Muitas pessoas têm o anseio de investir em dividendos com o objetivo de ter um renda proveniente do lucro das empresas investidas.

Boas empesas fazem com que a prática de investir em dividendos seja um método eficaz para uma construção de riqueza a longo prazo.

Investir em dividendos pode ser entendido como uma estratégia voltada para o objetivo de se obter lucros e rendimentos no longo prazo. Normalmente, tal prática é bem sucedida se for bem executada. Adicionalmente, essa é uma tática que exige muita disciplina.

Para que seja escalável, é muito interessante que o investidor crie o hábito do reinvestimento de tais proventos recebidos ao longo de sua jornada.

O Dividendo se define como o pagamento em dinheiro feito aos acionistas por ação, citado como um valor em reais ou como uma porcentagem do valor de mercado.

Ainda, são normalmente pagos com os lucros da empresa ou com capital acumulado.

Por lei, as empresas com ações na Bolsa de Valores devem distribuir, no mínimo, 25% do lucro anual.

Dessa forma, ao investir em ações você está comprando uma pequena porção de uma empresa.

Com as aplicações de baixo risco, como títulos do tesouro, rendendo pouco devido às taxas de juros menores, o caminho mais natural é diversificar e aplicar uma parte do patrimônio em investimentos de maior risco.

Investir em dividendos vale a pena?

Investir em dividendos

Investidores inteligentes se focam em comprar ações de empresas nas quais sabe que podem confiar, ou seja, ações que pagam dividendos de forma coerente e recorrente.

Enquanto que os preços das ações são voláteis, os pagamentos de empresas com esse perfil de dividendos variam muito menos.

Dessa maneira, manter como foco a renda que se recebe das ações pode trazer mais tranquilidade para o investidor.

Portanto, é interessante não se atentar ao preço delas pois, assim, minimiza-se a ansiedade provocada por uma eventual queda nos preços desses papéis.

Investir em dividendos é bom?

À primeira vista parece óbvio que investir em ações que pagam dividendos é bom, porém existem alguns fatos a considerar.

Primeiro, as empresas podem mudar a sua política de rendimentos.

Em um determinado momento elas podem pagar esses proventos. Porém, podem, por qualquer que seja o motivo, cortá-los ou eliminá-los.

Um cenário dessa conjuntura seria um caso em que uma companhia passe a focar no seu crescimento, atribuindo mais investimentos e também criando novos projetos.

Para destacar, empresas pagadoras de dividendos são como árvores frutíferas, conforme crescem elas produzem os frutos chamados “dividendos”.

Confira 4 passos para obter dividendos em seus rendimentos:

Com que frequência os dividendos são pagos?

Os dividendos podem ser pagos anual, semestral, trimestral ou até mensalmente.

Cada empresa decide a periodicidade desses pagamentos, e deve informar aos seus acionistas qual é sua política de distribuição.

Com pouco dinheiro eu consigo investir e obter dividendos?

Investir em dividendos com pouco dinheiro é totalmente possível, porém é necessário tranquilidade e paciência devido ser este um investimento de longo prazo.

Na prática, o ideal é que o investidor atente-se em evitar que a taxa de corretagem ultrapasse o percentual de 1,5% do montante financeiro aplicado.

Em suma, uma carteira diversificada é o ideal para que o risco de mercado seja equilibrado.

Para destacar, um fato relevante a se considerar é que os dividendos são isentos de imposto de renda.

Investir em dividendos
Considerações sobre dividendos

Diante do exposto, percebe-se que montar uma carteira para receber dividendos é uma maneira de receber uma renda constantemente.

Assim, os parâmetros aqui apresentados obviamente não são a única forma de selecionar ações para investir em dividendos, e talvez nem a que lhe dará o maior retorno. Porém, no longo prazo utilizando esses critérios você tem grandes chances de receber bons dividendos de maneira constante e positiva.

Compartilhe a sua opinião

Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.