe ao investidor filtrar as informações e ser mais diligente nas suas análises.

Assim, é muito mais raro encontrar boas empresas que estejam sendo negociadas abaixo do valor de liquidação. Algumas oportunidades podem existir, e por isso a Suno pode recomendar para os seus assinantes Smal Caps.

Contudo, as fórmulas de Graham, como eram aplicadas no passado, possuem um uso limitado hoje em dia.

Todavia, o que não está ultrapassado é a sua filosofia de investimentos, que é comprar algo por menos do que vale. Isso não irá mudar nunca.

Conclusão sobre livros de investimentosconclusão livros de investimentos

Obviamente, existem diversos outros livros sobre investimentos essenciais para o desenvolvimento de um investidor.

De fato, opções não faltam em inglês. E cada vez mais, novos livros são produzidos, assim como a Suno já produziu alguns.

Mas de qualquer forma, os livros mencionados acima podem contribuir fortemente para a ampliação do horizonte de conhecimento no que diz respeito à aplicação de recursos no longo prazo.
Certamente, o investidor que dedicar algumas horas por semana para ler livros de investimentos conseguirá aprender estratégias vencedoras, se capacitar tecnicamente, e evitar cometer os erros dos outros.

Compartilhe a sua opinião
Rodrigo Wainberg

Rodrigo Wainberg

Profissional aprovado no Level III da certificação CFA, investidor em ações há 6 anos, possui registro de Analista e Consultor de Valores Mobiliários, e é Bacharel em Física pela UFRGS.