Acesso Rápido

    Jeff Bezos, CEO e fundador da Amazon

    Jeff Bezos, CEO e fundador da Amazon

    Somente seres humanos diferenciados conseguem atingir o posto de homem mais rico do mundo.

    Jeff Bezos, CEO e fundador da Amazon, ocupa esta posição atualmente com uma fortuna estimada em US$124 bilhões de dólares.

    Nascido dia 12 de janeiro de 1964, se tornou milionário aos 33 anos de idade e bilionário aos 35.

    Bezos é um dos maiores CEOs da história não apenas por ser o homem mais rico do planeta, mas porque criou e geriu uma empresa revolucionária.

    A Amazon chegou a ter um valor de mercado de US$1 trilhão de dólares em setembro, e atualmente tem uma capitalização de US$731 bilhões. Bezos é dono de 16% da companhia.

    O primeiro passo para a construção desse patrimônio gigantesco aconteceu numa garagem, em 1994, quando Bezos fundou a Amazon.

    A empresa foi oficialmente lançada em 16 de julho de 1995. Parecia ser a hora certa – muitas pessoas começaram a migrar para a Internet, mas não existiam muitos concorrentes criando bons sites comerciais.

    Apesar das condições favoráveis, inúmeras pessoas falharam tentando implementar lojas de varejo online, mas Jeff Bezos superou inúmeros desafios e hoje governa um império que vem revolucionando a indústria de varejo.

    Nada seria possível sem a obsessão de Bezos por a construir uma plataforma incrível, que garante que as entregas cheguem quando prometidas, e que acima de tudo agrega valor à vida do consumidor.

    A missão da Amazon era uma: ser a empresa mais centrada no cliente da face da Terra, onde as pessoas podem encontrar e descobrir tudo o que desejam comprar on-line.

    Um inovador e empreendedor nato, Jeff sempre foi um amante dos livros. Gostava de ler sobre Thomas Edison e Walt Disney, dois de seus heróis empreendedores.

    Em entrevista à Academy of Achievement, ele comenta que sempre se interessou por inventores e invenções. Admirava Edison e Disney por serem verdadeiramente pioneiros e por possuírem grandes visões.

    Estar atento às mudanças nas tendências de consumo das pessoas, ter uma empresa fluida e adaptativa, e fornecer serviços relevantes aos consumidores, foram lições aprendidas desde cedo.

    Há décadas Bezos já tinha consciência de que precisava melhorar continuamente, como declarou em 1998:

    “Nós sabemos dois por cento hoje. Acho que a Amazon pode conhecer tanto quanto qualquer outra empresa sobre comércio eletrônico, mas aposto que sabemos dois por cento do que saberemos daqui a dez anos. E a maioria das coisas interessantes ainda nem começaram a ser inventadas.”

    Hoje em dia a Amazon já demonstrou que veio para mudar o mundo que conhecemos. Seus serviços são líderes de mercado em diversos países.

    A empresa se adaptou às peculiaridades de diferentes nações, e hoje em dia tem a maior fatia de mercado em locais como México, Alemanha, Japão, Índia e Estados Unidos.

    Conseguiu desbancar o Mercado Livre no México, a Otto na Alemanha, a Rakuten no Japão e a Flipkart na Índia. Usufruindo de sua escala global e de sua maestria em logística, a Amazon entrega algo tão bom ao consumidor que seu efeito é avassalador, mesmo em mercados consolidados.

    Difícil competir quando seu concorrente tem maior variedade, melhor preço, serviços mais eficientes e cômodos.

    A companhia construída por Bezos tem diversas vantagens competitivas.

    Começando com seu site com algoritmo de recomendação de produtos acoplado a uma plataforma de pagamentos, fruto de anos de investimentos bilionários e da coleta de dados de milhões de pessoas.

    A Amazon tem uma expertise enorme com centros de distribuição, com níveis inéditos de eficiência de espaço e automação, também possui know-how no uso de Big Data.

    Por fim, Bezos demonstra que assim como os investidores bem-sucedidos, ele tem foco no longo prazo, e sabe que oscilações no meio do caminho fazem parte do jogo. Recentemente disse em uma entrevista ao Wall Street Journal alguns conselhos que dá aos seus funcionários:

    “Quando as ações estão subindo 30% em um mês, não se sinta 30% mais inteligente, porque quando a ação cai 30% em um mês, não será prazeroso se sentir 30% mais burro.”

     Também citou Benjamin Graham:

     “No curto prazo o mercado é uma urna de votos, no longo prazo é uma balança.”

     Com 54 anos de idade, Jeff Bezos deve continuar executando seu papel de CEO e criando inovações por muitos anos.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *