lastro
Por: Tiago Reis

O que é lastro e como ele funciona para garantir o valor de um ativo

Para que um ativo seja aceito e transacionado no mercado, é preciso que ele apresente uma garantia de valor. Essa garantia, que precisa ser reconhecida por todos, é chamada de lastro.

O lastro é uma ferramenta essencial para a financeirização da economia – garantindo que títulos e ativos “representativos” possam simbolizar algum valor.

Entendendo o conceito de lastro

Lastro é um ativo secundário que serve como uma garantia implícita para um ativo principal. Ou seja, o lastro é utilizado para relacionar um ativo inicialmente sem valor (como um pedaço de papel utilizado como título) com um algo que possua um valor explicito e visível (como um bem físico).

Logo, ao lastrear um título, por exemplo, o seu emissor está oferecendo um segundo ativo, de valor reconhecido por todos, para garantir a avaliação do primeiro. Dessa forma, o lastro “transfere” seu valor ao ativo principal, possibilitando que ele reconhecido e negociado com outras pessoas.

Como surgiu a utilização do lastro na economia?

A ideia de utilizar de garantias físicas para ativos sem valor explicito é antiga, mas se fortaleceu mesmo no final da Idade Média, durante o renascimento das rotas comerciais. Nessa época, as transações entre as pessoas se intensificaram e entraram em um processo de “títularização”. Com isso, as relações econômicas, antes baseadas no escambo, foram sendo substituídas pela transação com títulos financeiros e moedas.

Inicialmente, as moedas eram fisicamente constituídas de um metal precioso (ouro e prata). Ou seja, elas tinham lastro em si mesmas. Porém, com o passar do tempo, outros instrumentos mais práticos foram surgindo – principalmente nas atividades de crédito.

Logo, para garantir que esses ativos valiam alguma coisa, uma instituição confiável (como bancos ou governos) lastraveam esses meios de troca – utilizando, normalmente, as reservas físicas de um metal. Portanto, com o lastro todos poderiam ter certeza que uma nota ou um título equivalia a uma quantidade de ouro, prata ou qualquer outro bem valioso.

Garantindo o valor de uma moeda: o lastro monetário

O conceito de lastrear moedas permanece até hoje, mesmo com o abandono do padrão-ouro internacional – que garantia que todo dólar equivalia a uma quantidade de ouro no banco central americano.

Atualmente, cada país possui liberdade para imprimir mais moeda quando desejar. Mas isso só é possível se a produção geral de riquezas do país também aumentar ao mesmo. Dessa forma, o próprio crescimento econômico irá “lastrear” indiretamente a emissão de mais moeda. Se essa condição não for respeitada, a moeda acaba perdendo seu valor e gerando inflação – o que é altamente prejudicial para a economia.

O mesmo vale para o mercado de crédito: se o governo estimula artificialmente a liberação de financiamentos e empréstimos sem ter condições para garanti-los, forma-se uma bolha que afeta o nível geral de preços e causa distorções no mercado.

Garantindo o valor de um ativo: o lastro financeiro

O lastro também é utilizado largamente nas operações com títulos no mercado financeiro. Na verdade, é o lastro dado como garantia em um título que permite que ele seja aceito e negociado no mercado pelos investidores.

Um empréstimo interbancário via SELIC, por exemplo, é lastrado em títulos públicos. Logo, um banco consegue confiar um no outro para empresar recursos entre si, já que toda a operação é garantida pelo governo. Ao mesmo tempo, uma operação em CDI é lastreada em títulos privados, emitidos pelos próprios bancos.

Já títulos específicos que representam um ativo, como a LCI e LCA, por exemplo, também precisam de lastro para existir. Nesse caso, ambos os títulos são lastreados, respectivamente, em imóveis e produtos do agronegócio.

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

2 comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Ana Lúcia dos Santos 31 de julho de 2019

    Obrigada pelos esclarecimentos, professor Tiago Reis. Eu escutei em uma aula no YouTube que o Real não tem lastro e fiquei curiosa para entender o quê significa isto. Abraços.

    Responder
  • roberto schinemann 22 de novembro de 2019

    bom dia ..conhece alguma empresa que utiliza como lastro bancario pedras preciosas brutas..sou gemologo de uma mineradora de moissanites..

    Responder
Leia Mais...
Outras Seções

Ações

209 artigos
Ações

FIIs

54 artigos
FIIs
kisspng-warren-buffett-business-stock-nebraska-sales-warren-buffett-5b5ea4d6586671.9006389715329292383621

eBook Gratuito

Invista Como
Warren Buffett

Aprenda a usar a estratégia do Value Investing, usada pelo maior investidor do mundo!

revenue

eBook Gratuito

Manual do Investidor

Tudo o que você precisa para dar os primeiros passos na Bolsa de Valores

Frame

NÃO VÁ EMBORA AINDA...

Inscreva-se e receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!